Carrapicho

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Dalto.jpg Este artigo é coisa de artista de um hit só!

Se você conhece outra música desse artista, você deve ser um fã muito doente ou alguém da família dele. O mundo já foi pequeno demais pra nós dois..

Conheça outros esquecidos aqui.

Platéia vazia.jpg Please STOP the music!

Este artigo trata de cantores, bandas ou músicas cantadas muito, mas MUITO mal.

Plantas que engancham na pele
Banda Carrapicho.jpg
Timbalada da Amazônia
Origem Manaus, Amazonas
País Casa de Praia dos Portugas
Período 1978-2002 / 2007 - até hoje
Gênero(s) Toada Comercial, seja lá o que esse estilo significa, semi-axé
Gravadora(s) Ninguém liga pra uma porra dessas
Integrante(s) Zezinho Corrêa (via mesa branca) e um monte de dançarinas recusadas pelo Faustão
Ex-integrante(s)
Site oficial Tem não, o boi balançou e sumiu


Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: Plantas do gênero Acanthospermum Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Carrapicho

Carrapicho é uma banda folclórica da floresta amazônica que deveria só aparecer no festival de Parintins, mas que sei lá como caralhos deixou pra trás (ou quase isso) o Caprichoso e o Garantido e conseguiram fama dentro do Brasil e até em outros países (já que o mundo adora ver essas coisas exóticas que o Brasil produz, tipo jogadores de futebol pretos, apresentadoras de programas infantis gostosas, bandas de rock que tocam macumba misturado e o mais importante culturalmente pro país, mulheres bonitas que conseguem fazer contorcionismos em cima de uma vareta de carne humana...

Grandes sucessos[editar]

Olha, grandes sucessos não seria bem a palavra, já que, mesmo existindo desde 1978 como quase uma agremiação puramente carnavalesca (e, como Parintins não é na época dessa festa, é carnaval fora de época mesmo), ninguém dava um puto sequer pra esse bando de gente com roupas bizarras que pareciam uma cruza de gente vestido pra cantar "vamos brincar de índio" da Xuxa com dançarinos africanos usando penas de flamingo ou de avestruz.

Mas aí vieram os anos 1990, década propensa a gerar os hits mais sem noção possíveis, e eis que em 1993 surgiria "Tic, Tic Tac", que poderia ter sido propaganda daquela bolota refrescante que prometia duas horas de frescor, mas que nem cobria o buraco de cárie de ninguém, mas como ainda não existia essa porra nesse ano pelo Brasil a venda, acabou meio escondidinha. Porém como fazia sucesso pelos festivais lá, mais que samba-enredo do carnaval carioca, em 1996 do nada essa porra ganhou videoclipe que tocava até na MTV americana, e aí já sabe, geral batendo forte o tambor e querendo tic tic tic tic tiquetaaaaaaaaaar...

Mas obviamente, como todo mundo que toca apenas um mísero hit que preste (ou, nesse caso, que NÃO preste), a banda virou só uma atração bizarra do país depois do estouro de 1996, vivendo eternamente desse sucesso tosco, e que só se perpetuou mesmo em outros países, que adoram ver coisas toscas advindas do Brasil - principalmente se tiver dançarinas seminuas no processo -, porque no Brasil mesmo, se pá nem em Parintins mais alguém ouve essa porcaria que até tentou ficar grudada igual carrapicho nos ouvidos de geral, mas que hoje em dia se alguém lembrar dessa porra com saudosismo é só um boomer com um gosto musical horroroso mesmo.

Ver também[editar]