Não, porque eu já vendi pro Quico

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Não, porque eu já vendi pro Quico, frase que o Chaves fala poucas vezes ainda que essa repetição pareça muitas vezes a você, mas ele falou pouco em comparação com outras frases porque quando o Bolaños quer ser repetitivo nem o ciclo do morango supera, por isso é que o Quico berra tanto.

Nunca venda o que não é seu[editar]

Seu Madruga procurando estrelinha numa noite de céu nublado.

Você pode criticar pessoas que vendam a peka alma ou mesmo a bunda, mas há de concordar que estão vendendo o que é delas. No caso da alma, obviamente Hades, Lúcifer ou Capiroto como preferem dizer já está com superpopulação e não se interessa em comprar, mas pode ser que você consiga vender pro Quico, e ele compra, uma vez que a mamãe dele vai dar cinco vezes mais a quantia que ele gastou, e o Quico por burro que seja também tem tino comercial assim como o Chaves.

O Quico compra tudo, mas não se sabe se anda interessado em almas, então nesse episódio ele quis apenas comprar a estrelinha da Elizabeth, como achou que ela poderia não querer vender passou a missão ao seu secretário Chaves de pegar emprestada a reluzente e gloriosa estrelinha que o Mestre Linguiça havia colado na testa da Elizabeth. O Chaves não faria algo assim, pois pedir emprestado costuma ser coisa do Senhor Furtado, mas ele havia recebido do Quico duas pratas pra facilitar a moeda em qualquer língua, mas é liga cobre-níquel mesmo ou as encardidas e pestilentas cédulas em papel...

...mas deixando as moedas e medalhas e voltando ao troféu à estrelinha de honra, o cérebro do Chaves incrivelmente funcionou, pois quando se trata de instinto de sobrevivência até o Quico pensa, e duas pratas poderiam significar um dia a menos de fome pro Chaves, uma vez que nem sempre o Madruga consegue dar pra ele ao menos o café da manhã, pois o desjejum pode se transformar em bolinhas de pingue-pongue um pouco mais orgânicas, assim o Chaves pensou que não poderia vender pro Quico o que não era dele, mas poderia tentar barganhar com a Elizabeth, e foi lá propor o negócio. A Elizabeth aceitou na hora porque estrelinha ela tinha várias e não serviam pra porra nenhuma(até porque a glândula pineal está em baixa, sendo a glândula timo a bola da vez}, ao contrário de uma prata que serviria pra ela comprar um mangá, pois nem só de livros didáticos vive a siririca leitura, e todo dinheiro que ela recebia das mãos de papai ou mamãe eles queriam saber pra que era.

Resumo dessa enrolação toda, o Chaves não poderia vender o que não era seu, mas a Elizabeth aceitou na mesma hora ceder a estrelinha por uma prata, o Chaves ficou com uma prata e o Quico faturou a estrelinha e a colocou na testa sem qualquer remorso, como se fosse dele... bom, digamos que ele não mereceu por estudar, mas mereceu por esperteza, coisa que ele não costuma demonstrar muito.

O que você ganhou com tudo isso?[editar]

Elizabete após adulta garantindo que nunca sentiu a menor falta de rola da Estrelinha.

O Quico ganhou com tudo isso uma graninha da mamãe dele, e mesmo o Quico é mais esperto do que nós, que tiramos parte do tempo pra editar a Desciclopédia... mas ganhamos muito desaforo de outros desciclôs e calos nos dedinhos um pouco de diversão lendo e escrevendo coisas eruditas e nonsense.

Ao chegar a Vila cheio de si com a estrela de Satã na testinha inocente, o Quico logo mostra pra mamãe dele, que toda orgulhosa dá a ele como prêmio umas dez pratas, na verdade quem mais ganhou mesmo foi o Quico, mas ganhou só o dinheiro porque a mamãe dele descobre em pouco tempo era do Chaves e antes disso, da Elizabeth. O castigo do Quico não foi um balde d'água dessa vez. O certo seria a valentona do 14 pegar o dinheiro de volta, mas como ela queria mostrar que algumas vezes as mãe têm que ser enérgicas, achou melhor não permitir que ele comesse mais do que dezoito biscoitos no lanche, nenhum a mais. A Dona Florinda deu assim, uma verdadeira aula de como ser enérgica com o filho quando é preciso.

Não porque eu já vendi pro Quico, foi o que o Chaves teve que repetir algumas vezes de modo firme para o Don Ramon que insistia em dizer que a estrelinha era mesmo mérito de quem a ganhou por estudar e por bom comportamento(e não se sabe como ele não estranhou que o Quico ou mesmo o Chaves pudessem receber uma estrelinha dessas), mas o Chaves discordava dizendo que a estrelinha era de quem a comprou honestamente ou nem tanto, e a repete até ser interrompido pelo Quico como de costume, e se essa frase ficou na sua moleira ou às vezes sonha com ela, é porque sim, ele já vendeu pro Quico.

Ver também, se quiser[editar]