Scott Stapp

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.svg Você quis dizer: Paga Pau do Eddie Vedder? Cquote2.svg
Google sobre Scott Stapp
Cquote1.svg Esse é o Eddie Vedder? Cquote2.svg
Fã de Pearl Jam ao ouvir Creed
Cquote1.svg Imitão, que cara sem criatividade Cquote2.svg
Qualquer um sobre Scott Stapp
Cquote1.svg Já comi! Cquote2.svg
Mark Tremonti sobre Scott Stapp

Jovem Stapp brincando com seu novo brinquedinho.

Emulsão de Scott Vedder Stapp, ou mundialmente conhecido,Scott Stapp é, digo era...mas ainda é o vocalista e um dos líderes e fundadores da banda Creed, que acabou em 2004, voltou em 2009 para acabar em 2011 e voltar por volta de 2014. Também conhecido por ser um paga pau de Eddie Vedder ao ponto de cantar com a mesma voz, Scott é odiado pelos ditos "fãs do verdadeiro grunge" pois de acordo com os mesmos, só existe um Eddie Vedder e só uma pessoa pode cantar igual Eddie Vedder: Eddie Vedder.

Biografia[editar]

Mentor musical e mestre de Scott Stapp.

Nascido em uma tribo indígena no meio da floresta amazônica, Scott foi ensinado desde pequeno como sobreviver nesse mundo de meu Deus. Aprendeu a pescar com as próprias mãos, aprendeu a fazer armadilha para pega capivara, tamanduá, jacaré e alguns macacos mais burros. Filho da índia Içá Pecana Rachada e do índio Tutu do Cúrroxo é o filho 32º filho destes, sendo portanto o filho gay caçula.

Seu primeiro contato com música foi aos oito anos, quando teve que ir com seu pai em Manaus para fazer compras para sua maloca. Ao passar por um barzinho onde só tinha uns caras cabeludos fumando maconha, os chamados metaleiros, Scott ouviu uma música estranha e muito boa, um cara com uma voz diferente cantava algo do tipo: "Jérêmi spoquen!", e se interessou por aquela língua estranha e música excelente.

Assim, ao completar 12 anos, este saiu de sua tribo, afirmando que precisava ampliar seus horizonts musicais e intelectuais, uma vez que as músicas da aldeia eram muito chatas e ele se achava muito "parado" no tempo. Assim, do nada, sem mais nem menos, ao sair da tribo, ele foi parar nos Estados Unidos da América e por lá aprendeu a se virar (ui!), assim como se virava no meio do mato. Aprendeu a falar inglês com um mendigo que tocava saxofone próximo ao World Trade Center, e começou a imitar a voz do vocalista que cantava aquela música que chamou a sua atenção quando criança. Então, Stapp passou a se dedicar mais à música e começou a alimentar a ideia de montar uma banda para tocar e expressar todos os seus sentimentos.

Reação do pai de Scott Stapp ao ver seu filho partir.

O tempo foi passando, Stapp foi deixando de lado seu lado índio de ser e passou a ter uma identidade mais civilizada, além claro, de deixar de lado aquela aparência indígena. Agora "americanizado", Stapp fez tatuagens em seu corpo, começou a malhar pelos guetos com alguns pretos cantores de hip-hop e passou a viver como todo bom americano: comendo bastante Mc'Donalds e se acabando de beber tanta cerveja.

Certo dia, quando estava acompanhando seu mentor musical em uma praça, Stapp foi avistado por um playsson tocador de punheta guitarra chamado Marcelo Tramontina, que logo se interessou pela voz e beleza dele e o convidou para ser vocalista de sua banda ainda sem nome. Stapp aceitou logo de cara, e assim começaria um romance uma parceria que duraria alguns anos. Após cerca de seis meses ensaiando exaustivamente e compondo músicas, Stapp e Tramontina resolveram de vez lançar-se no cenário musical mundial com sua nova banda, o Creed.

Sucesso, queda e recuperação[editar]

Aqui Stapp e seus machos no Creed...mais gay impossível!.

O sucesso do Creed foi instantâneo. Com pouco anos, a banda já tinha milhares de fãs por todo o universo e sua música conseguia fazer todos esquecerem os problemas e se sentirem no paraíso. Claro que era preciso de outro ingrediente secreto para tal, a música era apenas uma desculpa. Resumindo, estava tudo bem, obrigado. Stapp estava rico, havia se casado com a Miss Nova York e não tinha mais preocupações.

Porém, como tudo o que é bom dura pouco, uns 11 minutos para ser mais exato, Stapp passo a usar do mal que atinge milhares de famílias brasileiras ao redor do mundo: as Dorga Manolo. Ele passou a beber demais, usou muita heroína e ficou chapadão, sendo que muita vezes mal conseguia se manter em pé no palco para fazer os shows, tamanho o chapamento que ele ficava.

Devido às suas nóias durante os shows, e ao fato de querer mandar em todo mundo na banda, o Creed acabou, e os outros integrantes foram para outra banda, o Alter Bridge. Com isso, Stapp ficou triste e muito chateado. Repensando seus atos e freqüentando reuniões da Igreja Universal do Reino de Deus, Stapp se tornou uma nova pessoa, e como manda o figurino, pediu perdão aos seus amigos dos tempos de Creed e implorou para que fizessem mais um álbum, e assim foi feito.

Dias atuais[editar]

Stapp nos dias atuais, resolveu ficar careca para sempre lembrar a promessa que fez que nunca mais iria beber ou cheirar na sua vida.

Nos dias atuais de hoje em dia no mundo em que vivemos, Stapp está em casa, assistindo um documentário no Discovery Channel a respeito das tribos indígenas disponíveis no mundo e está pensando no que fazer após o termino do documentário.

Tirando as horas que fica assistindo ao Discovery e à programação da Igreja Universal, Scott também dá atenção à sua esposa e seus dois filhos, que ama mais que tudo. Ele também gasta seu tempo compondo músicas, pintando quadros, contando piadas e construindo casas para as crianças carentes de sua cidade. Além do mais, ele tem se preparado para se tornar obreiro de sua igreja, e também está planejando gravar mais um cd com o Creed.

Ver também[editar]