Star Wars: The Bad Batch

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Yoda bebezinho.jpg
Do futuro, este artigo ou seção trata. Baseado nas premonições do Mestre Yoda, tudo que está escrito a partir daqui foi.
Clique aqui para mais premonições do Mestre Yoda você ver.
Zorak.jpg Você está entrando em um mundo desconhecido nas imensidões da escuridão, onde
ninguém pode ouvir seus gritos!

Agora, viajar pelo espaço ficou mais fácil depois que inventaram a Coca-Cola.
Se aconchegue em sua nave e vá tomar um "chazinho" com o E.T. de Varginha.


Bedi Betch
Sim, heróis de ação dos Anos 80 de novo

Sim, heróis de ação dos Anos 80 de novo
Formato/Género Clonagem e feiticeiros do espaço
Duração De 70 a 20 minutos
Criado por Dave Filoni
Diretor(es) {{{diretor}}}
Produtor(es) {{{produtor}}}
Apresentador(es) {{{apresentador}}}
Elenco {{{elenco}}}

Narrador {{{narrador}}}
Tema de abertura {{{abertura}}}
Tema de encerramento {{{encerramento}}}
País Bidenland
Rede de televisão Disney+, apenas 39.99$
Formato de Exibição {{{formato_exibição}}}
Idioma Todas as línguas traduzíveis
Transmissão original {{{p_transmissão}}}
– presente
Qt. de temporadas Uma... por enquanto
N. de episódios 16 episódios
[disney.com Página oficial]
IMDb
TV.com


Babel fish.gifTraduzindo: Guerras Estrelares: Produto Defeituoso
Babel Fish sobre Star Wars: The Bad Batch
Cquote1.svg Você quis dizer: Clone Wars Season 8 Cquote2.svg
Google sobre Star Wars: The Bad Batch
Cquote1.svg Vish, nossas ações estão descendo, hora de cagar outra série Cquote2.svg
LucasFilms sobre estado atual de Star Wars
Cquote1.svg Pô, legal, mas e Mandaloriano Season 3? Cquote2.svg
A fanbase inteira sobre Bad Batch
Cquote1.svg WRECKA! Cquote2.svg
Wrecker toda cena

Star Wars: The Clone Wars Epilogue - The Bad Batch, também conhecida como Vingança dos Sith 1.5, também conhecida como Uma Nova Esperança 0.1, também conhecida como Por Favor Não Cancelem Sua Inscrição na Disney + é a mais nova série animada da franquia mais violentada e batida dos últimos anos. Desde que Star Wars foi parar na mão do rato corporativista que adora chupar saco de chinês, a qualidade de seus produtos tende a ser, na melhor das hipóteses, medíocre, senão esquizofrenicamente inconsistente. No que diz respeito as séries animadas, algumas pessoas gostaram de Rebels, por mais erradas que estivessem, e ninguém assistiu Resistence, que fracassou tão miseravelmente em conseguir qualquer tipo de audiência que você provavelmente nem sabia que existia até ler a frase anterior. O negócio azedou tanto que acabou voltando pras mãos da equipe original de Clone Wars, gerando a Sétima Temporada que os fanboys não cansam de paparicar.

A Rapariga Ruim (na tradução português de Portugal) dá continuação direta aos eventos da paparicada season final da série passada, sem poder utilizar de nenhum dos personagens dela, porque todos deram o vazante pra fazerem outras coisas que já foram estabelecidas no canône da franquia. Resta então ao espectador acompanhar as aventuras do Esquadrão Clone 99, a já mencionada rapariga de qualidade duvidosa, figurantes glorificados que apareceram em 4 episódios da sétima temporada de CW e que agora são os protagonistas de sua própria série. Juntos, eles precisarão lutar por suas vidas para escapar do recém formado Império, que se encontra a caminho de mandar todos os clones pra lixeira junto com o que tiver sobrado de Kaminoenses.

