Soborô Dontê

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Nota: Não confundir com Soborô, um veneno japonês
Churrasco.jpg Este é um artigo gastronômico.

Se precisar, melhore este artigo com a boa vontade do churrasco de pobre.

Cquote1.svg Você quis dizer: Almoço de segunda-feira Cquote2.svg
Google sobre Soborô Dontê
Cquote1.svg Não tem pão velho Cquote2.svg
Resposta aos pedintes de soborô.
Cquote1.svg É tipo Ratatouille? Cquote2.svg
Batoré sobre Soborô Dontê

Soborô Dontê disfarçada de Soborô D'ojê.

Soborô Dontê ou apenas soborô, bem como sua variação restô'dontè ou restodontê é uma iguaria japonesa afrancesada muito popular nas favelas casas brasileiras. A comida, assim como a gororoba é uma das únicas opções dos desafortunados da vida de ter o que comer, uma das alternativas de comer o cu de quem tá lendo mosca.

História[editar]

Segundo os registros (hoje inexistentes) da França, depois dos acontecimentos nada interpresantes da Revolução dos Burros em 1789, comprar pão no Português da Padaria já não era o luxo de todo o cidadão gay francês, então isso fez com que a comida de ontem se tornasse a comida de hoje, criando assim o restô'dontè. Apesar de dar caganeira, a comida se tornou popular na campanha e no século XIX já pôde entrar para a culinária típica da frança, além de ser uma comida considerada como chique ela é de nível impossível na Academia de grude Culinária da França.

A cozinheira Ana Maria Brega, chefe renomada de bosta, foi a primeira a adicionar ao Soborô Dontê em seu restaurante (com -(infinito) estrelas michelin), além de requentar e colocar os ingredientes mais frescos de sua cozinha ao alimento, Ana trouxe a obra ao Brasil ainda nos tempos de império. Pedro II que só comia barrinhas de cereal, achou que a comida poderia substituir o lendário feijão com arroz, banindo-o das terras tupiniquins, mas afinal, o rei apenas baniu o alimento devido a uma tênia que estava em seu rabo desde o dia em que comeu um delicioso Soborô Deontèontè.

No Japão por volta de 1900 e bolinha, começou a ficar popular um pozinho vermelho chamado soborô, era uado primeiramente para matar ratos, mas depois as amantes de esposos ricos acharam melhor usa-lo para dar um golpe do baú nos maridão tudo. A Coreia que na época era mais pobre do que toda a África junta e um território fantoche do Japão começou a usar o engasga-gato como iguaria local, além de delicioso, matava os insetos (cachorros, gatos, cavalos, seres humanos) do local para vender na vizinha China.

Depois da Grande Merda Mundial, muitos japas fugiram para as colinas a República das Bananas em busca de viver uma vida fodida mais desafiadora em contrapartida da vida monótona que tinham no Nippon. Tanto o saborô quanto o restô'dontè voltaram a ser popular na década de 1920, também conhecida como a época de ouro da breguice e pobreza no Brasil, isso também explica a mistura dos nomes, mas há quem ainda diga os nomes originais.

Como fazer um Soborô Dontê[editar]

Fazer o que? Ninguém gosta de soborô.

Para fazer um Soborô Dontê requer conhecimento bélico, estratégia e sorte, afinal, nunca se sabe quando vai ter um frangão ou um minhocão na sua geladeira em um dia de domingo à noite. A seguir uma receita dum Soborô Dontê feito por Paumirinha Onofre depois de se embreagar numa boate lésbica:

Ingredientes[editar]

Modo de preparo[editar]

  • Junte tudo num penico e misture até estar homossexual homogênea.
  • Aqueça por 3 horas (se o seu fogão funcionar a lenha), ou 5 minutos até sentir um cheiro de peido.
  • E pronto, a sua sopa à Soborô Dontê está pronta para mandar ver.

Curiosidades[editar]