DC Comics Presents

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Sim, você não está sonhando, o Super já esbarrou com o He-Man!

DC Comics Presents foi uma revistinha da DC Comics publicada entre julho de 1978 a setembro de 1986, e nessa revista basicamente sempre rolava um team-up do Superman com outros heróis, podendo acontecer de tudo, desde encontros casuais e simples com heróis comuns do universo do Super até umas paradas bem tronchas e bizarras de absurdas. A partir de outubro de 1986 essa ideiazinha de encontrinhos do Super continuou, mas na revista Action Comics.

Funcionamento da revista[editar]

Era bem issaí que foi já adiantado acima: O Superomi por algum motivo qualquer acabava tendo de fazer timinho com algum super-herói ou alguns super-heróis, nem sempre esses encontros rolavam já de cara de maneira gostosa e saudável, pelo contrário, as vezes rolava um quiproquó logo no início (típico de crossover), mas depois terminava que ficava todo mundo amiguinho e se juntavam contra uma ou mais ameaças que se punham na frente dos heróis.

Alguns encontros entretanto fugiam um tantinho dessas regras, proporcionando algumas das paradas mais insanas da história da Era de Prata do Superman, e o pior: tudo canônica. Ou pelo menos era até Crise nas Infinitas Terras, que causou um vórtice bizarro nas histórias e muitas passaram a não valer mais de porra nenhuma.


Algum tempo depois começaram a colocar umas historinhas pequeninas com o destino final de um monte de personagens da Era de Ouro que ninguém faz ideia nem de quem sejam, nem de onde tinham ido parar, nem ninguém se importa na verdade... E depois também botaram uns previews de equipes e personagens novos, como os Guardiões Globais e o Esquadrão Atari (você leu direito, e sim, tem a ver com a Atari mesmo!)

Encontros bizarros ou inusitados do Super nessa revistinha[editar]