Desenvolvimento[editar]

As raízes de Bad Batch tecnicamente existem desde antes da produção da sétima temporada de Clone Wars. Quando a série foi cancelada pela Disney em 2013, muito material de episódios futuros se encontravam prontos para produção e tiveram que ser despejados no lixeiro na geladeira, para nunca mais serem utilizados... ou pelo menos para serem exibidos aos fãs em 2015.

Echo passando fome nos episódios inacabados

O Efeito Mandela se manifestou quando muita gente alegou se lembrar do design do Esquadrão Clone 99 anos antes deles sequer aparecerem pela primeira vez. A realidade é que esse material inacabado foi apresentado aos fãs numa celebração aleatória de Star Wars em 2015 e num surto de fanboyolice, muita gente esqueceu completamente disso. No fim do dia, entretanto, isso não passa de um pedaço de trivia interessante que não tem muito a ver com a produção de Bad Batch de fato.

As primeiras conversas de produzir a série surgiram de fato depois da Disney ressuscitar Clone Wars numa jogada de marketing e autorizar a produção de uma temporada final. No meio do desenvolvimento do negócio, sabendo que o bagulho ia acabar, mas sem querer que o bagulho acabasse, bolaram uma estratégia (se é que essa palavra pode ser utilizada quando o assunto é Star Wars da Disney) de expandir a lore da franquia através de personagens novos e linkar essas narrativas com as 5000 séries de Star Wars que estão em desenvolvimento ativo nas minas de sal do Mickey Mouse.

Uns dois anos depois e voi la, Bad Batch é lançado diretamente na Disney+, sem muito hype ou estardalhaço dos fãs e do público em geral, que ainda estão com o gosto azedo na boca do Episódio IX e do cancelamento da demissão da Gina Carano.

Premissa[editar]

O Esquadrão Clone 99, que recebeu esse nome numa homenagem ao clone defeituoso favorito da moçada, é um esquadrão formado por originalmente 4 clones "defeituosos" que atuaram como parte do Grande Exército da República durante as Guerras Clônicas. Suas mutações genéticas fogem do padrão típico Chernobyl e eles acabam sendo na verdade super soldados clones cujas habilidades são superiores aos demais, o que lhes permite, entre outras coisas, acertar disparos e não morrer.

Durante o evento mais catastrófico da lore de Star Wars, 4/5 do Esquadrão resistem ao efeito dos chips inibidores e se recusam a matar jedis e padawans. Esse evento não passa despercebido pelos seus superiores, incluindo o Almirante Tarkin, que está muito interessado em parar de torrar dinheiro com clones e procura qualquer desculpa possível para simplesmente mandar Kamino como um todo comer merda. A descoberta de que os defeitos genéticos deles, além de conceder super poderes, são a razão para a sua relutância em obedecer ordens, desperta a curiosidade do velho que decide prendê-los para interrogatório e experimentação.

Para que a série possa acontecer, o Esquadrão consegue fugir de Kamino junto com uma pirralha irritante chamada Omeega, que também é uma clone, só não se sabe de quem, e passam a ser caçados pelo Império e por seus antigos companheiros por serem desertores. Tudo isso no episódio 1, o que indica que ninguém aprendeu nada com a season 2 de Mandaloriano e vão continuar rushando tudo que for possível.

Personagens[editar]

