Crazy Jane

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
"CARALHO! Quem de mim eu sou agora?"

Cquote1.svg Você quis dizer: Ragged Robin Cquote2.svg
Google sobre Crazy Jane

Crazy Jane é uma das quarenta e dez personalidades da Kay Challis, uma personagem criada por Grant Morrison pro grupelho de heróis com probleminhas mentais Patrulha do Destino. Seu transtorno dissociativo de identidade é provavelmente o caso mais desgramado que já se viu desse tipo de doença, pois tal qual o Deadpool tem como superpoder um câncer que se autorregenera no corpo todo e falar com o leitor da HQ, a Crazy Jane tem seus superpoderes ativados justamente em seu transtorno de personalidades, além de falar sozinha direto.

Como surgiu[editar]

Durante a saga Invasão!, os alienígenas soltaram uma bomba para anular o metagene que confere poderes ao heróis e assim matar a todos eles (acabou que só matou um mesmo, um randômico qualquer que curiosamente também era da Patrulha do Destino na época em que a equipe tentava imitar seus imitadores usando todo mundo uniforme padronizado e panz - mas o muleque já tava pra morrer mesmo, com um puta câncer terminal). Mas a bomba, além de não matar praticamente nenhum personagem, ainda ressuscitou o Metamorfo, um herói que tinha dançado numa saga anterior chamada Milênio, e deu poderes para um monte de seres humanos por aí afora que nem imaginavam que tinham metagene. Uma dessas pessoas, olha só, foi a Crazy Jane.

O problema é que no caso dela, ela ganhou um tipo de habilidade diferente para cada uma de suas personalidades. Então a mina, que tava num hospício havia anos desde que passou por traumas diferentes na vida (quando criança foi estuprada pelo pai, que provavelmente era o Jigsaw antes de começar a matar pessoas, já que este sempre que estuprava a filhota colocava uma peça de quebra-cabeças juntinho dela - e mais tarde por um namorado FDP quando ela nesse tempo já se chamava Miranda e não Kay), acabaria recrutada para a nova Patrulha do Destino.

Depois de muitas aventuras loucas contra vilões sem sentido algum, como a Irmandade do Dadá e outros seres bizarros advindos de viagens no LSD do Grant Morrison dimensões toscas e completamente de foder a mente do ser humano normal, além de momentos de piração e retorno ao "normal", Crazy Jane despirocou de vez enfrentando um tal de Candlemaker, e aí foi pra um paraíso governado pela Danny a Rua. Só voltou depois de Novos 52 e eu nem me importo tanto com a nova versão, só que ela acabou aparecendo numa série interpretada por uma atriz gostosa pra caralho.

Poderes[editar]

Quando o baile todo se reúne na cabeça dela, sai de perto que vai dar merda!

Na verdade, quando se fala de "poderes" dela, tem que se falar de cada uma das personalidades dela. Vejamos pois algumas que sabemos já sua existência e importância (afinal, são SESSENTA E QUATRO né filho, nem o Grant tinha como botar essa porra toda na HQ):

