Filipinas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Pequenos Felipes
Republic of Phillipinas
Filipinhos
Bandeira das Filipinas
Brasão de Armas das Filipinas
Bandeira Brasão
Lema: Pelo Amor de Deus! Ajudem!
Hino nacional: The Coconut Song

Localização de Filipinhos

Capital Baunilha
Cidade mais populosa Flocos
Língua Tagalog, inglês
Religião oficial Wowoweeismo
Governo Barya Lang Po sa Umaga Bayad Muna Bago Baba
 - Patriarca Ewok
Heróis Nacionais José Protacio Mercado Rizal Alonso y Realonda
Área  
 - Total umas ilhas ao sul da China km² 
 - Água (%) 87
Analfabetismo 100% não sabem ler Filipino 80% não sabem ler esperanto e 20% não sabem ler inglês 
População 0 filipinos naturais 
PIB per Capita 2.000 para os americanos 1.000 para as mulheres filipinas (putaria) 0 para os filipinos 
IDH
Moeda Gulugulugoo
Fuso horário (+)10
Clima Paradisíaco e com muitas putas
Website governamental procurar links no site do governo americano


Cquote1.svg FILIPINO! FILIPINO! FILIPINO! Cquote2.svg
Black Eyed Peas sobre Filipinas
Cquote1.svg Minha namorada na Segunda Guerra Mundial. Cquote2.svg
Estados Unidos sobre Filipinas

Filipinas é um arquipélago possessão ultramarina dos Estados Unidos que por enquanto se finge de país independente. É um desses países da Ásia que não é nem Japão, nem China, nem Coreia, nem Vietnã, logo apenas mais um rumor na região. A sua capital é Manila, agradável cidade com 1 bordel por quarteirão e com mais partículas de poluição atmosférica por centímetro cúbico de ar do que qualquer outra grande capital asiática, além de possuir a maior taxa de cerveja San Miguel per capita do mundo, Manila é oficialmente a vadia da Ásia.

História[editar]

Filipinas pré-histórica[editar]

Estátua de um boxeador assistente segurando uma escarradeira. O boxe faz parte da cultura filipina.

A jornada épica dos filipinos ao longo dos séculos começou com uma horda de homenzinhos amarelos ansiando por bananas, algo que eles não tinham no subcontinente asiático. Este grupo de intrépidos esfomeados (até hoje os filipinos são conhecidos por sua fome) zarparam para o alto mar primitivo em procura de seu precioso alimento, quando assim chegaram num arquipélago tropical paradisíaco. Estes primeiros habitantes eram chamados de "balangays", nome jocoso e homofóbico dado pelos espanhóis para classificar um povo que foi tão longe apenas por bananas, aquela fruta em formato roliço sugestivo.

Muito antes de qualquer movimento LGBT, os balangays em 100 a.C. já navegavam orgulhosos com suas velas nas cores do arco-íris ocupando todas as ilhas das Filipinas.

Filipinas pré-colonial[editar]

Antes da chegada dos colonizadores europeus já havia no arquipélago das Filipinas os descendentes dos antigos balangays, uma mistura de asutralopitecos com melanésios que faziam o sabem fazer de melhor: Coçar o saco e não construir nenhuma pirâmide opulente sequer, por isso a importância histórica desse povo beira ao irrisório ao ponto de nem a Wikipédia saber explicar direito como foi essa época.

Os chineses foram os primeiros estrangeiros a habitarem efetivamente as ilhas, isso entre os séculos XI e XII, época em que a Dinastia Ping Pong decidiu espalhar pelo mundo pequenos quiosques de venda de pastel de frango frito na hora, e as Filipinas foi um dos primeiros territórios durante esta expansão. Essa expansão chinesa não foi tão bem aceita porque os filipinos não tinham a paciência de esperar um frango nascer e se desenvolver até virar um pastel (ver informações sobre o quitute balut).

