Mijar de pé

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Mijar em pé)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Tomadinha do poder.jpg Mijar de pé tem PODER!
E te levará para qualquer lado da Força.

Cquote1.svg Bem, eu vou-me já andando! Hmm... Eu acho que isso não ficou certo. Cquote2.svg
Jim Carrey sobre mijar em pé.

Contemple a imponência.

Mijar de pé é uma prática homenística feita desde os primórdios da humanidade, quando surgiram os primeiros macacos que não cheiravam o dedo depois de enfiar no cu e deixaram de ser quadrúpedes por falta de danos mentais que cheirar merda pode causar. Normalmente, o jovem mancebo começa a prática assim que se dá conta que possui um bigolinho abaixo da barriga, contudo, alguns homens acabam insistindo e até têm o sonho de urinar sentados, ignorando a satisfação de presenciar o mijo caindo. Como eu não entendo de psicologia, não posso explicar as causas, motivos, razões ou circunstâncias por trás disso, mas arrisco dizer que possa existir uma "satisfação maior" aí (por trás).

Por que é prático[editar]

Motivos para as mulheres não mijarem em pé: falta de perícia com o pinto, falta do pinto em si e um sandalhão salto 15 (kg) que bloqueia o contato com a urina.

Mijar em é prático porque mata fungos e bactérias que causam frieira, deixa bem quentinho, caso o pé esteja mais frio que o inverno da Sibéria, e pode ser feito em literalmente qualquer lugar, contudo, é justamente isso o que pode causar problemas graves (leia-se: processinho) porque existem pessoas completamente sem noção que mijam em lugares de acesso público, onde há pessoas que podem avistar a cena ou até mesmo serem acertadas pela mijada, caso o executor da prática tenha a mira de um stormtrooper.

Por trás da execução[editar]

O que possibilita a ação, é claro, tem a ver com a anatomia: havendo um tubo que sai da parte da frente do quadril e solta líquido, não se poderia imaginar outra coisa além de que ele pudesse ser usado em pé. As mulheres, tendo anatomia diferente, na maioria das vezes, são obrigadas a fazer sentadinhas ou até mesmo abaixadas, como fazem as putas na sarjeta e todo o mundo no Japão. Dizem alguns [carece de fontes] que essa é justificativa que dão a mania masculina de se sentir superior às donas das bocetinhas dos canais uretrais embutidos, vulgo: machismo. Ora, enquanto elas precisam sentar (algumas precisam MESMO) ou se abaixar, os homens tão lá, mijando tranquilões.

A soberba de seguir a máxima de Henrique Fogaça de que "menos é mais", inclusive, dá a ideia de que outros animais estejam tentando copiar a prática de mijar sob duas patas, pois os quadrúpedes, embora mijem em pé, o fazem de quatro mesmo, porém alguns erguem a perna, por exemplo, os cachorros que comem a própria mãe, a irmã e as tias até marcam o território dessa forma, assim sendo, os humanos, que podem marcar o território de dois ao invés de três, como os cães, ou de quatro, como os alces, sentem-se os bonzões, mesmo que a pipa do vovô não suba mais, eles ainda poderão fazer xixi de pé, apesar de o fazem tremendo e molhando tudo ao redor, uma nojeira, mas ainda de pé.

Não é por isso que se deve mijar em qualquer lugar.

O máximo que as gurias conseguem é fazer um meio termo entre "em pé" e "sentada", o infame "agachamento de balada", que é aquela pose escrota que mulher faz nas fotos da festa desde os 14 anos que lembra uma mistura de tentativa esdrúxula de dançar funk com a posição de Jailson Mendes quando relaxou com o Kauan Desu no Pai de Família 2 e o exercício que elas fazem para manter a bunda durinha e não passar vergonha fazendo cosplay da Mulher-Aranha. Em geral, elas fazem isso não para imitar os cuecas, mas sim por receio de encostar na privada, por puro nojo, com razão. Se você ver uma mulher mijando de pé sem nenhum dos problemas mostrados, corra pra caralho, pois se trata de uma travesti. Nada de ficar parado feito bocó olhando a cena: caso ela acabe a mijada e te flagre olhando a pistola, tenha certeza de que vai tomar um especial de porrada ou uma navalhada na goela, senão coisa pior, conforme o ocorrido no casamento do Alexandre Senna.

Se uma guria desmembrada tiver curiosidade, pode pedir ajuda a um gentil cavalheiro para que ela leve o seu pinto para mijar, todavia, isso pode dificultar ainda mais o ato, pois ele endurecer, caso as mãos da moça sejam poderosos estimulantes sexuais, e é fato que pirocas duras têm grande dificuldade em urinar. Caso você seja esse cavalheiro (ou dama de paus), avise-a com antecedência para não apertar, sacudir, massagear, arranhar, cheirar, morder, lamber, colocar na boca, enfiar na garganta ou bater na cara, do contrário, acabará por sair não apenas xixi...

Ver também[editar]