Manguebeat

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Visões comuns de quem escuta por muito tempo esse ritmo. Principalmente se tiver usando uns aditivos...

Manguebeat, também chamado de manguebit ou mangue beat, ou somente de mangue mesmo, é um ritmo musical, movimento e contracultura que nasceu em Recife, Pernambuco. Basicamente também pode ser chamado de "mistureba do caralho", já que o gênero mistura uma pá de ritmos, desde os regionais maracatu, frevo, forró, afoxé, coco de roda, ciranda, caboclinho, samba-reggae, axé, embolada e um monte de outras coisas de gente do arrasta-pé de Pernambuco, até um monte de paranauê que vem do estrangeiro, como rock, hip-hop, funk, heavy metal, punk, pós-punk, música eletrônica e o escambau dos infernos de zoada pra deixar qualquer fã de Arriando Suassunga de cabelo em pé, ainda que careca (já que pra ser fã dessa peste tem que já ser mais velho que a tua mãe)

Origem do nome[editar]

Originalmente vinha do mangue mesmo, aquela vegetação de beira de rio que todo mundo acha que só serve pra esconder maconheiro e juntar lixo e errados não estão e bit, daquela unidade lá de computação mínima de dados, mas depois de um tempo passaram a usar mais o termo beat, que tem a ver com batida, som, e inspirado no movimento beat de uns fãs de muita droga maluca como Jack Kerouac e outros escritores da contracultura chapadona.

Historinha[editar]

O movimento nasceu de bases musicais históricas desde a década de 1970, com a turma do udigrudi (termo tosco pra underground usado pelos analfabetos do Nordeste para se designarem), e aí uma pá de bandas dos mais diversos estilos, como os caceteiros do Phetus, do Ave Sangria e do Câmbio Negro HC, até uma turminha mais na MPB, como Robertinho do Recife, Alceu Valença, Zé Ramalho, Lula Côrtes e Geraldo Azevedo, dentre outros dessa tropa maluca e queimadora de muito mato.

Mas no final dos anos 1980, início dos anos 1990, uma turma liderada por Fred 04, Renato L., H.D. Mabuse, Chico Science e outros piradões começaram a tentar fazer umas misturebas doidas, colocando umas guitarras distorcidaças pra tocar junto com umas alfaias e outros instrumentos de maracatu. Juntando temáticas tudo a ver umas com as outras como a nanotecnologia, internet, robótica e as tradições nordestinas do Movimento Armorial (que curiosamente tinha nojo completo da turma do manguebit e chamava geral de chupa-rola de gringo), a vida fodida de moradores dos subúrbios de Pernambuco, ilustrada nos livros de Josué de Castro (que você, leitor inútil, nem conhecer deve conhecer), mandaram um documento que não vale nada chamado "Caranguejos com cérebro", onde misturam lé com cré, alhos com bugalhos e uma escrita que parecia ser uma mistura de William S. Burroughs com Grant Morrison com uma rodada de 10 grades de cerveja Malt 90 e Itaipava quente, que não me espanta nada ninguém de Pernambuco ter levado muito a sério essa turma a não ser aqueles puxadores de maconha que tão em todas as edições do Abril pro Rock e do Rec Beat para prestigiar a turma do Mangue.

Bandas[editar]

Tem uma pá de bandas com nomes bem criativos como Mundo Livre S/A, Chico Science & Nação Zumbi, Sheik Tosado, Mestre Ambrósio, DJ Dolores, Otto, Comadre Fulozinha, Jorge Cabeleira e o Dia em que Seremos Todos Inúteis, Eddie, Via Sat, Zé do Mangue e Querosene Jacaré, só nomes geniais para caralho. Dizem alguns que umas bandas como Academia de Berlinda, Bonsucesso Samba Clube, Mombojó e Cordel do Fogo Encantado também seriam do movimento, mas algumas delas até renegam essa influência. Teve também uns aproveitadores que nem eram mesmo da parada, como Devotos do Ódio, Decomposed God e Hanagorik, que só fizeram zoar com a paradinha pra fazer sucesso a força.

Tem também umas turminhas de fora, como Lampirônicos e as bandinhas do Max Cavaleira, como Soulfly e Sepultura, que tentaram fazer umas chumpinhadas no bagulho, mas né, todo mundo percebe igual ao Ivair na hora a safadezância do cavalo...

Ver também[editar]

Estilos Musicais
Arband.jpg
CHIMBINHATHEMASTER.gif

Arrocha | Axé | Blues | Bossa Nova | Brega | Brostep | Bubblegum dance | Celtic punk | Country | Crossover thrash | Cumbia | Dance Music | Dark Psy | Deathcore | Deathstep | Disco | Dubstep | Emocore | Emogore | Eurodance | Fado | Flashback | Forró | Forró russo | Frevo | Funk | Funk búlgaro | Funk carioca | Full On | Fusion Jazz | Gospel | Grindcore | Hardbass | Hardcore | Hip hop | House | Indie | Jazz | J-Rock | J-Pop | K-Pop | Kuduro | Lambada | Lambada escandinava | Lo-fi | Mallsoft | Manguebeat | Maracatu | Metal | Música celta | Música de elevador | Música clássica | Música industrial | Música pop | Música pimba | Música psicodélica | MPB | New age | Pagode | Pagode norueguês | Pagode japonês | Punk | Pop punk | Psy | Psytrance | Rap | R&B | Reggae | Reggae finlandês | Reggae nazista | Reggae penitenciário | Reggaeton | Riddim Dubstep |Rock | Samba | Salsa | Satanejo | Sertanejo | Sertanejo romântico | Sertanejo universitário | Swingueira | Tango | Techno | Tecnobrega | Trance | Trap | Vaporwave