Riccardo Paletti

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
ATENÇÃO: Leia este artigo com bom humor!

A Desciclopédia é um site de humor, não venha nos dizer que pegamos pesado.
Se você levar tudo por trás e ficar com a alma ferida, visite outro artigo.

Por que na África não tem vidente? Porque preto não tem futuro.

Danger stick man.jpeg Puta que pariu, larga de ter azar!

Este artigo traz relatos de uma criatura azarenta que só se estrepa no dia-a-dia.

Se você quiser ajudá-lo de alguma forma, tome cuidado pra não se ferrar junto.

Não sabia que o pai do Antero Greco tinha sido piloto de Fórmula Um.

Riccardo Paletti (Milão, 15 de junho de 1958 – Montreal, 13 de junho de 1982) foi um piloto de Fórmula 1 que parecia mais nerd do que o Sebastien Bourdais. Foi um dos pilotos que conseguiu ter um azar do caralho na vida, já que correu apenas duas corridas. Quer dizer, correu só uma de verdade, o GP de Ímola. Já o GP de Montreal ele nem chegou realmente a largar com o carro, já que acabou fazendo um carinho um pouco mais pesado na Ferrari do Didier Pironi com sua Osella e depois de uns minutos tentando sair do carro, acabou virando carvão quando seu carrinho pegou fogo e ninguém conseguiu apagar as chamas a tempo.

Carreira de poucas voltas[editar]

Paletti, com a ajuda de seu papai, conseguiu correr na Fórmula 2 por três anos até 1981. Em 1982 ele conseguiria enfim pilotar na Fórmula 1, só que numa equipe bem capenga chamada Osella, que pelo nome já dá pra ver que era uma nanica menor que o pau do teu pai.

Após tentar em vão estrear no GP de Kyalami na África do Sul, Paletti conseguiria mais sorte no GP de Ímola, já que, devido uma tretinha entre a FISA e a FOCA, rolou um puta boicote e só alguns leais ao cuzão do Jean Marie Balestre correriam, mas o carro do Paletti acabou quebrando a suspensão. Depois, quando o grid já tava completo, ele só conseguiria largar várias corridas depois, em Montreal. Ele ainda tinha conseguido antes em Detroit, mas conseguiu foder o carro ainda na volta de apresentação.

E foi justamente em Montreal que a porra se deu. Em 13 de junho de 1982, o semáforo da largada demorou para caralho. Aí o Didier Pironi acabou deixando o carro morrer, e quando ia largar, não conseguiu sair do canto. Daí quase todo mundo desviou, menos o lerdo do Raul Boesel, que acabou deixando o carro dele atravessado no meio da pista e batendo nele como efeito dominó Elizeo Salazar, Jochen Mass e Geoff Lees. Todos esses não deu nada pra eles, mas aí Paletti acabou acertando contra o Lees, e aí ele acabou com o tórax faturado, sem conseguir sair do carro. Mesmo com a intervenção do doutor Sid Watkins, deu merda: O carro pegou fogo e Paletti acabou virando fogueira de São João.

Para completar o azar, Paletti acabou virando o último piloto da categoria a morrer numa corrida até o Ayrton Senna em Ímola, 12 anos depois (Elio de Angelis e Roland Ratzenberger não contam porque ambos dançaram em treinos livres ou num treino de classificação, não numa corrida). Mas por mais azar ainda, cinco semanas antes Gilles Villeneuve já tinha virado um passarinho sem asas e morrido, e geral até hoje lembra bem deste, mas do Paletti só sendo muito doente por Fórmula Um ou curtir aqueles vídeos mórbidos do Youtube com acidentes de pilotos para saber quem era esse maluco.

Ver também[editar]

v d e h
Pilotos da Fórmula 1