República Democrática do Afeganistão

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar


●دافغانستان دمکراتی جمهوریت
●Republicalifado Autocrático do Afeganistão
●Khmer Afegão

Bandeira da República do Afeganistão (1987–1992).png
Bandeira
Lema: This film is dedicated to the brave Mujahideen fighters of Afghanistan
Hino: Sai daqui Taliban
LocationAfghanistan (with Soviet borders).svg
Mapa do Afeganistão vermelho
Capital Kaboom
Língua pasto
Tipo de Governo comunocrático impopular
Camarada Mohammad Najibullah
Moeda leite de burra
População escondida



República Democrática do Afeganistão foi um estado que habitou o Afeganistão no finalzinho da Guerra Fria, mais conhecido como cenário de Rambo III. Num lugar que já foi de tudo, império, canato, emirado, reino, estado islâmico e teocracia radical genocida, este aqui era um Afeganistão comunista, só para completar o álbum de figurinha de bizarrices desse país.

História[editar]

Comunistas afegãos sorridentes nem imaginando o cacete que vão levar dos mujahideen.

Sanduichado entre a União Soviética e o Paquistão nos anos 70, Mohammed Daoud Khan tentava fazer um governo minimamente neutro numa cena política cercada de malucos, comunistas de um lado e islamistas do outro. Um verdadeiro frenesi em Cabul com vários doidos em pé de guerra pelo título de melhor Mohammed, afinal todo mundo no Afeganistão se chama Mohammed e quem leva a melhor é o comunista Nur Muhammad Temaki, que toma o poder e imediatamente manda Khan pro andar de cima pra reencontrar seu avô Shao Khan.

Porém o novo governo era um tanto empolgado, vindo a implementar coisas que lá eram absurdamente revolucionárias como secularismo, feminismo e reforma agrária que fizeram sucesso nas cidades mas que os camponeses das estepes e montanhas odiaram, afinal onde já se viu eu não poder mais mandar nas minhas cinco esposas?!? E nisso para pegarem em armas pela ienziésima vez foi um pulo, afinal pra um país que tem guerras e golpes de estado todo mês, tudo é desculpa para tirar o rifle do guarda-roupa de novo.

Enquanto a coisa engrossava no resto do Afeganistão, em Cabul os burocratas se engalfinhavam e com isso Temaki é morto e sucedido por Hafizullah Amin, que é morto e sucedido por Babrak Karmal, que por ser muito carnal tira umas férias forçadas e é sucedido por Mohammad Najibullah que com sua experiência na KGB e bigodão de Stalin, tava mais que qualificado e consegue segurar as pontas por uns tempos.

Guerra Afegã-Soviética e derrocada[editar]

Em 1979 a coisa fica preta de verdade e o governo afegão pede arrego pro império infiel do norte, que feliz de finalmente achar utilidade pros milhões de artigos bélicos que produziam todo ano, mandou os T-34. Nisso o outro império infiel do oeste, sentindo cheiro de sangue, entrou na disputa do lado dos mujahideen com seu cheat code de bilhões de dólares e como cartada final, soltou John Rambo na roda. A treta se arrasta até 1989 quando os russos, que já tavam cansados daquele papo de socialismo e querendo liberar geral tiram o pau da mesa, aniquilando qualquer chance do governo comunista que foi cercado, conquistado, colapsado, evaporado e no caso de Najibullah, capado e fuzilado.

Como tudo sempre pode piorar, logo depois chegou o Taliban de fininho e toda sua Al-Qaeda são pertence a nós, que de tão ruim faz o povo afegão sentir saudades dos comunas, não sendo raro encontrar hoje pôsteres de Najib e seu simpático bigode.