Colonização espanhola[editar]

Em 1521 as Filipinas pela primeira vez seria notada pela Europa, o famoso navegador Fernando Magalhães parou nestas ilhas durante sua circunavegação ao redor do globo e é claro que não pôde deixar de mostrar às Filipinas seu grande mastro. Algo que milhares de turistas americanos e europeus imitariam nos séculos vindouros. Os ilhéus do sexo masculino, no entanto, não ficaram muito entusiasmados com o mastro maciço da nau Victoria, e a insatisfação só aumentou quando Fernão fez a velha piadinha do trocadilho "segue sua nau" ao responder a insatisfação de um habitante local acerca daquele mastro em riste. E assim, Magalhães se tornou o primeiro fast food estrangeiro na história das Filipinas e sua perna se tornou decoração na porta de entrada do chefe Lapu Lapu.

Como resposta, a Espoanha invadiu e conquistou as ilhas no século XVI. Ao perceberem que as Filipinas literalmente não tinham donos, simplesmente pegaram para eles o arquipélago e forçaram todo mundo dali a se tornar católico fanático, do contrário seriam todos pregados de verdade em cruzes. Claro que a segunda opção pareceu bem mais emocionante e nada tediosa como a primeira opção de frequentar uma missa, e até hoje os filipinos se pregam em cruzes durante datas festivas cristãs (ver Paixão de Cristo nas Filipinas). Aliás, o estúpido nome "Filipinas" foi invenção dos espanhóis, e só poderia ter sido ideia espanhola mesmo, uma homenagem à Felipe Dylon, herói espanhol.

Domínio dos Estados Unidos[editar]

Em meados do século XIX, um famoso médico anão filipino chamado José Rizal aproveitou seu ano sabático na medicina para escrever dois livros que chamariam a atenção das autoridades espanholas: "Noli Me Tangere" ou "Españoles hijos de la putas", um conto literário onde as Filipinas eram nomeadas como uma comunidade ultramarina autônoma (como as Ilhas Canárias) e " El Filibustero" ou "Imagine uma Filipinas sem espanhóis", um livro de ficção histórica onde os filipinos ganhavam o direito de defender o rei dos soldados de Napoleão. Esses dois livros foram mal traduzidos e mal interpretados pelos grupos inconfidentes liderados por Andrés Bonifacio e Emilio Aguinaldo, que queriam imitar o que Simón Bolívar fez com o Vice-Reino de Nova Granada.

Claro, isso caiu como uma pedra no estômago dos espanhóis, que pediram uma recompensa pela captura daqueles cavalheiros que ousaram falar mal de Sua Majestade Espanhola. Os independentistas responderam com xingamentos, greve de prostitutas e guerras, exatamente como na América Latina, com a única diferença que cometeram o terrível erro de se aliar aos gringos. Foi como vender a alma pro diabo: Os filipinos realmente se tornaram independentes da Espanha, criaram uma Constituição em espanhol e elegeram seu presidente, para dois dias depois se tornarem um estado ultramarino da América do Norte perpetuamente.

Garotas filipinas passando por árduo treinamento de tiro. Não é fácil acertar tiros em micropênis japoneses.

E então os filipinos deram as boas-vindas aos seus Big White Brothers Gringos, na esperança de que, sob o domínio americano, finalmente poderiam ter neve nas Filipinas e a chance de fazer uma petição para serem cidadãos dos EUA. Não recebendo a promessa de neve e muito menos da cidadania americana, os filipinos foram ficando tristes e não entendendo porque os americanos estavam apenas ensinando-os como administrar uma democracia ruim. Esse legado comovente vive até hoje, por meio da Constituição de 1987. Os insatisfeitos começaram em 1935 a Guerra Filipino-Americana. Resultado: mais de 9.000 filipinos mortos (Emilio Aguinaldo morreu de ataque cardíaco ao saber da notícia). Para não repetir essas guerras idiotas, os gringos acabaram estabelecendo uma série de regras de convivência:

  • Falar de socialismo era proibido . Ainda estávamos no século XIX, mas os gringos já faziam previsões.
  • Os índios nativos não podem urinar nos banheiros dos gringos. Tampouco poderão jogar beisebol em times gringos ou viajar nos bancos dianteiros dos ônibus.
  • O idioma oficial é o inglês. O espanhol é uma língua de países subdesenvolvidos.
  • Qualquer filipino que se oponha a essas regras será gentilmente obrigado a beber oito litros de água (eufemismo para "ser arremessado no meio oceano").