Os clones mais diferentões da galáxia
  • Rambo: Hunter é uma desculpa barata para enfiarem o veterano de guerra mais adorado do cinema em Star Wars. Ele tá sempre usando uma bandana, tem a cara pintada (embora no seu caso seja uma tatuagem) e tá sempre procurando uma oportunidade pra usar a faquinha. Possui a percepção aguçada, ou alguma baboseira assim, então tá sempre indo no stealth. Atua como o líderzão genérico do grupo.
  • Heavy do Team Fortress 2: Wrecker é um clone de 2,5m de altura que possui a mentalidade de um pirralho de 8 anos e o sotaque mais vagamente russo/mongoloide de academia da história. Todo esquadrão militar de qualquer propriedade intelectual da história possui o cara grandão que bate muito e só atira com a gatling gun do Resident 5, Wrecker não é diferente. Em quesito personalidade também exibe o clichê de ser o gigante com o coração de ouro, porque tá sempre sendo bonzinho e adora crianças (no bom sentido).
  • Donatello: Tech é o cara das tecnologias. Presume-se que, por possuir óculos, seja o mais inteligente do grupo. É ele que chamam quando tá na hora de trocar o HDMI 1 pelo 2, ou pra instalar o Avast. Em quesito corpo a corpo e combate em geral, entretanto, ele é tão útil quanto a Ashley do Resident Evil 4, geralmente ficando para trás para hackear algum circuito bifásico de polaridade alfa que de alguma forma vai causar uma explosão enorme e salvar o dia.
  • Charles Bronson: Crosshair é um clone bolado de cabelo branco que tá sempre com um palito de dente na boca porque sim. Ele é o único cara do Esquadrão que tá completamente de boas com a ideia de matar jedis e seguir ordens, surpresa surpresa, ele permanece fiel ao Império e passa a liderar um recém-formado esquadrão de stormtroopers em caçadas contra insurgentes e separatistas. Já que ele é um sniper, que só erra seus disparos pra não matar seus antigos aliados e a série acabar em um episódio, é de se esperar que ele vá tretar bastante com os stormtroopers, que não consegue acertar nem a própria merda no vaso.
  • Hacker Man: Echo é um dos únicos personagens legado que retornou pro elenco principal. No meio de uma equipe de super mutantes tunados, ele se encontra numa posição muito particular porque a equipe já possui um "cara das tecnologias". Por ser meio ciborgue e ter um braço de pen drive, ele é o clone que acaba sendo enviado pra hackear um painel ou outro quando a oportunidade surge, e se faltar pilha no radinho, a cabeça dele também serve de reserva. Acaba que o cara não possui nenhuma das vantagens dos super soldados, só consegue lutar de pistolinha porque não tem uma das mãos e tudo que ele faz pode ser feito pelo outro nerd do grupo.
  • Omeega: Porque toda série agora precisa ter sua própria versão do Baby Yoda enfiaram essa pirralha aqui. Além de estranhamente possuir um sotaque australiano, é revelado ainda no primeiro episódio que ela também é uma clone defeituosa. Mais tarde o pessoal descobre que ela tava por dentro de várias outras paradas bizarras sobre os clones, tipo os chips comportamentais, porque ela nunca falou sobre eles para nenhum dos clones ninguém sabe. Quando o bonde tá fugindo de Kamino ela vai junto pra não morrer e se torna a mascote da nave. De quem ela é um clone ninguém sabe, fica ai um mistério para o futuro, não é como se mistérios em Star Wars sempre terminassem em desastre mesmo.
  • Fennec Shand: Mulan está de volta diretamente de sua ressureição na segunda temporada de Mandaloriano, o que na verdade não é o caso porque Bad Batch se passa pelo menos uns 20 anos antes. Aqui ela ainda é novinha, apesar de usar literalmente as mesmas roupas, o mesmo capacete e as mesmas armas. Em Clone Wars haviam pelo menos 7 caçadores de recompensa que estavam o tempo todo dando as caras em episódios aleatórios pra fuder com os protagonistas, e ela parece ser essa bola da vez, jurando encontrar o Esquadrão Clone 99 e capturar Omeega.
  • Almirante Tarkin: Todo mundo sabe que Tarkin é um dos personagens mais picudos da história de Star Wars e lamentam profundamente o fato de que ele morre no primeiro filme da franquia. Desde então, sempre que uma oportunidade aparece, a LucasFilms arranja um jeito de retroativamente enfiar ele nos cantos, chegando até mesmo a reanimar seu cadáver com computação gráfica em Rogue One. Aqui os recursos são menos extremos e ele é só um bonequinho animado mesmo, bem mais novo do que ele seria no Episódio IV e num cargo militar inferior. Por enquanto assume a posição de vilão principal da série. Seus planos de se livrar dos clones e dos Kaminoenses para instaurar um sistema de alistamento militar obrigatório nos planetas Imperiais obviamente não cai bem com nenhum dos dois.

Ver Também[editar]