Racionais MC's

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
O joguinho dos Racionais.
Disponível nos melhores mercadinhos.

Cquote1.svg Brown, I'm your father! Cquote2.svg
Darth Vader sobre a paternidade de Mano Bráulio.
Cquote1.svg No dia do show deles em SP, não registramos nenhum assalto na região. Cquote2.svg
Polícia Militar sobre Racionais MC's
Cquote1.svg Rat-Tá-Tá-Tá! Cquote2.svg
Ash sobre Racionais MC's

Os Racionais MC Lanche Felizes, ou simplesmente Trutas como foram vulgarmente popularizados pela MTV, foi um conjunto negro de Afro-Black-Music formado por Primo Preto, Nego Boca, Jesus Negão, Nego Joel e Mano Brown e mais uma pá de manos e manas, quando estes foram detentos do Presídio do Carandiru. Apenas o Negrinho do Pastoreiro e o Mestre Jesus Negão se salvaram da criminalidade, pois optaram por serem apenas consumidores e não traficantes como os demais. A história deles é mais ou menos assim, conforme os registros policiais:

  • Se conheceram
  • Roubaram uns banco
  • Fizeram uma moral, a qual na minha opinião não vale merda nenhuma
  • Cantaram e disseram: ouve se não eu te mato.

A história dos trutas[editar]

Primo Preto ("assasinador" do português) comandava o Primeiro Comando da Capital, Nego Boca comandava o Segundo Comando da Capital e Nego Joel liderava o Terceiro Comando da Capital. Mas um dia, quando foram jogar sinuca em Capão Redondo, com seus manos ("amigos", em gíria), o Mano Brown descobriu que era uma cilada e a Polícia Militar o Capitão Nascimento levou todos eles presos pra Cadeia de Caramuru, onde conheceram 50 Cent. Na cadeia, formaram um grupo de Rap, os Números Racionais MC².

Carro de um fã dos Racionais

Com o dinheiro que ganharam graças ao hip-hop, subornaram os carcereiros e fugiram do presídio. Na fuga se separaram, e a formação inicial do grupo se perdeu. Posteriormente quatro metidos a marginais reformaram o grupo, para rivalizar com os Racionais MC's² ou a Xuxa.

Sucessos (ou quase)[editar]

  • Vida loca: Oi, eu fumo e mato
  • Vida loca parte 2: Oi, eu fumo, mato e não tenho criatividade o suficiente para criar novos títulos
  • O beck está queimando: Uma versão remix da aldeia Ilarilariê
  • O Homem da Enxada
  • Hoje é só feijão, artigo 157