Segunda Guerra Mundial[editar]

Desesperados com a tirania americana em suas ilhas, os filipinos buscaram ajuda externa e a conseguiram: o Japão se ofereceu para ajudá-los, desde que se comprometessem a ser seus vassalos. Os filipinos aceitaram, e foi uma sorte: a Segunda Guerra Mundial havia começado e o Japão era inimigo dos EUA. Durante o domínio japonês, os filipinos foram alimentados à força com anime indutor de epilepsia enquanto eram usados ​​como trabalhadores braçais, babás e escravos sexuais. Essa engenhosa estratégia oriental de atacar a cultura filipina funcionou muito bem, e hoje em dia a quantidade de filipinos otakus fãs de j-pop é enorme, todos com cabelos pintados querendo ir pro Japão para conseguir uma cidadania otaku e se tornar uma bitch para os japoneses.

Quanto aos filipinos menos suscetíveis a essa colonização japonesa, estes descobriram que o sashimi era peixe cru, então decidiram rescindir o contrato e lutar pela independência.

Independência[editar]

Os Estados Unidos dão às Filipinas uma espécie de independência-fake em 1946, pois mantiveram na ilha todo seu aparato militar e durante os próximos anos exploraria o jogo ilegal e a prostituição semi-infantil, colocando no governo um pau-mandado capitalista chamado Manuel Roxas, e assim faria com todos seus sucessores também.

Estávamos já na Quarta República das Filipinas (o país era novo e achava que "democracia" era mudar o tipo de república a cada novo presidente) lá na década de 1970 quando o país passou a ser governado por Sua Alteza Real Imelda Marcos, que tentou roubar uma tonelada de HDTVs de LED de vários zumbis japoneses que vagavam pelo país. Isso não era um bom presságio para o resto da população, que efetivamente declarou o "poder do povo" e exilou Imelda junto com seus sapatos, para o Havaí, criando a Quinta República das Filipinas.

Eventos recentes[editar]

Embora as Filipinas sejam de maioria esmagadora cristã, existem por lá uns sobrinhos do Osama bin Laden que se dizem de uma outra religião aí onde eles tem que ficar de turbante e matam inocentes explodindo bombas em ambientes onde só existem civis que fizeram nada, e essa minoria vivia na ilha de Mindanao. Sorte que o governo conseguiu apaziguar os ânimos ao dar para eles um território meia-boca onde poderia brincar de ser país independente.

Atualmente as Filipinas vem passando pela colonização de um quarto país diferente, a Coreia do Sul, através de um exército chamado Momoland. Enquanto isso, os presidentes que se sucedem são um ex-ator de novelas, um outro que já fez 12 tentativas de golpe de estado (o recorde mundial ainda é mantido por Hugo Chávez, com 52 tentativas) e Rodrigo Duterte, um fervoroso seguidor do Proerd que condena a morte usuários de maconha.

Geografia[editar]

Apesar de ser um arquipélago, as Filipinas ainda tem diversos rios caudalosos, como o Rio de Mer Da que passa por Manila.

As Filipinas fazem fronteira a norte com o mar da China Meridional, a sul com o mar das Celebes, a oeste com o mar de Sulu e a leste com o mar da Indonésia. Como você pode ver, é uma ilha rodeada de água e nenhuma é das Filipinas (o mar das Filipinas é otaku e se mudou para o sul do Japão. As Filipinas são um país-arquipélago da Ásia (negando-se serem da Oceania tal qual a Austrália na FIFA) que consiste em 7.107 pedregulhos arenosas ou rochosas que aparecem e desaparecem à medida que o nível do mar sobe e desce. Destas, 4600 ilhas têm nomes e apenas 989 ilhas são habitadas.

