Gerard Way

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
ÒO..gif

Gerard Way é poser!

E acha PES bem melhor que Pro Evolution Soccer.

Ele(a) acha que Oakland Raiders é uma grife de bonés.


Emblem-sound.svg Gerard Way
Gerardway.jpg
Gerard quase tendo um derrame, como sempre
Nome Geraldo Artur Caminhos
Origem Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Sexo Com a bunda
Instrumentos
Nuvola apps kcmmidi.svg
Cordas vocais
Gênero "Eu mijo sentado"
Influências Sua vó
Nível de Habilidade Baixo, ruim, pobre... emo
Aparência Viadão bonito
Plásticas Mudança de sexo
Vícios
Nuvola apps atlantik.png
Beijar o Frank
Cafetão/Produtor
Crystal Clear action bookmark.svg
Netflix

Babel fish.gifTraduzindo: Geraldo Caminhos
Babel Fish sobre Gerard Way

Gerard Way, também conhecido como Werard Gay, é cantor, compositor e criador de histórias em quadrinhos (notórias cópias da Turma da Mônica), sendo o vocalista dos Meus Químicos Romanos, banda emotiva e escandalosa que incentivou a maquiagem em homens e o aumento no número de suicídios, mas sempre tem algum fã idiota pra falar que não. Gerard Way é uma das cópias do Robert Smith mais influentes do mundo por sua voz de bezerro desmamado e visual de emossexual, tendo um rebanho bem inchado de fãs débil mentais que matariam pra ter um fio de cabelo dele, é só ver a discussão desse artigo, e olha que nem é o artigo da banda em si...

Depois que a modinha das boy bands emos passou, terminaram a banda e ele seguiu aquela típica carreira solo que ninguém se importa, mas além da carreira solo na música, foi contratado por Maurício de Souza para criar histórias da turminha, e hoje se dedica a isso. Uma das histórias recebeu uma versão série na Netflix, mas ele precisou chupar as bolas de alguém pra isso. A banda voltaria algum tempo depois pois os gritos histéricos das fãs órfãs de mais músicas do MCR falam mais alto.

Vida impessoal

Gerard chamando geral pra porrada. Ui, que meda!

Gerard Way costumava tomar café com drogas, almoçar remédios e jantar álcool, e diziam que isso não fazia muito bem a ele, mas Way não tava nem aí: Cquote1.svg se os outros podem, eu posso também, viva a América branca! Cquote2.svg, proclamava ele. Foi por esses problemas que começou a compor música, só que não seguiu a vida de gangsta rapper pois não tinha vocação e o visual adequado por ser um branquelo de merda, então decidiu passar vergonha participando de uma banda emo. Hoje em dia ele largou os vícios, virou careta e só faz músicas de vez em quando, porque só fica fazendo esses quadrinhos igual um virjão.

A vó de Gerard, Elena (não é a professora do Carrossel), o ensinou muita coisa, como desenhar, pintar e pegar as vadias, inclusive a parte de cantar como se tivesse um supositório enfiado na bunda, e fazer a cara de choro, grande característica dos clipes. Acredite ou não, mas ele é casado com UMA MULHER, curiosamente uma baixista de uma banda sem talento e que só casou com ele pela fama. O casal tem uma filha que nasceu em 2009, pertencente à irritante geração Z, e não é adotada, foi feita na raça mesmo. No momento eles estão morando na Califórnia, como 70% dos famosos americanos. Os outros 30% estão em Nova Iorque.

Carreira

Origens (2001 - 2001)

Way indo trabalhar na Cartoon Network em 11 de setembro de 2001

A primeira merda artística que Gerard fez, ainda pirralho, e que vale a pena ser mencionada com o intuito de encher linguiça, foi uma revista em quadrinhos (mangá ocidental, pra quem não sabe) nos pré-históricos anos de 1993, mas claro, coisa jovial que ninguém deu bola, nem mesmo ele. Gerard queria seguir essa carreira de quadrinista, mas algo explosivo viria a acontecer, literalmente. Acredite ou não, mas além da queda das Torres Gêmeas, os atentados de 11 de setembro causaram outra tragédia: o surgimento da banda My Chemical Romance.

Geraldo Way trabalhava como lavador de privada, vulgo estagiário, na Cartoon Network. As privadas ficavam perto das torres, e aquele fatídico dia o fez ter um ataque de pânico, asma e faniquito, perdendo a habilidade de fazer séquiçu sem tomar viagra e pintar a unha. Gerard ficou muito emocionado (e outras coisas... emos) com aquele incidente, e começou a escrever músicas sobre o ocorrido, que seria a primeira música da banda, "Skylines and Turnstiles". Gerard achou necessário fazer uma música do principal bafafá da semana e que todo mundo também estava fazendo músicas. Por exemplo: Frank Sinatra fez Fly Me To The Moon em resposta aos atentados. Gerard sugeriu à Cartoon Network que fizessem uma história em quadrinhos sobre o atentado e ele faria a trilha sonora na guitarra, mas prontamente recusaram a oferta.

Meu Romance Químico (2001 - 2014)

Gerard participando da banda da fanfarra do colégio.

