Vagner Mancini

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Cosmo.jpg "Não, cê é burro cara, que loucura..."

Este artigo é sobre algo ou alguém burro ou completamente imbecil.

E acredita na imparcialidade jornalística da Rede Globo.
Vagner Mancini
Mancini 2.png
Informações pessoais
Nome completo Vagner Karma Burrini
Data de nasc. 24 de outubro de 1966
Local de nasc. Ribeirão Preto (SP), Brasil
Altura 1,85 m
Informações atuais
Clube atual Mancinismo tá off
Posição Ex-volante que só toca para trás
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (gols)
1988–1989
1990–1991
1992
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2002
2003
2003
2004
2004
Brasil Maior verdão do Brasil
Brasil Sem Lusinha no fim do túnel
Brasil Bragantino raiz
Brasil Botafogo fake
Brasil Gremo
Brasil Time do Zé
Brasil Coxo
Brasil Ponte Afrodescendente
Brasil Time do carlos com c minúsculo
Brasil Caixa d'Água Sporting Club
Brasil Figueroa
Brasil Ixpó do Recife
Brasil Ituânus
Brasil Pênislista
13 (3)
33 (10)
14 (1)
Nada
16 (1)
Nada
12 (0)
9 (1)
Nada
Nada
13 (0)
Nada
Nada
Nada
Times que treinou
Anos Clubes Jogos
2004-2007
2007
2008
2008-2009
2009
2009
2010
2010
2011
2011-2012
2012
2013
2013
2014
2015-2016
2017
2017-2018
2019
2020
2020-2021
2021- 2021
2021 -
Brasil Pênislista
Bandeira da ArábiaSaudita.png PAl Nasuareta
Brasil Analvalanche
Brasil Derrota
Brasil Asilo
Brasil Derrota again
Brasil Vascaindo
Brasil Guaraná
Brasil Caixa d'Água
Brasil Marias
Brasil Ixpó do Hellcife
Brasil Náuticu
Brasil Athletico Pharanaense
Brasil Bostafogo
Brasil Derrota, terceira vez
Brasil Chapecuense
Brasil Derrota, quarta vez
Brasil Patético Mineiro
Brasil Atlético genérico
Brasil Corongão
Brasil Mequinha
Brasil Hexa-Rebaixamento
sei lá...

Cquote1.svg TÉCNICO BURRO, BURRO, BURRO! (60X) HEXA-REBAIXADO! Cquote2.svg
Farid Germano Filho sobre qualquer coisa relacionada a Vagner Mancini

Vagner Mancini, apelidado carinhosamente pelos torcedores dos times que "treina" como Vagner Burrini, é um ex-volante truculento, que atualmente atua como entregador de coletes e técnico bombeiro. Conhecido por ser hexa-rebaixado e por ser o criador do Mancinismo, que é uma metodologia bastante semelhante ao Cucabol, o trabalho de Vagner Mancini não é muito apreciado pelos dirigentes esportivos, que não são homens de cultura e não conseguem compreender a arte, e por isso o treinador nunca consegue ficar uma temporada inteira em um clube.

Carreira[editar]

Como jogador[editar]

Ninguém se importa.

Como treinador[editar]

Paulista[editar]

Quando Vagner Mancini se aposentou como jogador enquanto jogava pelo Paulista, a torcida até comemorou e estourou os fogos de artifício que nunca conseguiu soltar para comemorar um título, mas a alegria acabou quando Mancini foi anunciado como o novo treinador da equipe, então ele continuaria na equipe de Jundiaí por mais algum tempo.

Mas apesar da desconfiança inicial por ter seu time comandado por um cara sem experiência alguma, que nunca tinha treinado nem jogador de futebol virtual no FIFA, logo os torcedores se animaram, com a equipe vencendo seu primeiro e provavelmente último título de relevância na história, conquistando uma Copa do Brasil e se classificando para fazer figuração na Copa Libertadores da América.

Esse primeiro bom trabalho de Mancini, e o advento do Mancinismo, animou equipes do Brasil inteiro, que começaram a fazer sondagens anais para contar com o treinador. O que ninguém sabia, ou não queria aceitar, é que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, e esse seria o último título da carreira do "professor".

Grêmio[editar]

Após uma breve passagem pelos Emirados Árabes Unidos para ganhar aqueles dois caminhões de dinheiro que o Fábio Carille tanto queria, com o bolso cheio com os dólares dos sheiks, Vagner Mancini voltou ao Brasil em 2008, para encabeçar a comissão técnica do Grêmio, que estava em claro declínio técnico e tático.

O problema é que nessa época Mancini já mostrou que não consegue extrair muito dos atletas e dá preferência na escalação para os seus parceiros de churrasco, e por isso mesmo com a equipe invicta graças aos confrontos contra equipes irrelevantes que só servem para iludir, a diretoria da equipe gaúcha voltou a si e demitiu o treinador após apenas cinco partidas, já que o Grêmio conseguiu passar sufoco contra o seu clone genérico, o Grêmio Jaciara.

