Raul Boesel

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
A única pista que hoje em dia Raul pilota: a pista de dança.

Raul Guilherme de Mesquita Boesel (Curitiba, 4 de dezembro de 1957) é um ex-piloto de automobilismo de velocidade nula e aprendiz de DJ brasileiro. Ficou famoso não tanto por suas peripécias bem ridículas nas pistas e sim por ter virado meme instantâneo em 2015, quando algum paquiderme da Rede Globo achou que seria uma ótima ideia que ele pudesse treinar um pouco suas "habilidades" de DJ no início da transmissão (que também já tava uma bagunça da porra por outros motivos que depois serão detalhados), mas esqueceram de combinar com o Galvão Bueno as músicas pra rolar e também dar um equipamento decente pro cara, que ficou parecendo seu tio engraçadão brincando de DJ nas festinhas da família.

Carreira nas pistas de corrida e de dança[editar]

Boesel correu de kart desde muleque, além de ter ingressado na Stock Car bem cedo, ainda em 1979, quando a categoria só tinha mato e Ingo Hoffmann. Ainda correu na Fórmula Ford e na Fórmula 3, até acabar caíndo na Fórmula Um.

Na grande categoria, ele teve só azar, entre 1982 e 1983, começando com a March Engineering (onde ele só conseguiu mesmo arrumar treta com o compatriota Chico Serra, uma briga absurda diga-se de passagem) e depois pela Ligier. Aí acabou indo pra Fórmula Indy, onde ainda até correu mais ou menos nas 500 Milhas de Indianápolis, mas nunca conseguiu chegar além do terceiro lugar. Aliás, isso seria sua vida na Indy o resto da carreira até 2002.

Ainda correu em protótipos (e chegou a virar o único brazuca campeão dessas categorias em 1987), entre outras categorias de corrida de carros, mas acabou jogando tudo pro alto e virando DJ, já que a vida de piloto não tava dando mais grana nem nenhum título pra ele (tirando usarem o nome dele pro Autódromo Internacional de Curitiba, o que na real não dá grana nenhuma pra ele). E foi nessa onda de ser DJ que ele acabou indo para uma transmissão alienígena da F1 feita pela Globo em 2015 em que chamaram um monte de convidados que entendiam tanto da categoria esportiva quanto teu pai entende de comer mulher (ou seja, porra nenhuma), tipo o Giba neles, que se mostrou só mais uma viúva do Ayrton Senna. E a cara do Reginaldo Leme a cada música estragada pelo Boesel mostra bem o quanto a Globo estava ficando chapada das ideias.

Vídeo mais lamentável da história da Globo[editar]

A cara do Galvão ao ser trollado é reação de ouro...

Ver também[editar]

v d e h
Pilotos da Fórmula 1