Oberon (satélite)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Oberon é só mais uma Lua de Urano que ninguém liga muito. É recoberta por uma densa camada de purpurina, a maior atmosfera do gênero de todo sistema solar.

Descoberta e exploração[editar]

A fashion atmosfera de purpurina de Oberon.

Oberon foi descoberta por William Herschell em 1787. Ele por algum motivo adorava o formato de bolacha de Urano e sempre estudou muito o planeta e seus satélites... Na realidade os astrônomos mais importantes conhecidos e influentes estavam estudando coisas mais maneiras como o Sol, Júpiter e buracos negros, e acabou sobrando para o desconhecido Herschell apenas Urano.

Depois de Herschell, ninguém teve mais saco para estudar Oberon por séculos, até 1986 com a passagem da Voyager 2, que tirou umas fotinhas e ajudou os artigos da Wikipédia a encherem linguiça com informações como massa, diâmetro, volume, inclinação, gravidade equatorial média, esses números que ninguém se importa.

Nomenclatura[editar]

Conforme a completa falta de noção da tradição dos nomes dos satélites de Urano serem de algum personagem de alguma fanfic shakespeareana, alguém teve a ideia de adotar o nome "Oberon", um personagem homossexual que gostava de se vestir de fada e passar muito glitter e purpurina no rosto para arrasar na festa, recomendava beber Fanta Uva e chupar muito Halls para ficar gostoso na balada, era o protagonista da obra A Sex Midsummer Night's Wet Dream, fanfic hentai de Shakespeare.

Características[editar]

Oberon pintado de azul no Paint dos computadores da NASA, para ficar mais bonitinho.

Oberon é o mais distante dos grandes satélites de Urano. Os estudos da superfície de Oberon indicam a existência de gelo e água e por isso a possibilidade de mandar sua mãe para lá.

A existência de várias crateras indicam a existência de inúmeros impactos de meteoros o que indicam os resquícios da ocorrência de uma extinção em massa, como a Lua na Terra. Todavia, uma grande cratera no hemisfério norte de Oberon indica para algumas teorias que o satélite se trata da Estrela da Morte desativada e camuflada.

Por estar fora da [a[magnetosfera]] de Urano, Oberon pode desenvolver uma atmosfera própria, embora tênue, é formada por duas camadas, a parte mais alta é composta por glitter, e as partes mais baixas formadas por purpurina e traços de rímel.