Pokémon Unite

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Virtualgame.jpg Pokémon Unite é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, o Agente 47 tenta descobrir o sentido de sua vida.

Pokémon League of Legends
Pokémon UNITE capa.jpg

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Teemo Studios
Publicador Pokémon Com Paninho
Ano 2020 2
Gênero Catar bichinho no mato e sair na porrada
Plataformas Suíte, Qualquer celular decente
Avaliação 6/10 (por que não é jogo principal)
Classificação indicativa Crianças e jogadores frustrados de LoL

Pokémon Unite, ou também chamado de Pokémon UNITE é um jogo spin-off da série Pokémon que tenta ser mais uma imitação malfeita do sucesso League of Legends (no caso, Wild Rift), mas com personagens de Pokémon, além de juntar o público tóxico das duas franquias, o que pode tornar o jogo injogável.

Mesmo com o gênero MOBA saindo de época e quase todo jogo tentar imitar jogos como PUBG e Fortnite com os battle royales que parecem a mesma coisa, justamente por ser um jogo de Pokémon e pelo fato de mais da metade dos nintendistas não conhecerem nenhum jogo que não tenha em nenhum videogame da Não Intendo, logo acharam que este jogo seria uma ideia inovadora.

Por ser um jogo de graça que dá de baixar tanto no celular, quanto no Nintendo Switch, logo se aproveita de microtransações para poder conseguir dinheiro fácil dos fãs da franquia, pelo meio das Holowears, que são um nome bonito para skins e que algumas podem ser baratas, como skins vagabundas que só dão uma regata ou camisa, entre outras custando quase um jogo novo de Pokémon ou qualquer jogo velho da Nintendo hoje em dia, com óbvio chineses, americanos e japoneses aceitando numa boa, enquanto o resto reclamava dos preços. O jogador também pode customizar o treinador, mas isso quase ninguém liga.

Produção[editar]

O jogo começou a ser produzido em 2004 como aqueles jogos vagabundos chineses que eram totalmente falsificados, e como os chineses cagavam muito para os Cease & Desist que a Nintendo adorava, a empresa resolveu desistir de vez de investir em um jogo desse tipo achando que não teria sucesso, já que fãs de Pokémon só queriam saber de RPGs de turno, além da franquia não ser um grande sucesso naquele país.

Depois de anos com a ideia deste jogo no limbo, de repente, a empresa TiMi Studios junto com a gigante 10 Centavos da China tiveram a ideia de ressuscitar essa ideia de vários anos atrás. Como Pokémon tava fazendo uma união sinistra para vender jogos para o público chinês, então a ideia foi aprovada e assim as duas empresas se juntaram para fazer o MOBA de Pokémon.

Recepção[editar]

Aquela imagem do trailer que faz parecer um jogo decente, apenas parece.

A Tencent se juntou ao projeto para dizer que ajudaria no balanceamento do jogo, mas como sabemos o quão bom o League of Legends é balanceado, vários fãs de Pokémon começaram a criticar o jogo antes da hora, principalmente após ocupar um Pokémon Presents inteiro (o equivalente a um Nintendo Direct de Pokémon) quando todos naquele momento queriam os remakes de Sinnoh.

Além disso, o fato de criticar o Partido Comunista Chinês ser a modinha naquela época fez que o jogo fosse classificado como mais uma propaganda chinesa, o que fez que o trailer de estreia de Unite fosse um dos mais odiados da história de Pokémon, com a Tencent e a Timi tentando alvejar o mesmo sucesso do marketing negativo controvérsio de Sword e Shield, o que provou novamente ser uma brilhante estratégia em Pokémon, já que se tornou um grande sucesso, assim como Pokémon GO e Pokémon Master SEX.

Como os melhores pokémons no começo eram os mais caros e que só poderiam ser obtidos por meio de moedas reais ou mais de 8000 horas de gameplay, logo o jogo foi acusado por várias pessoas de tentar ser um jogo pay-to-win, o que não é nenhuma mentira, com "mídias especializadas" dando notas ruins ao jogo pelo fato de não ter sido cagado feito pela Game Freak.

Objetivos[editar]

Como o Pokémon Unite não queria copiar todos os MOBAs existentes, com o mesmo objetivo de ficar destruindo torres e uma construção principal que dá o fim de jogo, o jogo tenta inovar com outro objetivo que teoricamente é a mesma porcaria é matar capturar pokémons pelo mapa inteiro, com cinco pessoas de cada time tentando capturar pokémons perdidos, além de pokémons maiores e mais fortes posicionados em locais estratégicos para gerar pontos para sua equipe e fazer "gols" nas cestas localizadas no lado inimigo do mapa.

O grande objetivo é capturar uma das aves lendárias localizadas no meio do mapa, servindo como bônus principal do jogo que é sempre disputado no final e quem o capturar terá grandes chances de vencer o jogo. Como não é apenas um jogo de destruição de torres que pode durar uma eternidade dependendo da inutilidade dos dois times, esse jogo é mais rápido e termina em cerca de dez minutos para que ninguém se canse de jogar esse jogo.

As posições[editar]

São as mesmas que existem em League of Legends, só que com nomes mais bonitinhos para não ser a mesma porcaria, com os Defenders sendo os "top laners", personagens com bastante vida cujo objetivo é tentar proteger todo mundo e não morrer, os All-Rounders, que são os junglers e que ficam andando por aí no mapa, e como são filhos dos junglers, também costumam ser muito odiados caso não façam nada no mapa. No meio do mapa, possuem os Speedsters, que não são pokémons que se baseam em magia e sim pokémons que costumam ser rápidos para marcar mais gols. Na rota de baixo, temos os Attackers, que são a classe preferida das empresas responsáveis por esse jogo e que sempre cagam o meta. São a mesma coisa que os ADCs, personagens que dão muito dano e que são quase sempre pegos fora de posição. Já os Supporters, como óbvio, são aqueles pokémons que parecem fracos e que quase sempre morrem, e sua função é proteger todo mundo além de curar.

O objetivo era fazer o número de pokémons serem balanceados nas posições, mas a empresa responsável por isso só se importa com qualquer coisa que não seja um suporte ou um defender, lançando 10 pokémons de outras posições para 1 das duas ignoradas, o que faz que quase ninguém se interesse para jogar no topo ou como um suporte, ao menos que seja mestre nelas.

Os pokémons jogáveis[editar]

Zeraora, Cinderace e Lucario, você quase sempre verá uma dessas espécies durante o seu jogo.

Como ainda não começaram a cagar pokémons jogáveis como campeões em jogos como Dota 2 e League of Legends, isso causa uma briga generalizada entre fãs de vários pokémons torcendo para que sua criatura favorita consiga ser um personagem jogável nessa budega. Como óbvio, todo pokémon que é chupado pela Game Freak desde o lançamento de X e Y entrou de carteirinha no jogo (com exceção de Mewtwo, ainda), contendo um meta diferenciado em todo patch, que só não muda uma coisa, com a regra de sempre ter um pokémon famoso pelos furries sempre dominando o meta, já que furries são um dos demográficos preferidos, já que os mesmos conseguem ter dinheiro para pagar quinhentos dólares em uma pelúcia de tamanho real ou pagar 100 ou mais dólares em uma arte picante tosca.

O jogo se divide entre colocar pokémons populares que a Game Freak ama, além de raramente colocar pokémons que só uma parte do mundo gosta, como Greedent, tentando buscar o equilíbrio e não ter um roster tão criticado quando o de Pokkén Tournament, o que seria algo quase impossível.