Das ilhas habitadas são um monte de ilhas mais sujas do que o cu de uma puta do porto, águas em que com certeza você pegaria mais doenças venéreas que comer o cu dessaas putas. Algumas dessas ilhas são pouco mais do que um banco de areia com uma palmeira no meio, enquanto outras são mais espaçosas do que a bunda da sua mãe. A ilha de Luzon, por exemplo, abriga a capital Manila, uma megametrópole que abriga 12 milhões de filipinos e 8 bilhões de ratos num espaço aparentemente impossível de caber tanta coisa. As Filipinas devem as constantes comparações com putas do porto a esta Sodoma dos tempos modernos que é a capital. Enquanto as grandes cidades das ilhas estão contaminadas com o crime e são desertos de concreto, o resto do arquipélago é realmente muito bonito se você extrair da sua visão todo o lixo boiando no mar. O turista dedicado encontrará praias paradisíacas fora de Manila se conseguir sair da cidade vivo e com sua carteira.

Climaticamente, a realidade filipina são os tufões. Nesse ponto de vista, imagine que as Filipinas são a Piper Perri e os tufões são os 5 negões de 2 metros de altura e 30 centímetros de pau atrás dela.

População[editar]

Um grupo de filipinos nativos.

Apesar do seu tamanho minúsculo, as Filipinas tem 100 milhões de habitantes, isso sem contar com os não registrados e os que vivem fora do país. O filipino é basicamente um chinês com nome espanhol que fala inglês com turistas.

Os homens filipinos são conhecidos por sua tendência a tomar cerveja Red Horse (que parece mais até energético) até as primeiras horas da manhã, tirar uma soneca o dia todo e repetir o processo no dia seguinte. Os poucos que trabalham são geralmente relegados a empregos servis, como plantadores de abacaxi, limpadores de sarjeta ou motoristas de mototáxi. Também adoram um tal de GSM Blue, um gim podre que abunda mais do que água contaminada.

As mulheres filipinas são mais conhecidas por suas habilidades manipuladoras, sendo elas as que contribuem financeiramente para a família. Por meio de uma habilidade fantástica de agir de maneira fofa, elas frequentemente enganam estrangeiros desavisados, turistas sexuais, caloteiros e criminosos em fuga, surrupiando dessas pessoas suas economias arduamente conquistadas, sempre através de pequenos favores sexuais que nem sempre envolvem sexo em si, mas as vezes apenas uma sentada no colo ou coisas do tipo. Mas nem todas mulheres filipinas são putas! Há vários outros métodos delas conseguirem dinheiros de trouxas, o mais comum é usar Facebook (ou alguma outra rede social local, tipo o vk.com para falar com russos). Não se surpreenda se após alguns minutos de bate-papo virtual com agradáveis filipinas ela lhe pedir dinheiro para tratar uma "dor de dente". Além disso, não se assuste se ela pedir dinheiro para as despesas do funeral de sua mãe recentemente falecida mesmo que já tenha pedido isso há 1 ano atrás, pois parece que as filipinas têm muitas mães. Outra atividade comum e menos sexual das filipinas é o hábito de exercer enfermagem, 4% das enfermeiras norte-americanas são filipinas, afinal elas conhecem muito bem os principais fetiches masculinos.

Política[editar]

A vida política nas Filipinas está fechada para um seleto grupo de vagabundos, embora os cidadãos possam se envolver na tomada de decisões se tiverem dinheiro suficiente, armas, mercenários e, de preferência, artilharia adicional. As instituições públicas funcionam tão bem quanto a economia de Roraima e uma mídia jornalística imparcial expõe efetivamente as constantes tentativas de fraude eleitoral e corrupção no governo - isso enquanto os políticos corruptos se recusarem a pagar propina o suficiente aos jornalistas. Os representantes políticos das Filipinas são tão corruptos que até os funcionários da FIFA se afastam deles com repulsa, ou seja, é um nível similar ao do Brasil de falcatrua e pilantragem generalizada. Os zombadores dizem que essa é a razão pela qual a seleção nacional das Filipinas vem oscilando no número 124 no ranking mundial desde os tempos antigos. Por razões éticas, os mafiosos do futebol simplesmente se recusariam a aceitar subornos de um bando de corruptos e por isso o futebol local nunca prosperou.