Pobre Superman, sendo jogado em team-ups cada vez piores...
  • Lanterna Verde (Número 6, fevereiro de 1979): O Hal Jordan acaba todo fodido depois de uma batalha e acaba repassando seu anel (sem duplo sentido) pro Clark Kent, sem nem imaginar que ele era o Superman. Já imaginou o Azulão virando um Verdão também?
  • Monstro do Pântano (Número 8, abril de 1979): Nesse primeiro encontro, por algum motivo o Monstrengo decide se juntar ao Solomon Grundy pra mandar o Homem de Aço pra sete palmos abaixo do charco. Acho que é porque não era o Alan Moore escrevendo ainda, o personagem tava muito doidão aí.
  • Sargento Rock (Número 10, junho de 1979): De volta à Segunda Guerra Mundial por engano, o Super acaba dando uma de Capitão América e trampa infiltrado como um soldado da Companhia Moleza contra os porcos nazistas. Agora entendi como os EUA venceram a guerra!
  • Superboy (Número 14, outubro de 1979): De alguma forma bizarra o Superboy (ou seja, o próprio Clark quando adolescente) vai pro futuro e começa a lutar contra sua versão idosa por... por... só pra ter uma historinha pra contar.
  • Espectro (Número 29, janeiro de 1981): Na terceira de três histórias da revista interligadas após uma batalha contra o Mongul em seu Mundo Bélico, o Espectro teve que salvar o Azulão de morrer sem ar no espaço sideral, e ele nesse meio chegou até a encontrar com o próprio Deus Todo-Poderoso. É, acho que ele morreu mesmo...
  • Mulher-Maravilha (Número 32, abril de 1981): O Eros sacana faz o Super e a Maravilhosa acabem por se apaixonar pela primeira vez. Olha que bunitinho...
  • Shazam (Número 33, maio de 1981): De alguma forma os dois personagens trocaram de corpo e poderes, então imagina o desespero do Super ao se ver no corpo do seu plágio! Ah, no número 34 do mês seguinte ainda enfiaram o Hoppy, o Coelho Marvel no meio. Puta que pariu...
  • Coringa: (Número 41, janeiro de 1982): É... o Super teve que fazer uma aliança com o Palhaço do Crime, o Bobo, o Joker...
  • Soldado Desconhecido (Número 42, fevereiro de 1982): Povo tá fumando demais, o Super teve que tentar descobrir a identidade do carinha que mandou Adolf Hitler pro cemitério (quer dizer, só na DC né...)
  • Disque H para Herói (Número 44, abril de 1982): Até essa "equipe" de personagens toscos apareceu nessa revistinha...
  • He-Man (Número 47, julho de 1982): De alguma forma o Super foi parar em Etérnia e agora tem que enfrentar o garotinho com camiseta rosa que quando levanta a espada vira um cosplay do Manowar.
  • Clark Kent (Número 50, outubro de 1982): Sim... chegamos a esse ponto, em que o Super se encontra com seu próprio alterego...
  • Eléktron (Número 51, novembro de 1982): Aqui nem é o personagem encontrado o problema, e sim o fato que o Superman... MORREU nessa história. Como assim?
  • House of Mystery (Número 53, janeiro de 1983): O Super acabou sendo o novo azarado que vai ter de descobrir os mistérios do Caim, ou vai ficar de castigo na casa vendo ele matar o Abel trocentas vezes sem poder fazer nada.
  • Onda Aérea (Número 55, março de 1983): O primo homônimo do Hal Jordan (o Lanterna Verde), um herói que sinceramente ninguém se importa da existência dele;
  • Cavaleiros Atômicos (Número 57, maio de 1983): Ir pra um futuro distópico e ajudar seres usando armadura medieval montados em dálmatas genéticamente modificados deve ter sido algo que o Super nunca imaginou que iria viver...
  • Legião dos Heróis Substitutos e Besouro Bisonho (Número 59, julho de 1983): Além de ter que aguentar o Besouro Malucão (de novo aliás, ele já tinha encontrado ele quando ele estreou nos gibis como vilão da Patrulha do Destino umas edições antes), ainda teve que pajear essa equipe de manés rejeitados por todo mundo.
  • OMAC (Número 61, setembro de 1983): O OMAC sem querer vai parar na era presente e precisa da ajuda do Super pra poder proteger um zé ruela qualquer de ser morto pelo Exterminador do Futuro. Ou algo assim, eu não entendi direito.
  • Ametista (Número 63, novembro de 1983): Até no mundo de cristal o Super acaba parando, para viver um conto de fadas bem bizarro com a Princesa do Mundo de Cristal, Ametista. Não pense merda, seu bobinho!
  • Kamandi (Número 64, dezembro de 1983): Agora é o Super que vai parar num futuro distópico da porra com o sobrevivente loiro de O Planeta dos Macacos.
  • Papai Noel (Número 67, março de 1984... curiosamente era pra ter sido esse em dezembro não?): O Homem dos Brinquedos quer matar o Bom Velhinho e o Super vai ajudar o Santa Klaus Marx a mandar os presentes pras criancinhas.
  • Falcões Negros (Número 69, maio de 1984): Super de volta à Segunda Guerra Mundial, blá blá blá, tá cansando já esses enredos malucos.
  • Bizarro (Número 71, julho de 1984): As vezes cê tem que se juntar ao seu clone bizarro (literalmente) para proteger geral.
  • Heróis Esquecidos (Número esquecido 77, janeiro de 1985): Um monte de herói randômico enfrentando os Vilões Esquecidos, tão randômicos quanto. Pior que a história continua na edição do mês seguinte.
  • Clark Kent (Número 79, março de 1985): Porque uma vez só não é o suficiente, tem que lamber o docinho mais vezes.
  • Besouro Bisonho (Número 81, maio de 1985): Eu nem vou comentar nada desse encontro...
  • Monstro do Pântano (Número 85, setembro de 1985): Agora sim um encontro foda dos dois, tinha que ser o Alan Moore. Se bem que o Superman nem se toca direito que se encontrou com o verdoso, tava mais chapado que tudo...
  • Superboy Primordial (Número 87, novembro de 1985): O que dizer de um personagem criado só pra ver o planeta dele explodir? Genial...
  • Capitão Átomo e Nuclear (Número 90, fevereiro de 1986): O problema aqui nem é o Cabeça de Fogo, e sim o Capitão Átomo, já que essa versão é igualzinha a da época da Charlton Comics, ou seja, a essa altura, devido a Crise nas Infinitas Terras, essa história não fazia o menor sentido mais.
  • Quarteto Elástico (?) (Número 93, maio de 1986): Superman contra o Homem-Elástico, o Homem-Borracha, o Garoto-Elástico e um vilão aí de nome "Piroca Elástica" ou algo assim.

Se isso tudo não for suficientemente bizarro pra você, você deve ler gibis usando drogas pesadas, amigo...

Ver também[editar]