Cabocla

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Rede-GROBO.png PLIM! PLIM! Este artigo é uma coisa da Rede Globo de Manipulação! Esta página pode estar mencionando alguma novela clichê que sua mãe gosta, algum pseudo-ator rouaneteiro ou algum comunista de boteco que se diz jornalista. Para mais coisas relacionadas ao Projaquistão, clique aqui.
Cabocla
CABOCLA~1.JPG
Logotipo da Abertura
Origem Bandeira do Brasil Brasil
Emissora Rede Globo
Autor
Tema Caboclice
PROTAGONISTAS
Artistas
  • Vanessa Giacomo
  • Daniel de Oliveira
  • Malvino Salvador
  • Cláudio Galvan
  • Especiais
    Outros Ninguém
    PERSONAGENS
    Vilões
    Bonzinhos Zuca
    Mais Idiota
    Mais Esperto
    NOVELA
    Maior Drama
    Mistério(s)
    Moral
    Influência Cabocla original
    Inspiração Hábitos dos camboriuenses


    Cquote1.svg Você quis dizer: Cala a Boca? Cquote2.svg
    Google sobre Cabocla
    Cquote1.svg Você quis dizer: Com a boca? Cquote2.svg
    Google sobre Cabocla
    Cquote1.svg Ocê vai 'apanhá' e passar o noite inteira com essa bunda na 'sarmora'!! Cquote2.svg
    Sinhá Bina ameaçando Zuca
    Cquote1.svg Dois solteiros no mesmo quarto é pecado, uai! Cquote2.svg
    Seu Vigário sobre Zuca ficar no mesmo quarto de Luís
    Cquote1.svg Não bastava aquele moleque ser um frangote, atrevido, molecote, galinho de briga, ainda por cima é filho do Justino!!! Cquote2.svg
    Coronel Boanerges elogiando Neco
    Cquote1.svg Mai-mai-mais larga de atrevimento ocês dois, ou vão 'apanhá' de chicote! Cquote2.svg
    Dona Emerenciana flagrando Belinha e Neco no matagal
    Cquote1.svg Ele é um burro chucro!!! Cquote2.svg
    Coronel Justino se referindo a Tobias
    Cquote1.svg Pelo menos eu num sou um veio 'porqueira'!! Cquote2.svg
    Resposta de Tobias sobre comentário acima
    Cquote1.svg Minha filha é que devia ser a Zuca, não essa songamonga que não passa de uma iniciante Cquote2.svg
    Glória Pires sobre Vanessa Giácomo
    Cquote1.svg Posso ser uma songamonga, mais num fui eu que comecei 'trabaiando' com o Chico Anysio! Cquote2.svg
    Resposta de Vanessa Giácomo sobre comentário acima
    Cquote1.svg Yo era una puta del Rio de Janeiro, pero cuando Luís apareció en mi vida, todo se cambió Cquote2.svg
    Pepa sobre Luís
    Cquote1.svg Meu filho é um vagabundo! Pra piorar, é o único filho que tenho, meu único desgosto! Cquote2.svg
    Jerônimo elogiando seu filho Luís
    Cquote1.svg Zuca, você não sai da minha cabeça Cquote2.svg
    Luís para Zuca
    Cquote1.svg E ocê num sai do meu coração Cquote2.svg
    Zuca para Luís
    Cquote1.svg Ai ai, Belinha! Cquote2.svg
    Neco batendo uma pensando em sua amada: Belinha
    Cquote1.svg Não sei se caso com o Neco ou com o Gustavinho, acho que eu vou ficar com os dois Cquote2.svg
    Belinha nos tempos da puberdade

    Cabocla (também chamada de Pantanal 2004) é uma novela brasileira produzida pela Rede Globo feita para entediar mais ainda alegrar as pessoas que estavam na situação caótica do trânsito às 18h da tarde.