De Luzon a Mindanao, as Filipinas cheiram a ganância, nepotismo e peculato. Para ser eleito neste país você precisa fazer parte de uma gangue de vigaristas chamados de "partido político". As vezes o povo se revolta e coloca a força malucos insanos no poder, caso de Rodrigo Duterte que chegou ao poder através de uma onda de populismo e nostalgia de Velho Oeste, um defensor de estupro, assassinato de maconheiros e coisinhas do tipo.

O ramo mais poderoso do governo, no entanto, é a Igreja, que pode com apenas um estalar de seus dedos sagrados ordenar que todos os ramos do governo cumpram suas ordens divinamente ordenadas, porque se não o fizerem, eles vão direto para o Inferno. A Igreja implementou políticas que geraram religiões como o Conformismo; um sintoma que faz com que as pessoas sigam cegamente sem questionar o governo, as autoridades religiosas, e muitos senhores supremos. Fazendo assim com que todos no país ajam como adolescentes americanos do colégio presos nos corpos de analfabetos pobres.

Subdivisões[editar]

As Filipinas estão divididas em três grandes grupos: Luzon, Visayas e Mindanao. Seria bem simples, ter essas três províncias. Mas como complicar coisas é meio que um esporte nas Filipinas, eles fizeram questão de dividir esses três grupos em várias regiões de forma que umas 600 ilhas nem saibam a qual região pertençam mais.


Economia[editar]

Note de 5 pesos filipinos homenageando o Imperador Pacquiao I.

As principais exportações das Filipinas são basicamente tudo o que já é exportado pela Coreia, China ou qualquer outro país asiático, tornando esse país nada atrativo. No início do século XX, as Filipinas até tentaram se destacar dos outros países asiáticos, enfatizando um comércio próspero de prostitutas baratas e alegres. Eles estavam indo muito bem no início, vencendo Singapura nessa concorrência, mas a partir de 1935 a Tailândia provou ter o melhor comércio sexual do sudeste asiático, muito graças às prostitutas transgênero. Por isso atualmente, de produto mais único, os filipinos têm para exportar apenas fitas de VHS de desastres locais envolvendo tufões e outras desgraças coletivas (principalmente relacionadas à pobreza) para a CNN, mas a CNN normalmente só se importa por um dia com essas imagens.

Para ajudar a combater a pobreza generalizada do país, o governo filipino implementou um sistema de bem-estar poderosíssimo, o ABS-CBN (que é uma espécie de Rede Globo misturada com SBT lá das Filipinas) que transmite o Show do Milhão Filipinas, Quem Quer ser um milionário? Filipinas e uns 54 programas similares em versão filipina. Este é o país com maior número de game shows per capta do mundo sendo ferramentas importantíssimas da economia desse país ao criar esperanças de fortuna imediata e 15 segundos de fama, mantendo assim a mente da população longe do fato de que na realidade não há comida em sua mesa e que não há emprego.

Turismo[editar]

Com sorte o turista pode testemunhar mais um tufão.

Cquote1.svg Entre! Pegue nossos recursos, construa sua casa, distraia-nos com coisas fúteis, mude nossas crenças, crie suas bases militares aqui, foda nossas filhas sem camisinha! Somos muito hospitaleiros Cquote2.svg
Garota nativa recebendo mais um turista

O turismo é um importantíssimo setor da economia filipina. Milhares visitam as ilhas para conhecer os famosos rios de merda, esgoto e lixo que cortam as principais cidades do país, bem como conhecer prostitutas claramente menores de 14 anos de idade mas que dizem ter 22 anos, ou então fazer o emocionante programa de alugar um carro e ficar 5 horas preso num engarrafamento. Com sorte o turista pode testemunhar a destruição causada pelo novo tufão da semana.