  • Crazy Jane: É só a que supostamente manda em tudo lá, tem o poder de tentar manter essa merda toda sob controle (como se desse né...);
  • K-5: Supostamente a personalidade original da Kay, até hoje tem cinco anos de idade e tem o poder de ficar escondida pra caralho na mente dela pra ninguém a destruir;
  • Miranda: Jurado do Ídolos Originalmente a personalidade dominante, mas desde que a mesma foi estuprada numa Igreja Universal do Reino de Deus acabou traumatizada e "se matou". Só restou uma imagem horrenda que ninguém é autorizado a ver. O único poder dela hoje em dia deve ser o de dar mais medo em quem a vê do que aquele joguinho de Five Nights At Freddy;
  • Liza Radley: Supostamente a personalidade "normal" dela, que só aparece de vez em nunca, e tem o poder de amar e fazer a Crazy Jane ficar menos Crazy;
  • "Papai": A mina é tão doente que criou uma personalidade pro próprio pai Arthur, o abusador filho da puta. Ele tem formato meio insetóide e seu poder é matar as outras personalidades se ele for liberado na mente dela;
  • Maquinista 8: Em caso de alguém por um acaso entrar na mente da Kay, precisa da Maquinista 8 pra se guiar dentro do labirinto do caralho que é esse cérebro. Pronto, já disse a habilidade, próxima;
  • Black Annis: A personalidade que mais odeia homens da Kay, é uma porra louca com cara do demônio e com garras de Wolverine pra cortar todos os pênis do mundo;
  • Baby Doll: Uma personalidade infantil que só gosta de brincar. Único poder dela é encher o saco de todos;
  • Vadia Escarlate: Uma estranha personalidade que aparentemente nasceu ao longo da série, como o nome sugere, tem o superpoder de dar a buceta pra todo mundo;
  • Baby Vadia: Uma fusão diabólica das duas de cima, o que me faz pensar que o Grant Morrison tava com crises de pedofilia quando pensou nessa porra;
  • Penny Peidona: Essa tem só o poder de se esconder sempre que uma coisa tá ficando fodida. Chega a ser uma merda quando a Crazy troca do nada de personalidade pra essa covardona;
  • A Filha Bonita do Carrasco: Tem um poder bem bizarro de transformar todos os quadros que ela pinta em formas vivas. Imagina ela pintando A Persistência da Memória e o mundo todo começa a derreter...
  • Cérebro Chuvoso: Tem o poder de ficar imaterial o tempo todo, ou seja, tocar nela é impossível nessa forma;
  • Flit: Ela liga o modo Noturno dos X-Men e fica fazendo teleporte o tempo todo;
  • Mamãe Pentecostes: Ela vira um decifrador de enigmas maluco. Nem um cubo mágico de 256 peças seria o suficiente pra ela;
  • Pai-Sol: Ela fica com um sol no lugar da cabeça e dispara bolas de fogo para todos os cantos;
  • Ninguém: Apesar do nome, essa tem um poder de farejar a presença de qualquer coisa. O porquê então desse nome pergunta ao Grant Morrison e eu sei lá;
  • Lucy Fugue: Tem o corpo todo radioativo, mas na realidade o poder dela é gerar vibrações sônicas. É, o bagulho tá piorando cada vez mais;
  • Cabeça-de-Martelo: Único superpoder que tem é ficar pistola com todo mundo e sair batendo em geral sem motivo algum;
  • Jenny Giratória: Único superpoder que tem é gritar de medinho com as situações ruins. Mais uma personalidade que se aparecer, fodeu Bahia!
  • Katy Flamejante: Quase a mesma merda que a Pai-Sol, só que aqui ela faz fogo mesmo com as mãos e uma caixa de fósforos, sendo portanto uma piromaníaca desgraçada;
  • Bomba Sexual: Outra com poderes de ficar querendo dar pra todo mundo. Criatividade deve estar indo embora ou é o Grant com alguma sodomia com gente maluca;
  • Stigmata: Tem o poder de ficar sangrando por todos os poros e não só pela buceta;
  • Lady Púrpura: A Christine de Siouxsie and the Banshees no mundo das HQs, só fala de vez em nunca e supostamente consegue prever o futuro. Convenientemente pouco fala, igual à Mãe Dinah, que quando vinha falar de uma previsão já fazia uma semana que tinha rolado a merda;


E mais um monte de outras, como uma que só gosta de brinquedos sexuais, outra que faz poesias mais insanas que as da turma da Semana da Arte Moderna, uma que é um espantalho vivo, uma que acha que nada é real, uma que acha que é uma cenobita de Hellraiser, uma que gosta de pular corda e consegue dar saltos gigantes por isso, uma que é a tua mãe (a mais puta das personalidades) e uma que... pasme... é TRIPARTIDA, ou seja, é uma personalidade que na verdade são três ao mesmo tempo, numa Trindade nada divinal.

Curiosidade mórbida[editar]

O nome da personagem advém de uma pintura de um tal de Richard Dadd que depois de pintá-la acabou indo parar no hospício. Também advém de uma série de poemas de William Butler Yeats, só que a personagem que dá nome a todos eles, Crazy Jane, sempre faz ou se envolve em algo novo e completamente randômico, igual às profissões do Seu Madruga. Talvez daí o Grant teve a ideia de fazer ela uma polivalente com múltiplas personalidades, mas que tal qual o pato, pode voar, nadar e andar, mas não faz nenhuma das três coisas direito.

v d e h
Bem-vindo à DCclopédia!