Raiado, o Super-Gato

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Fantástico!

Este artigo é pra lá de SUPER!
Este artigo fala de algo SUPER, alguém de sobrenome SUPER ou qualquer outra coisa de nível SUPERior.
Nem pense em vandalizar, senão você irá levar uma SUPER SURRA!!

Colorkid.JPG É um pássaro? É um avião? Não! É um SUPER-BABACA!

Este artigo é sobre um herói ou um vilão completamente imbecil que só nerds retardados gostam!

Clique aqui e conheça outros "zeróis"

Eu me nego, esse é aquele gato que o miado ensurdece qualquer um.

Raiado, ou Streaky, o Super-Gato, foi uma criação bizarra (mais uma) do Otto Binder quando ele escrevia os gibis do Superman e da Supergirl. O Raiado era um gato igual a todos os outros, porém após uma experiência cagada com uma tal de Kriptonita X, o gato começou a voar e, tal qual Krypto e Beppo, outros superanimais de estimação toscos, passou a de alguma forma pensar também.

Como que essa bosta aconteceu?[editar]

Em algum dia de fevereiro de 1960, sem nada o que fazer, Otto escreveu um enredo em que a Supergirl em seu nome da época de Linda Lee Danvers encontrava um gato vira-lata no meio da rua que tinha sido atacado por uns cachorros malvadões. Pegando o gatinho pra si, o adota, chamando ele de Streaky, ou Raiado, por conta de uma marca esquisita de raio que ele tinha nos pelos.

Um dia a Supergirl tava tentando tirar a força desgraçada que a Kriptonita tem sobre os kryptonianos (really nigga, mais uma tentativa dessas?), sem querer ela cria uma kriptonita nova, que invés de deixar ela mais fraca, acaba deixando o Raiado com superpoderes. E aí já sabe né, o gato começa a virar mais um da Legião dos Super-animais e até um descendente do futuro ele descola, um tal de gato Whizzy, que consegue manter seus superpoderes de boas.

Digo isso porque algum tempo depois, em 1971, Dennis O'Neil, já de saco cheio de ter de lidar com aquela caralhada de superbaratas e superlesmas, na saga do Superman de Areia ele transforma todos os tipos de kriptonita da Terra em ferro, e com isso a Kriptonita X também vira um simples pedaço de ferro, sem poder nenhum, e o Raiado volta a ser só mais um gato rabugento qualquer, tanto que até a Supergirl se cansa do miado dele e o joga pra lá.

Outros Raiados[editar]

Anos mais tarde, surgiriam outros Raiados, a maioria deles era só gatos comuns, ora da Poderosa, ora de alguma das mil Supergirls que existiram após Crise nas Infinitas Terras. Mas aí, depois de Flashpoint, em 2018 pra ser mais exato, os autores da DC Comics acharam uma boa ressuscitar o personagem como ele realmente era, um gato superpoderoso (ou gata agora, nesse caso) com capa de Superman. Pelo menos dessa vez ele não sabe pensar e também não é miguxo do Krypto (imagina aí um Tom & Jerry versão superpoderosa), muito menos do Batcão, que ele vive trollando justamente porque este último não tem superpoderes, muito menos a inteligência do dono.

Superpoderes[editar]

  • Supermiado: Ensurdece todos ao redor;
  • Superespremida de tetos: Quando ele passeava em cima dos tetos dos vizinhos, destruía os telhados inteiros;
  • Supersono: Se um gato comum pode dormir por até umas 16 horas por dia, o Raiado pode dormir umas 20 horas ou mais;
  • Superronrono: Esse é foda, pode quebrar as pernas de quem ele ficar se esfregando.