Jardel

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.svg Você quis dizer: Aspirador? Cquote2.svg
Google sobre Jardel
Cquote1.svg Jogo é jogo, treino é treino, e vice-versa! Cquote2.svg
Jardel sobre jogo e treino.
Cquote1.svg Já fumei um com ele Cquote2.svg
Maradona sobre Jardel
Cquote1.svg Eu também!! Cquote2.svg
Bob Marley sobre comentário anterior
Cquote1.svg Noissu méiór frêgays Cquote2.svg
PCC sobre jardel
Cquote1.svg É você que financia essa merda, seu filho da puta! Cquote2.svg
Capitão Nascimento sobre Jardel financiar o tráfico
Cquote1.svg Eu, o Paulo Nunes e o Dinho vamos fazer uma dupla sertaneja Cquote2.svg
Jardel sobre seu futuro sertanejo em uma dupla de 3

Jardel mostrando sua personalidade delicada para o futebol.

Mário Jardel Almeida Ribeiro, conhecido como Jardel (ou até Super-Mário em Portugal, já que ele comia todo mundo atrás do armário lá), (Caloreza, 18 de Setembro de 1973) é um boleiro brasileiro, que teve uma passagem marcante pelo futebol português, por não fazer absolutamente porra nenhuma além de falar merda. É ponta-de-lança (centroavante) e já jogou pela Seleção Brasileira de Futebol, não que alguém realmente lembre dele atuando com a canarinho.

Carreira[editar]

Ele cheirou algumas... ops, não era dessa carreira aí né...

Então, como jogador ele pouco foi reconhecido, mas como criador de pérolas ele com certeza é um especialista, pois se há um jogador conhecido pela incrível capacidade de falar asneiras em campo e até fora dele, com certeza foi o Jardel, é o primeiro que alguém lembra de cara:

Cquote1.svg Clássico é clássico, e vice-versa! Cquote2.svg
Jardel sobre clássico
Cquote1.svg Não jogo nada, mas faço gol Cquote2.svg
Jardel sobre Jardel
Cquote1.svg Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe Cquote2.svg
Jardel sobre a naftalina da sua roupa (sobre adrenalina é que não é...)

Entre outras tantas...

Times que já jogou[editar]

Observação: Essa lista abaixo os nomes dos times estão desse jeito porque era assim que o Jardel entendia que eram os nomes dos ditos cujos, típico do pobre jogador realizar essas proezas geniais na pronúncia dos próprios times aos quais jogou.

Ver também[editar]