Império Cartaginense

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
O Aníbal da Barca Furada merecia um prêmio por sua brilhante ideia de atravessar os Alpes com elefantes.

O Império Cartaginense, também conhecido como civilização cartaginesa ou civilização púnica (esse último era a forma que os romanos chamavam negro de "cor de piche" e zueiras de quinta série similares) foi uma civilização que se desenvolveu às margens da bacia do Mediterrâneo, com sede na cidade de Cartago, no golfo de Tunes, na região da atual Líbia, entre os séculos IX a.C. e II a.C., e que tinham um parentesco de levis com os fenícios, o que os tornavam uns mestres dos mares também. Quer dizer, dos mares mares mesmo não, só do Mar Mediterrâneo mesmo e foda-se.

O império deles foi se expandindo principalmente no Mediterrâneo Ocidental, se apossando igual MST das terras do seus papais fenícios na cara dura, os deixando bem gordinhos e grandões, mas também deixando com invejinha seus "miguxos" lá da Europa, os romanos, que depois de muitas encrencas, decidiram descer pro pau contra os cartagineses, e após três guerrinhas de bolinha de papel, na terceira guerra, que seria "a negra" (uma homenagem justamente ao povo negão de Cartago - daí que veio essa expressão aí que se usava pra decidir uma melhor de três quando criancinha), os romanos simplesmente ficaram pistolinha e tacaram fogo em Cartago, destruindo a porra da cidade em 146 a.C. e assim ela ficou por anos a fio, igual as favelas da Baixada Fluminense, só ruínas e nada mais.

Definir o povo deles é complicado, já que eles fizeram uma mistureba dos berberes do Norte da África com os semitas fenícios, o que os tornava um dos primeiros casos de povos mistureba da história da humanidade. Vai ver por isso, por serem uma raça toda bugada que os romanos tinham nojinho deles... seriam os romanos os primeiros nazistas?

Lá vou eu com teorias da conspiração... ai ai ai...

Origens[editar]

Como adiantei acima, as origens desse povo eram bem obscuras, mas é certo que os fenícios foram os principais criadores, já que o império marinho dos fenícios pelo Mediterrâneo realmente apossou-se de diversas fazendolas do norte da África, chegando até mesmo na Península Ibérica, onde ajudaram a criar a mítica cidade de Társis, onde alguns tentam ir e acabam sempre virando comida de baleia, e também abaixo, na atual Marrocos, criaram a cidade com o melhor e mais adequado nome que uma cidade já ganhou: Lixo. Entretanto quando a princesa Dido de Tiro e irmã do rei Pigmalião fundou Cartago (se é que realmente foi essa mina que fez isso) é bem incerta, pois tem quem dia que a mina chegou lá há 50 mil anos atrás, a mais tempo até que o Raul Seixas nasceu, o que os arqueólogos descobriram que não tinha como e que a cidade se muito tinha uns 600 anos ou menos quando rolou o arranca-rabo entre eles e o povo metido de Roma.

Além disso, os povos que formaram aquilo lá não incluíam só os "púnicos" (um xingamento dos gregos pros fenícios que os romanos, como tudo que vinha da Grécia, surrupiaram pra si), mas também uma turma chamada pelos egípcios na época de Lidi, ou Ludi, ou Libu, ou Lubu, ou Lulu, ou Libi, ou Dili, ou Bulu, ou Bololô papá, ou... ah, foda-se, os primeiros líbios. Esses últimos seriam uma turma de Magrebe que fugiu duma tal guerra das jurubebas e que, segundo uns retardados, poderiam ser descendentes dos medos e dos persas, mas nem sentido faz isso, povo europeu parecia incapaz de conceber que haviam sim povos na África que realmente eram de lá, mais fácil crerem que eram descendentes de Rael do que dizer que eram africanos mesmo. O fato é que esses povos meio que foram invadidos por trás pelos fenícios e aí rolou o chumba-chumba-chumba que gerou a trupe de Cartago.

