Roque Santeiro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
A novela em que uma mulher trai o amante com o marido de quem é viúva de quem nunca foi...

Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: Tô certo ou tô errado? Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Roque Santeiro
Cquote1.svg MIIIIIIIIIIIIIIIIINAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA! Cquote2.svg
Viúva Porcina gritando mais uma vez com a pobre empregada

Roque Santeiro é uma novela das oito da Globo que passou entre 24 de junho de 1985 a 22 de fevereiro de 1986 em 209 capítulos, embora originalmente tivesse de passar em 1975, mas aí o Dias Gomes, autor original da novela, falou demais da conta, e aí a ditadura militar mandou todo mundo parar com essa porra e no lugar filmaram Pecado Capital, novelinha da esposinha dele Janete Clair, usando o mesmo elenco que ia pra versão original de Roque Santeiro. Daí quando finalmente a novela pode rolar, maioria dos atores não tava disponível pra voltar, e aí refizeram quase todo elenco, só alguns continuaram, em especial o Lima Duarte, que continuou como o icônico coronel Sinhozinho Malta, que junto com a Viúva Porcina (Regina SemArte) fizeram o casal mais zoeiro da história das novelas, ofuscando bastante o tal do Luís Roque Duarte (José Wilker), o tal do criador de santos que dá título a novela e que deveria estar morto e fazendo milagres... porém...

Baseada na peça O Berço do Herói de 1965 do mesmo Dias Gomes, a novelinha também foi escrita por Aguinaldo Silva, que se tornaria o herdeiro de Dias Gomes em novelas com histórias completamente absurdas e personagens misteriosos que podem ser lobisomens ou similares... A direção foi de Gonzaga Blota, Marcos Paulo e Jayme Monjardim, e a direção geral, de Paulo Ubiratan, e apesar dessa quantidade enorme de gente envolvida a novela tornou-se um dos maiores sucessos da história da emissora carioca, e sem dúvidas o sucesso supremo dela nos anos 1980, retratando bem a desgraça que era o Brasil da Ditadura e profetizando o que seria o Brasil da Nova República, em especial durante o governo de um certo capitão reformado aí...

Substituiu Corpo a Corpo e seria substituída pelo primeiro remake da história da Globo de uma novela dela mesma, Selva de Pedra, iniciando uma sequência de reaproveitamentos vagabundos de enredos que viriam pelo resto dos anos da emissora.

Sinopse[editar]

A cidade de Asa Branca, num cafundó do Nordeste que ninguém se importa onde seria, é marcada pela invasão anos antes de um criminoso marginal delinquente facínora e ladrão Navalhada (Oswaldo Loureiro), que roubou uma caralhada de coisas da cidade, inclusive o supositório ostensório da igrejinha da cidade e o diabo a quatro. Mesmo tendo sido atrapalhado pelo jovem santeiro Roque que não era o Rocky Balboa nem o Roque Bravo, nem o Rock Estrela, nem o Rock Porra, enfim, talvez por não ser nenhum desses ele acabou morto e decapitado, sendo lançado num brejo da cidade e virando musiquinha do Sá & Guarabira. Anos mais tarde uma jovem chamada Lulu (Cássia Beijo) por algum motivo esfregou umas feridas de suas pernas no brejo lá e MILAGRE, ela ficou curada na hora após ver uma imagem do Roque Santeiro mandando ela fazer tal serviço.

Um baita enredo de filme, não? Pois bem, e não é que alguns foram lá na cidade fazer um filme mesmo sobre a belíssima história do Roque Santeiro? E assim vários turistas também querem ir lá já que há de ser erigida uma estátua enorme pro santo, pro desespero do padre Hipólito (Paulo Gracindo), o "padre fascista", e do padre Albano (Cláudio Cavalcanti), seguidor da teologia de libertação (ou seja, comunista infiltrado, padre vermelho!), e para o lucro do Zé das Medalhas (Armando Bogus), esposo da Lulu e que quer fazer uma puta fábrica de velas e medalhas pro santo libertador de Asa Branca, que deixou sua noiva Mocinha Abelha (Lucinha Lins) "viúva" e fez o pai desta, Florindo Abelha (Ary Fontoura) com poder o suficiente pra virar prefeito da cidade, com a ajuda preciosa de sua esposa dona Pombinha (Eloísa Mafalda), a maior carola da cidade e inimiga da dona Matilde (Yoná Magalhães), dona do hotel da cidade, mas também de um cabaré bem mal afamado. Mocinha é prometida de um professor maluco chamado Astromar Junqueira (Rui Resende) que dizem que em noite de lua cheia viraria um lobisomem (personagem que tem em toda novela do Dias Gomes que se passe na terra onde Judas perdeu as botas), mas fica só dando bola fora pra cima da Mocinha, que no que depender dela vai morrer virgem e pura, apesar do ator do Roque pro filme, um tal de Roberto Mathias (Fábio Jr.) jura que vai tirar esse lacre, tadinho... só quer pagar de galã...

Bem, mas se o prefeito é o Florindo, quem manda mesmo na cidade é o poderoso fazendeiro "Sinhozinho" Francisco Teixeira Malta, um velho metido a besta que, embora casado com Margarida (Lilian Lemmertz), com quem teve a bela e independente Tânia (Lídia Brondi), numa viagem pra Sampa conheceu uma "santinha" chamada Porcina da Silva, que ele acaba levando consigo com uma história mirabolante de que ela teria casado com o tal do Roque quando ele passou pela terra dela e, enviuvando-se dele, foi pra Asa Branca cobrar seu luto de viúva (e no processo ficar podre de rica sendo sustentada pelo sacana do Sinhozinho Malta e gritar com a pobre da empregada Filismina (Ilva Niño).

Bem bem bem, tudo ia bem, tudo ia muito bem nesses passos de leseira, até que uns vinte capítulos depois, um certo senhor dá as caras pela cidade, um tal de Luís Roque Duarte... isso mesmo, o Roque Santeiro "morreu, mas passa bem", e aí começou a treta, já que com o dito cujo de volta a vida, uma caralhada de gente vai se foder: a igreja, porque vai perder as contribuições do povo; o Zé das Medalhas porque as velas dele só vai servir pra acender pro próprio diabo em pessoa; pros políticos porque os turistas vão correr da cidade; o povo do cinema, porque o filme vai virar porra nenhuma que ninguém se importa; e, claro, o Sinhozinho Malta e a Viúva Porcina, que têm de explicar como esse papo todo é só zoeira e que ela nunca foi casada com Roque nenhum... apesar que... no meio dessa confusão toda a Porcina acaba gostando de verdade do Roque e ele dela, e aí né... triângulo amoroso e puro caos! Igual ao povo do Silas Malafaia quando descobrir que ir na onda dele pra votar em político acaba dando em mer... ops, melhor parar senão geral vai botar a predefinição {{Politicagem}} e quem vai se foder sou eu...

Ver também[editar]