Cultura[editar]

Ceder as filhas que completam 15 anos para a Escola de Putas Municiopal é o máximo de cultura que existe nesse país.

Hoje em dia, os filipinos não possuem mais cultura própria e todos seus habitantes são mestiços orientais e americanos. Os filipinos são descendentes de ex-marinheiros americanos mortos por terroristas iraqueanos e mães gordas e ricas que treparam por dinheiro durante a juventude para fugir do pau pequeno de japoneses. Por algum motivo, mesmo tendo um idioma oficial próprio, 90% dos filipinos tem nomes hispânicos, sabe-se lá por quê.

A cultura filipina acaba sendo intimamente ligada à comida, pois estão sempre mortos de fome e a comida é o assunto mais comum. A importância de comer para os filipinos é tamanha que a primeira coisa que eles perguntam quando você encontra um deles é a frase "Koman Ka Na" que significa "Você já comeu", diferente de sociedades como a brasileira onde a primeira coisa que falamos é "olá, tudo bem?" desejando saber da condição mental de nosso interlocutor e não de seu estômago.

Para se ter ideia do nível da cultura filipina, a lenda folclórica mais assustadora tem a ver com um shopping em Manila. Um homem-cobra (meio humano, meio réptil) secretamente mora no porão do shopping Robinsons Galleria. Diz a lenda que o dono do shopping é o responsável por essa criatura e, desde então, o mantém escondido no porão. Segredo compreensível de se guardar, é claro que ninguém gosta de admitir que fez sexo com uma cobra. O homem-cobra agora assombra as lojas de departamentos do shopping, embora seu local preferido sejam as lojas de roupas, especialmente os provadores femininos onde gosta de constantemente espiar. A coisa toda se torna criminosa quando o homem-cobra rapta algumas dessas mulheres para a sua masmorra. Não está claro o que ele faz com elas, com que sentido da palavra "comer" ele as comem, até porque não se sabe sua aparência (se sua metade inferior é de um humano ou de uma cobra - isso influenciaria muito em como o homem-cobra agiria). Mas se ele realmente quisesse comer as mulheres no sentido gastronômico, então ficaria melhor comer as turistas americanos com o seu alto percentual de gordura pode, embora possam causar muita azia (não é de admirar que as cobras sufoquem na maior parte de suas refeições).

Idioma[editar]

A grande maioria dos filipinos fala um dialeto totalmente local chamado Taglish. Uma mistura horrível de inglês e qualquer língua vodu que surgiu ali vários milênios atrás, que é algo como uma forma obscura de esperanto, só que mais confusa. Curiosamente, apesar da dificuldade que os filipinos têm em pronunciar sílabas em inglês, eles insistem em anglicizar palavras em espanhol. Por isso Sevilla eles pronunciam como "se-VEEL-ya", por exemplo.

Além do tagalo, espanhol, inglês, japonês e coreano, os filipinos têm zilhões de outras línguas, dialetos e subdialetos. Incluindo o ilocano, que é tipo um alemão melanésio, onde eles formam uma série de novas palavras combinando palavras antigas em uma só.

Culinária[editar]

Um ovo balut mal preparado pode comunicar-se com o seu comedor antes da refeição[1]

A cultura alimentar, assim como toda sua infraestrutura, é tão desenvolvida que apenas metade das comidas tipicamente filipinas são listada no ocidente como substâncias perigosas. A outra metade são gatos de rua assados. Coincidentemente, existem tantos tipos de alimentos nas Filipinas quantas formas de se adquirir uma intoxicação alimentar (uma estranha coincidência, a OMS está investigando).