Vitória[editar]

Após a demissão do Grêmio, Mancini fez a sua primeira de suas muitas passagens pelo Derrota da Bahia, já que ele gosta muito disso. Chegando na equipe baiana para substituir o técnico Viadão, demitido por incentivar a brotheragem no vestiário, Mancini fez aquilo que viria a se tornar a sua marca registrada na carreira, ele começa muito bem e ilude muito os torcedores, mas com o passar do tempo, o time começa a cair de paraquedas de todas as competições e da tabela do campeonato nacional, beirando o rebaixamento.

Apesar de estar sempre na corda bamba, Mancini conseguiu se equilibrar por sua amizade com o presidente do clube, mas seguindo a sua filosofia de trabalho de não passar mais do que uma temporada inteira em um clube, logo ele aceitou a proposta para ir treinar o misto de pivetes e idosos no Santos.

Santos[editar]

No alvinegro praiano, a proposta retranqueira do Mancinismo não foi muito bem aceita, já que a estratégia que os torcedores emaconhados mais gostam é a kamikaze, manda toda a garotada pro ataque e vê no que dá. Mesmo comandando o Santos quando a prioridade ainda eram os Paulistões, Mancini não conseguiu enfim conquistar seu segundo título na carreira, ele até conseguiu chegar na final do Paulista, mas acabou levando nabo do Corinthians.

O fato de, como sempre, não conseguir fazer o time jogar, somado ao fato de que ele conseguiu ser goleado pelo Vitória da Bahia em épocas ainda mais obscuras, quando não conseguia contratar nem refugos para o seu elenco, fez com que Mancini fosse demitido após apenas metade de uma temporada.

Cruzeiro[editar]

No São Paulo, Mancini só estava esperando o Cuca ir para assumir como técnico, mas Daniel Alves decidiu trollar e contratar Fernando Diniz para ser o novo técnico do tricolor paulista.

Após virar um técnico cigano, ficando cerca de três meses no Vitória (de novo), Vasco da Gama, Guarani e Ceará, não deixando saudades em nenhum desses clubes, em 2011, Mancini chegou ao Cruzeiro, e esperava conseguir conquistar títulos, já que naquela época as fanfarronices dos dirigentes ainda não tinham sido descobertas e o elenco do time mineiro era um dos melhores do país.

Mas não adianta ter uma Lamborghini se o piloto só consegue dirigir Chevette, e por isso Mancini não conseguiu fazer o time jogar, passando mal até para times como o Patrocinense. Após a torcida protestar contra ele escrevendo "Mancine" nos muros do CT, Mancini decidiu entregar o cargo, até porque com trinta partidas, ele sentiu que seu prazo de validade já estava no final.

São Paulo[editar]

Após rodar pelo Brasil por mais alguns anos, Mancini chegou ao São Paulo não para ser treinador, e sim para ser o coordenador técnico do time, e auxiliar o presidente Leco em sua missão do tricolor paulista não conquistar absolutamente nada por dez anos. O objetivo de manter o jejum foi alcançado com êxito, e por isso Mancini foi se mantendo na diretoria sem maiores preocupações.

Mancini estava apenas esperando o Cuca ir, assim ele poderia enfim ser o técnico da equipe, porém após a demissão do treinador, Daniel Alves decidiu contratar Fernando Diniz, jogando água na cerveja de Mancini, que puto da vida, decidiu ir pra qualquer outro lugar.

Corinthians[editar]

Cquote1.svg Isso aí, boa Otero Cquote2.svg
Mancini após seu marido Otero errar passe de dois metros e armar contra-ataque pro adversário

Após passagens apagadas de Mancini por Atlético Mineiro e Atlético Goianiense, Andrés Sanchez achou que ele seria um bom técnico pro Corinthians, já que seu salário não é dos mais altos e ele não se importa em escalar os pé de rato da Elenko Sports e da Casa Soccer a pedido da diretoria. Chegando com a missão de tirar o time da beiradinha do cu da zona de rebaixamento, Mancini fez o de sempre, começou bem e iludindo os torcedores, apesar do time passa sufoco até contra o XV de Piracicaba, os resultados estavam vindo e mascarando o trabalho de qualidade questionável.

Foi nessa época também que Mancini começou a ser comido por Rómulo Otero, e assim o anão venezuelano passou a ser titular absoluto do time, mesmo mais atrapalhando do que ajudando. Após ficar balançando no cargo por mais ou menos quatro meses, passando mal até pra ganhar do Retrô de Pernambuco e ficando marcado por xingar a molecada por qualquer coisa e passar pano pros medalhões, Mancini enfim caiu, para a alegria da Fiel que enfim estava livre do Mancinismo.

América Mineiro e Grêmio[editar]

Após cagar com sua oportunidade para treinar um time de verdade, Mancini vai para o América Mineiro, voltando para sua eterna batalha contra o rebaixamento. Por lá as coisas até que funcionaram, mas como Mancini não pode ver uma chance de lutar contra a degola que pila imediatamente, após salvar a equipe mineira, ele aceita ir receber um caminhão de dinheiro para tentar salvar o Grêmio também, que já estava praticamente rebaixado. Mas como nosso amigo não consegue fazer milagres, ele acaba caindo com a equipe gaúcha, adicionando mais um rebaixamento em sei currículo, como se cinco já não fossem o bastante