No começo ele queria ser guitarrista, porém não era bom o suficiente. Se você toca um heavy metal ou grunge, você consegue se virar com os chamados power chords de apenas duas cordas, até o Kurt Cobain conseguia enquanto estava sob efeito de drogas mais poderosas que tranquilizante para cavalos. Mas música emo é bem emotiva e rápida, então nos três primeiros segundos de música já dá pra saber se você é um bosta e não honra as calças apertadas que veste, então ele virou o vocalista e compositor da banda.

Gerard fazia músicas pra lidar com o sofrimento de... de... ... tá, eu não sei o que esses branquelos americanos tanto reclamam, pois nem ao menos moram no Brasil, e só tem que vir pra cá pra dar entrevistas ou fazer um show de vez em nunca e já era. Mas Gerard lidava com os problemas fazendo música e sendo famoso, um de seus principais passatempos e orgulhos. Observe um dos trechos mais impactantes e profundos escritos por ele (tire as crianças da sala):


Cita3.pngNa, na-na, na-na, na-na, na-na

Na, na-na, na-na, na-na
Na, na-na, na-na, na-na

Na-na, na-na, na-na.Cita4.png
Geraldo Caminhos sobre a letra de "Na Na Na (Na Na Na Na Na Na Na Na Na)"


BRAVO!! BRAVO!! Emocionante! Até escorregou uma lágrima do meu olho!! ... Meu Deus! Meu pulso criou vida e está... implorando... pra ser cortado!!

*pega faquinha de cortar pão* AAAAAAAAAAARRRRRRGH!!!
Blood Spatter.jpg

Algum tempo depois...

As primeiras fãs que desviveram quando souberam da notícia da separação

Opa, e ae mano, já voltei do hospital, perdi muito sangue, mas me recuperei e agora tô bem. Vou continuar o artigo, foi mal por isso, não sei o que me deu...

Foram vários anos de estrelato nas paradas como a maior banda emo do mundo, mas em 2013, depois de quatro álbuns, muito sofrimento, muita maquiagem e esmalte gastos, e principalmente, muita dor de cotovelo, a banda anuncia que chegou ao fim. Gerard disse que terminaram o relacionamento porque "não estava mais divertido", como se tocar numa banda fosse a mesma coisa que brincar num parque infantil. Alguns soltaram rojões com a notícia, mas por outro lado houve uma quantidade de suicídios jamais vista, e apenas os mais fortes emos da cadeia alimentar conseguiram sobreviver pra contar história.

Carreira solo, quadrinhos, série de televisão, a volta do My Chemical Romance, a porra toda que tu quiser sobre esse fi de rapariga! (2014 - atualmente)

É questão de tempo pra ele se tornar o Jack Black

Como dito anteriormente, seu sonho era ser quadrinhista, ou o que diabos seja isso, mas o MCR acabou adiando em vários anos esse desejo, e por isso se vingou docemente dos fãs terminando a banda. Como a fonte secou, Gerard foi ao fundo do poço, inclusive sendo flagrado por paparazzis curtindo uma cerveja e jogando truco em um bar da Lapa, no Rio de Janeiro. E bom, na foto ele tinha acabado de perder pra um Zap e estava chorando descontrolavelmente...

Com o término da banda, de repente notaram que ele estava fazendo uma história em quadrinhos desde 2007 chamada "The Umbrella Academy" e não tinham prestado atenção, e um desavisado poderia dizer que tem a ver com zumbis em Raccoon City, mas não é bem assim. Esses quadrinhos não eram redondos e agradaram a crítica, ganhando um prêmio de Quadrinho de Antigo Vocalista de Banda Emo do Ano. Outros projetos aconteceram durante os anos, inclusive com a DC Comics e a Marvel, mas eles perceberam que é muito mais rentável apenas roubar usar as histórias do Stan Lee (atualmente, falando com ele pelo tabuleiro Ouija), e ninguém dá a mínima foda pra essas histórias de merda, tirando The Umbrella Academy (na verdade, só a série de televisão e não os quadrinhos).

Gerard saudando Hitler durante o show de regresso, em 2019.

Em 2014, anunciou que ia se lançar em carreira solo, surpreendendo um total de zero pessoas, mas os antigos fãs estão travados em 2007 e esperam sempre um My Chemical Romance 2.0 Turbo, então nem ouvem aquelas merdas. Em 2017, The Umbrella Academy ganhou uma versão em série pela Metflix com Gerard de diretor, e até que pra uma adaptação, que geralmente dá merda, não é tããão péssimo assim, e é uma das séries mais populares da plataforma e contém mais temporadas que Sobrenatural. Tá, agora eu exagerei, mas você entendeu, né? Há previsões de lançamento de The Umbrella Academy para os cinemas estrelando todo o elenco de Harry Potter, é a mesma merda.

Em 2019, mesmo agora sendo um tiozinho ex-emo bem do tosco e com um certo sobrepeso, Gerard volta aos palcos com o My Chemical Romance pois achou que estava indo jogar bingo. Hoje em dia, até a sua mãe é mais emo que ele. A banda estava planejando fazer uma turnê em 2020, mas não foi possível por causa de uma bactéria do diabo. Ninguém mandou ele demorar tanto pra voltar com a banda, ou ter terminado com ela em primeiro lugar, se fodeu! MWAHAHAHAHAHA!

Ver também