Jacques Cartier

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Jacques Cartier (Budega, França, 31 de Dezembro de 1491 - Oceano Atlântico, 1 de Setembro de 1557) foi o mais importante explorador francês responsável por colorir de rosa boa parte do Canadá, sendo o padroeiro de muitas cidades do país.

Biografia[editar]

Jacques Cartier pensando como matar o tédio mortal do norte canadense...

Na época de sua vida, não havia muita coisa para se fazer na França a não ser tomar cafézinho frio e queimar a rosca para os ingleses, logo Jacques Cartier decidiu ir procurar ouro no Novo Mundo já que o solo europeu já estava mais que infértil e erodido. Em suas explorações encontrou de tudo, menos ouro. Cartier foi o grande responsável pela descoberta de porcarias geladas sem importância que ninguém sabe o nome no norte do Canadá como a Ilha do Príncipe Eduardo, a Ilha Anticosti, e o Rio São Lourenço.

A Primeira Viajem e a Ameaça Fantasma[editar]

A sua primeira "viagem" ainda foi muito jovem nos becos de sua cidade natal, Jacques Cartier cheirou, fumou e injetou ópio e acordou no Brasil, com um sombrero da seleção e tentando enfiar uma blusa como se fosse uma calça. Drogado, decidiu gastar toda sua fortuna para alugar um barco viking e ir explorar a Islândia. Infelizmente errou o caminho e foi parar no Canadá.

A Segunda Viagem e o Império Contra-ataca[editar]

Conversando com o Rei da Inglaterra, no currículo de Cartier havia viagens a Terra Nova e ao Brasil. O rei se espantou com a viagem ao Brasil, apenas suicidas iriam para aquela Terra dos Canibais como chamavam o Brasil na época, e assim a corte decidiu bancar as viajens daquele doido para procurar ouro na Puta que Pariu do Norte.

É claro que chegando ao norte do Canadá, Cartier não encontrou nada além de neve e esquimós, e para não perder a viagem, ele raptou os filhos do chefe esquimó Donnacona para apresentá-los em circos em Paris e faturar um troco.

A Terceira Viagem e as Guerras Clônicas[editar]

Chegada de Jacques Cartier ao norte do Canadá.

Com o seu circo decaindo, Cartier voltou para o Canadá e sequestrou o chefe esquimó, mas ao chegar à França o pobre indígena morreu de gripe em 0,67 segundos.

A Quarta e Última Viagem[editar]

Entediado na França, viajou outra vez para o Canadá aonde fundou cidades para combater o exército esquimó, entre elas a capital da boiolagem do Novo Mundo, a cidade de Quebec.

Os esquimós se irritaram e iniciaram uma sangrenta batalha usando focas amestradas, ossos de baleia e varas de pescar contra os europeus. A população nativa estava levando a melhor sobre aquele povo fresquinho dos franceses, que só venceram a batalha quando descobriram o vilarejo viking de L'Anse aux Meadows, e após um acordo com os noruegueses, acertaram que a França os iriam aceitar na União Européia em troca do extermínio dos esquimós.

A Quinta Viagem: O Retorno de Jacques Cartier[editar]

Depois de ser morto por uma peixeira de um esquimó, Cartier assombra no Holandês Voador o Estreito de Jacques Cartier. A boa notícia é que esse estreito fica no norte da Groelândia e ninguém nunca precisa (e faz tudo pra não precisar) navegar por ali.

Curiosidades[editar]

  • Como não poderia faltar, Jacques Cartier tem um apelido francês meigo, "Petite Hermine".


Marco polo travel.jpg Exploradores

Américo VespúcioCristóvão ColomboEdmund HillaryFernão de MagalhãesFrancis DrakeHernán CortésJacques CartierJames CookMarco PoloPedro Álvares CabralRoald AmundsenVasco da GamaPapa Mau