Pietro Fittipaldi

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Pietro Fittipaldi, que para não manchar o nome do avô que não tem nada a ver com a ruindade desse garoto, seria melhor ser chamado de Pietro da Cruz, é mais um desses pilotos criados a leite com pera que vivem na sombra de um sobrenome famoso e que se realmente fosse conhecido como "Pietro da Cruz" passaria despercebido onde quer que passasse e jamais iria longe no automobilismo.

Carreira[editar]

Início de carreira[editar]

Como esperado de filhos e netos de grandes campeões do automobilismo, Pietro não teve a opção de seguir uma vida normal com uma carreira normal e foi obrigado pelo avô a se tornar um piloto de corrida. Como tudo que fazemos de forma obrigada, Pietro não fez muito bem e por isso claramente se tornou um piloto medíocre e esquecível.

Pilotou na NASCAR nas temporadas de 2011 e 2012, uma boa escolha porque ali só pilotam um bando de caipiras que usam aqueles carros como se fossem tratores, então Pietro conquistou umas vitórias ali e acolá, inclusive ganhou a famosa Hi cock Motor Speedway.

De 2013 a 2017 disputou várias subcategorias do automobilismo que ninguém nem conhece, tipo BRDC Formula 4 Winter Championship e FIA Formula 3 European Championship, todos campeonatos equivalentes à Série D do Brasileirão, e mesmo nessas categorias conquistou apenas pífios resultados, ficando sempre de sexo a décimo sexto.

Indy (2018)[editar]

O ano de 2018 parecia promissor para Pietro, ele competiria na IndyCar Series, na Super Fórmula Japonesa e no Campeonato Mundial de Endurance da FIA, buscando um feito raras vezes conquistado, que seria falhar e perder três campeonatos num mesmo ano. Só conseguiu tantos assentos por causa do sobrenome é claro. Pietro, entretanto, nem precisou correr o ano todo para decepcionar, pois numa das corridas de Endurance estava tão cansado que dormiu ao volante e bateu em Spa-Francorchamps, tendo uma fratura exposta no cóccix o que o deixou de fora das pistas o restante do ano.

DTM (2019)[editar]

Em 2019 competiu na Stock Car da Alemanha com um Audi Sport Team WRT onde já demonstrou toda sua boa capacidade em ficar sempre só atrás de um companheiro de equipe. Por duas corridas ainda usou o mesmo carro do campeão René Rast, e ficou atrás dele em ambas oportunidades, mantendo assim essa sua característica muito valiosa no ramo do automobilismo que é a de sempre ficar atrás de um piloto melhor e mais bem sucedido.

Formula 1 (2020)[editar]

Registro no GP de Abu Dhabi de 2020 que prova que Pietro realmente correu na Formula 1 apesar de não parecer.

No final da temporada de 2020 da Formula 1 Romain Grosjean encerrou sua carreira em grande estilo ao fazer a maior grosjeanada de sua carreira ao transformar seu carro numa bola de fogo no GP do Bahrein. O resultado da brincadeira foram duas mãos queimadas e impossibilidade de competir nas duas últimas corridas do ano. A sua equipe Haas F1 precisava então de um substituto à altura, alguém bem ruim e acostumado a fazer merda e ficar sempre nas últimas posições, mas estava difícil encontrar algum piloto maluco e barbeiro, então focaram-se em achar um que fosse ruim e acostumado a ficar em 16º, então veio o nome de Fittipaldi.

Pietro Fittipaldi fez sua estreia na Formula 1 no final 2020 e correu as duas últimas corridas do ano, conquistando a gloriosa ÚLTIMA posição em ambas corridas, recebendo várias medalhas de honra ao mérito dos passadores de pano (fãs de automobilismo brasileiros) que elogiaram o desempenho horrível do piloto. Aliás, na época falou-se que foi o retorno de um piloto brasileiro à Formula 1 desde a aposentadoria de Felipe Massa, o que é mentira, pois se você pegar a certidão de nascimento dele, Pietro nasceu nos Estados Unidos e portanto é cidadão norte-americano.

v d e h
Pilotos da Fórmula 1