Crescimento e tretas com os gregos[editar]

Quando exatamente os cartagineses deram um olé nos seus colonizadores fenícios é outra coisa que a história até hoje foi incapaz de determinar. Definir um marco de fato é complicadinho, há quem coloque a fundação de Ibiza, mas não é consenso porque no fim eram praticamente a mesma merda já a essa altura o povo de Cartago e os filhinhos de Tiro e Sidom. E até chamar o império púnico de império é meio forçado porque isso lembrava mais uma confederação do que um império de fato, não que isso mude muita coisa porque como diria um conhecido refrão hitita: "o que vale é o que importa", e a mim pouco me importa essas nomenclaturas de gentalha das ciências políticas e nerds afins.

Os primeiros entreveros com turma europeia foram com povos como os etruscos (que tempos mais tarde dariam origem aos seus miguxos romanos), com os búcaros e com os focenses, mas só muito depois, com os gregos, é que teve as primeiras tretas de fato. Os gregos por anos tretariam e feio com os cartagineses, em especial nas guerras sicilianas, com a necessidade dos púnicos de chupar um limão siciliano e tendo seu anseio negado pelos gregos. No fim ninguém realmente ganhou porra nenhuma nessas tretas, os gregos tiveram suas vitórias e os mil e um aníbals tiveram das suas e ficou no elas por elas.

A amizade que deu em merda[editar]

Por volta dos anos 500 a.C. Cartago conheceu uma linda cidade chamada Roma, e ao contrário de suas experiências com os gregos, pareciam duas amigas lindas que viviam juntinhas, dividiam tratados e cartas lindas uma com a outra, iam pra show juntas, dividiam canetas coloridas e cheirosas, tudo daquele jeitinho lindo e maravilhoso.

Mas tudo mudou quando Roma conheceu o amor da vida de Cartago: o Mar Mediterrâneo e todo o belo reinozinho e a capacidade que tal reino poderia dar pra Roma e sua ambição de ser ainda mais rica e gostosa. Mesmo com tantos tratados e cartinhas de amor e paz, uma hora o troço fedeu quando Cartago viu que Roma tava realmente de olho no seu macho e assim começariam as Guerras Púnicas.

A primeirona consistiu nuns puxões de cabelo e dedo no olho entre elas, que no fim Cartago teve que dar a Sicília de presente pra Roma como pedido de desculpas. Pra piorar, essa primeira derrota levou a uma crise interna chamada Guerra dos Mercenários, uns cidadãos descontentes de Cartago que decidiram virar a casaca e promoveram a balbúrdia interna, mas aí Aníbal Barca conseguiu quietar a raba dessa turminha.

O mesmo Aníbal, putinho com a resenha que Roma patrocinou pra dividir sua cidade, decidiu proclamar o round dois, onde atravessou os Pirineus e os Alpes com uma manada de elefantes, o que não foi lá uma ideia muito boa, já que um monte escorregou ladeira abaixo, afora que os pântanos de Nápoles, os limites lá da Itália que eles chegariam, entupiram geral de doenças, o que levou Aníbal a dizer que venceu por ter deixado os romanos com o cu na mão trancadinhos na sua cidade e bater em retirada de volta pra Espanha ficar de boinha por lá. Essa vitória autoproclamada não foi obviamente engolida pelos romanos, que pouco depois o general romano Cipião Africano em 202 a.C. conseguiu invadir Cartago e na batalha de Zama fez a ex-miguxa ter de pagar tributos pesados pra eles.

Entretanto a cidade era teimosa pra um caralho e um dia pararam de pagar qualquer coisa, o que deixou os romanos obviamente putinhos e mandarem a terceira e última guerra entre as duas cidades, e dessa vez enfim Roma viu Cartago beijar seus pés e ficarem em ruínas, só sendo reconstruída um bom tempo depois e já com pouquíssimos traços do que um dia fora a civilização de lá, que foi quase totalmente transformada em lenda urbana na região igual ao destino das Dez Tribos Perdidas de Israel, do cadáver (ou não) de Jimmy Hoffa e da virgindade da tua mãe.