O prato mais tradicional é o adobo. que não é um prato em si mais sim uma forma tradicional de preparação de carne na qual um animal que passe pela porta da cozinha é imediatamente capturado com uma porrada de panela e cozido em seus próprios fluidos corporais. E a sobremesa filipina é o halo-halo, feito através de feijões cozidos, frutas, pilhas velhas e fluídos de bateria de carro que são servidos misturados com um sorvete roxo sabor jabuticaba. Outro alimento comum são Pkislopodos fritos, seres estranhos que ninguém sabe explicar o que são.

Mas o pináculo da gastronomia desse país é o balut, o afrodisíaco sexual mais vendido nas Filipinas. O balut é um ovo de galinha ou de pato cozido com um feto abortado dentro. Normalmente, o balut é vendido com um pouco de sal escondido dentro de um jornal por vendedores ambulantes após o pôr do sol, e o motivo de vendê-lo à noite, eu acho, é para que o comprador desses ovos não fique enojado com sua aparência. Os apreciadores desse ovo dizem que comer um feto cru de pato ou galinha é bom porque não há penas e os ossinhos parecem biscoitinhos garantindo assim uma sensação de estar comendo baratas e caudas de cascavéis. Com licença, porque vou vomitar...

Religião[editar]

As Filipinas são um país de grande tradição religiosa. Uma mulher andando com uma pirâmide de cobre na cabeça seria considerada uma maluca em qualquer outro país do mundo, mas este não é o caso nas Filipinas, ela logo se tornará uma líder espiritual de mais uma nova religião em breve. Depois que todos os filipinos perderam seus xamãs, esposas de bruxas e sacerdotes vodu no século XV, eles passaram a acreditar em todas as besteiras absurdas que contam a eles: "Uma menina de dezesseis anos cuida de meninos num emprego de babá? Então ela está possuída pelo diabo! Amarre-a nua a uma árvore e chicoteie-a!", "Vovó Pitu está com um cheiro forte de pomada de milho? Isso quer dizer que ela está fazendo bruxarias com ervas! Queime-a!", "O do cachorro vizinho está sarrando na sua perna? Ele é uma fera demoníaca, mate-o com pauladas". Como se percebe, os filipinos veem algo místico e sobrenatural em tudo. Se você acreditar num neles, todas suas ilhas terão pelo menos uma paisagem para o Inferno cheia de demônios carniçais comedores de cadáveres.

Por isso o arquipélago tem um cristianismo um tanto quanto diferente, repleto de crendices e superstições, com uma Paixão de Cristo na qual os atores que fazem Jesus devem ser pregados na cruz de verdade, caso contrário traria má sorte.

Referências

  1. Zombar de animais cruelmente mortos não é divertido para nós, mas esta imagem ainda é melhor do que testículos depilados de um homem obeso que você encontra em artigos de anatomia da Wikipédia quando menos espera.
Flag map Filipinas.png Filipinas
HistóriaGeografiaDemografia
PolíticaSubdivisõesEconomia
MoedaTurismoCultura
BandeiraBrasãoHino
Boratasiacentral.jpg
Ásia
v d e h

Países: Afeganistão | Arábia Saudita | Armênia | Azerbaijão | Bahrein | Bangladesh | Brunei | Butão | Camboja | Cazaquistão | China | Chipre | Coreia do Norte | Coreia do Sul | Egito | Emirados Árabes | Filipinas | Geórgia | Iêmen | Índia | Indonésia | Irã | Iraque | Israel | Japão | Jordânia | Kuwait | Laos | Líbano | Malásia | Maldivas | Mongólia | Myanmar | Nepal | Omã | Paquistão | Qatar | Quirguistão | Rússia | Singapura | Síria | Sri Lanka | Tadjiquistão | Tailândia | Timor-Leste | Turcomenistão | Turquia | Uzbequistão | Vietnã

Territórios: Abecásia | Caxemira | Chipre do Norte | Coreia | Curdistão | Estado Islâmico | Goa | Hong Kong | Ilhas Spratly | Macau | Manchúria | Ossétia do Sul | Palestina (Cisjordânia e Faixa de Gaza) | República de Artsaque | Taiwan | Território Britânico do Oceano Índico | Tibete