Política de Singapura

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Singapura é uma república parlamentarista onde mulheres são proibidas de participar. Por ser um país pequeno a sua classe política chegou à conclusão de que não precisavam dificultar as coisas com demasiada burocracia, e optaram por um sistema político de governança bem simples, onde só haveria um partido comunista e todos são livres para votar nos corruptos e incompetentes políticos do PAP (Ação Partido Popular). O PAP perpetua-se impiedosamente no poder de forma contínua, exceto por dois meses em 1971, quando um cão falante entrou no edifício do Parlamento e declarou-se imperador. Este cão, considerado um dos melhores líderes da história de Singapura, estabeleceu a atual política externa do país que o transformou numa enorme Hong Kong com boates de strip para chamar dinheiro estrangeiro e evitar que o país se tornasse algo retrógrado tipo o Camboja. O cão foi assassinado com um tiro de sniper elite.

Partidos políticos[editar]

  • Ação Partido Popular - O único partido existente na Singapura, de tendências esquerdistas e ideologias políticas visionárias, é o partido mais querido do país sempre sagrando-se vitorioso em qualquer eleição. Durante uma eleição, o povo de Singapura é convidado para um edifício aleatório, onde são hipnotizados por membros do PAP. Eles então são levados a uma "assembleia de voto" para jogar pedaços de papel de sucata em uma caixa. Depois disso, eles são escoltados para fora do prédio pela máfia de Singapura que quase todos os cingapurianos temem.
  • Partido dos Trabalhadores - Uma mera oposição fantoche irrelevante e oficialmente inexistente.

Poderes[editar]

Executivo

Lee Kuan Yew comemorando mais uma reeleição no Parlamento.

O presidente do país é apenas uma figura alegórica com um longo mandato de 6 anos, tempo em que passa trancado em seu palácio recebendo 2 bilhões de dólares do primeiro-ministro para se manter afastado das decisões políticas. O trabalho de Sua Majestade é sentar-se em seu palácio, beber Kopi Luwak, comer baiacu frito e depois de vencer uma eleição incontestável.

Os ministros cingapuranos são os mais bem pagos do mundo, salários absurdos de até 1 milhão de dólares

Legislativo

Dotado de um sistema unicameral de decisões unilaterais que criam leis aleatórias destinadas exclusivamente aos interesses e vontades do PAP, como por exemplo assassinar e sequestrar pessoas randomicamente, é de acordo com o governo de Singapura a Assembleia Legislativa mais revolucionária, justa e legal do mundo.

o primeiro-ministro é o chefe de estado e deve obrigatoriamente ser o Lee Kuan Yew, que embora tenha nascido em 1923 descobriu como produzir clones de si mesmo de maneira a indefinidamente perpetuar-se no poder e fazer também com que seus clones votem nele e o faça eternamente vencer as eleições. Como todos os cingapuranos são iguais ele nunca foi desmascarado até hoje.

Judiciário

A Constituição de Singapura é muito simples, traz apenas 8 leis bem claras e pétreas:

  • Liberdade de expressão (com limitações)
  • Proibição da escravidão (com limitações)
  • Pena de morte para tráfico de tulipas
  • Igualdade de sexos (exceto para as mulheres)
  • Proibição de falar javanês
  • Liberdade de Associação Política (com limitações)
  • Liberdade Religiosa (com limitações)
  • Direito a Educação (com limitações)

Relações exteriores[editar]

A Singapura é um dos co-fundadores da Aliança dos Países Pequenos, que une Andorra, Tuvalu, Luxemburgo, Brunei e Uruguai num bloco econômico de ajuda econômica mútua, tirando isso há estreitas relações com a Malásia e a Indonésia, países para onde Singapura exporta toda sucata que nãoc abe na sua pequena ilha.

Teoricamente há alguma relação com o Reino Unido, mas os britânicos já esqueceram onde fica Singapura por ser pequena demais.

Flag-map Singapura.png Singapura
HistóriaPolíticaSubdivisõesGeografiaEconomiaCulturaTurismo