Ricardo Salles

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar


Ricardo Salles
Ricardo-salles-1-800x545.jpg
"Vamos desmatar enquanto os trouxas falam só de Covid!" MWAHAHAHAHAHA!
21º Ministro do Meio Ambiente o qual ele pretende exterminar
Partido Sem partido já que ele "cortou" todos
Perfil
Nascimento 8 de junho de 1975
Sampa
Partido Sem partido já que ele "cortou" todos
Profissional
Profissão Lenhador
Escândalo Desmatamento da Amazônia
Dados Pessoais
Sexo Metrossexual

Cquote1.svg Você quis dizer: Jonah Hill em O Lobo de Wall Street? Cquote2.svg
Google sobre Ricardo Salles
Cquote1.svg Não se preocupem! Eu vou cuidar direitinho das nossas árvores da Amazônia! MWAHAHAHAHAHA! Cquote2.svg
Ricardo Salles cuidando da natureza como Ministro do Meio Ambiente
Cquote1.svg Precisa ter um esforço nosso aqui, enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só se fala de covid, e ir passando a boiada, e mudando todo o regramento (ambiental), e simplificando normas Cquote2.svg
Ricardo Salles aproveitando a onda do Covid para destruir o meio ambiente

Ricardo Salles é um empresário, político, playboy, lenhador, fazendeiro, garimpeiro, grileiro, madeireiro, boiadeiro, poluidor, marceneiro, incendiário e nas horas vagas, era o ministro do Meio Ambiente do governo Solnorabo.

Biografia[editar]

Ricardo Salles nasceu de uma família de grileiros na Amazônia. Sempre foi um moleque muito bagunceiro e adorava incendiar o quintal do vizinho ou cortar suas árvores. Sempre detestou a natureza e logo conseguiu seu primeiro emprego numa serralheria onde cortava pelos menos umas 100 árvores por dia.

Carreira política[editar]

Como viu que o IBAMA estava pegando no seu pé, Salles resolveu entrar na política e foi o criador do "Movimento Endireita Brasil (MEB)" com o objetivo de levantar a bola da direita que estava caída no país há alguns anos por conta do molusco cachaceiro, embora não fosse aliado dos tucanos privativistas.

Alguns anos depois, foi para a Secretaria Particular do governador Geraldo Walckman, famoso por roubar merenda dos alunos de São Paulo. Contudo, Salles era um filhote da ditadura militar, o que na época, poderia causar desprestígio para o PSDB já que alguns de seus membros foram perseguidos pelo regime, como o Enrolando Henrique Cardoso.

Depois disso, Salles (sabe-se lá como) ainda assumiu a Secretaria do Meio Ambiente em 2016, causando um grande caos com sua gestão ao poluir rios e desproteger áreas ambientais, além do desastre na barragem de Brumadinho. Logo, Salles foi afastado, mas não por esses motivos e sim porque o partido dele (o PP) havia aderido a pré-candidatura do Homem Brinquedo para prefeito de São Paulo.

Porém, em 2018, Salles se candidatou para Deputado Federal pelo Partido Novo, prometendo exterminar a esquerda, os MST e o Lula e com isso finalmente conseguiu não se eleger.

Nesse meio tempo, foi processado por impropriedade administrativa, fraude ambiental, corrupção e outras putarias.

Ministro do Meio Ambiente (ou não)[editar]

Ricardo posando em foto com suas toras favoritas.

Contudo, após analisar o perfil de Salles, o então presidente Jair Bolnosauro o convidou para que ele assumisse o Ministério do Meio Ambiente. Para todos os ambientalistas em geral, Salles seria a última pessoa adequada para aquela função, visto o seu passado, porém, ele caiu com uma luva para o governo de Bolsonaro, que visava lucrar com o desmatamento ilegal para agradar seu namorado na época, Donald Trump.

A partir daí, Salles exterminou órgãos, conselhos reguladores, fiscalizadores e até mesmo o IBAMA para exportar madeira para os Estados Unidos e o mundo inteiro. Salles também disse que acreditava no aquecimento global, mas que era cético sobre seus malefícios sobre os humanos, o que é praticamente um consenso entre os climatologistas.

Salles então, só fez cagada atrás de cagada, extinguiu todas as defesas possíveis do meio ambiente, invadiu terras indígenas, abriu garimpos ilegais, divulgou dados falsos e enganosos, enfim...

A atuação de Salles como ministro foi tão boa, mas tão boa... que causou os incêndios florestais na Amazônia em 2019 e os incêndios no Pantanal em 2020, tanto que teve um dia que virou noite em São Paulo ás 15h:30min da tarde por conta da tremenda fumaça que atravessou até mesmo continentes.

Salles ainda tentou simular em um vídeo falso que o Greenpeace era o responsável pela poluição dos mares, ideia essa que foi compartilhada por Bolsonaro, que chegou a alegar sabiamente que o culpado pela vazamento de óleo foi Leonardo DiCaprio quando viajou no Titanic.

"Vamos passar a boiada"[editar]

Salles e sua assistente, prontos para mais um dia de trabalho.

Após a saída do Batoré de Maringá do governo do Bozo, o mesmo acionou o STF dizendo que, em uma reunião ministerial gravada a vídeo, ficava claro que o presidente tinha tentado interferir na superintendência da polícia para ajudar o 01. Optaram então por assistirem aquele circo de horrores, com Bolsonaro falando um monte de merda, outros ministros idem, até que Ricardo Salles surge dizendo que era hora de aproveitar enquanto a imprensa só falava de Covid-19, para ir "passando a boiada" nas regras e normas de desmatamento. Logo, todo mundo caiu em cima de Ricardo Salles (em todos os sentidos), mas o presidente (famoso por despedir vários ministros que não seguiam suas ordens) o manteve mesmo assim, afinal, Salles era o seu preferido (depois do Moro) e, porque a casa poderia cair para ele também.

Nova investigação da PGR[editar]

Em 2021, o STF recebeu uma notícia crime que mostrou o que todos já sabiam: Salles seria um criminoso ambiental e estaria dificultando as fiscalizações. E então, rolaram várias investigações com altas tretas desse Ministro do barulho que aprontou mil e uma confusões, com direito a apreensão do celular de Salles que ele só entregou 19 dias depois, seguindo de sua demissão na tentativa de não entrar em cana.

Ver também[editar]