    Sinopse[editar]

    Luís Jerônimo (conhecido também como "Jerominho") é um almofadinha que vivia vadiando pelas praias de Copacabanda bebendo, fumando, traficando, estuprando, sambando, vomitando, cheirando, cagando e chorando no auge da bebedeira. Por levar essa vidinha medíocre teve um ataque cardíaco, mas sobreviveu, tendo de lembrança uma fumaceira danada nos pulmões, causando uma menstruação pulmonar. Para tentar se curar da mazela, arrastou a bunda até a cidade capixaba de Vila da Mata (terra natal da cantora Vanessa da Mata), e bastou apenas uma noite no único motel da cidade para se excitar encantar com Zuca, uma caboclinha desleixada delicada que vive com os pés no chão e é afilhada de seu primo, o irreverente e estressado Boanerges. Nessa mesma noite, Jerominho bateu uma pensando na cabocla, mas havia um problema: Zuca-chuca estava noiva do cão de guarda peão Tobias, um cara que tem um ciúme obsessivo por Zuca (cuidado!) e é forte e bravo como um touro (no fim ele fica realmente parecido com um touro, quando ganha um par de chifres). A cidade de Vila da Mata conta também com a guerra de dois coronéis hippies, Justino e Boanerges, que fazem guerra com braço e arma para conseguir o poder dessa cidadezinha que é praticamente esquecida pelo Governo do Espírito Santo e pelo Governo do País todo. Em meio a essa briga de dois caipiras veios, o filho de Justino, Boneco Neco, e a filha de Boanerges, Abelhinha Belinha, se apaixonam e vão ter de lutar muito por esse amor, por causa da rivalidade dos pais, formando a história de "Romeu e Julieta" na versão caipira.

    Ainda tem a sonsa ingênua Mariquinha (ui!) que é apaixonada por Tobias que não paga nem um boquete por ela, pois ele ainda ama a Zuca, que ama Luís, formando um quadrado amoroso, enquanto Tina vive um triângulo amoroso com Tomé e sua irmã, Rosa. E pra terminar (finalmente!), tem a Pepa, uma prostituta e dançarina de tango que veio do Paraguai para viver pagando boquete no viveiro de piranhas do Rio de Janeiro e se apaixonou por Luís (mentira! Ela se apaixonou apenas pelo dinheiro dele) e foi até Paudalho buscar o doutorzinho tuberculoso, da qual ela vulgarmente o chama de "mi matador".

    Elenco[editar]

    Vanessa Giácomo - Zuca
    Daniel de Oliveira - Luís Jerôôôôônimoooooooo...
    Tony Ramos - "Coroné Boanérgi" (esquentadinho da novela)
    A Ângela da Novela das 11 - Emerenciana
    Regiane Alves - Feinha Belinha
    Danton Mello - Boneco
    Mauro Mendonça - "Coroné" Justino (outro que quer ver a caveira de Boanerges)
    Elena Toledo - Pepa (la paraguaya de la novela)
    Malvino Salvador - Tobinhas Tobias
    Carolina Kasting - Mariquinha (traveca operada)
    Jussara Freire - Siá Bina (pois toda novela rural que se preze precisa ter uma "siá" ou uma "Dona Benta" qualquer. Mas foda-se...)
    Eriberto Leão - Tomé (esse não acreditou nem vendo!)
    Vera Holtz - Generosa
    Aisha cor de Jambo - Ritinha
    Cláudio Galvan - Chico da Venda (afinal, toda novela roceira tem que ter uma "venda")
    John Herbert - Vigário Gabriel (ah... toda novela ambientada na roça também precisa ter um vigário ou qualquer caralho que o valha)
    Maria Estrume Flor - CreTina
    Umberto Magnani - Chico Bento (não, não era o dos quadrinhos do Seu Sousa)
    Roberta Rodrigues - Julieta (tava falando de Julieta lá em cima, mas há uma na novela de verdade)
    Vanessa Gerbelli - Rosa aberta

    Trilha sonora[editar]

    Vem recheada de merdas pérolas do sertanojo sertanejo de raiz, tais quais as 15 abaixo:

    1. Nosso Amor que Se Fode - Zezé Di Caralho Duro & Ziluciano (tema de Neco passando a mandioca em Belinha)
    2. Você, o Amor e Outro Cara (Tô Fora) - Cleiton'a (com n no final) & Camargo (tema de Tomé)
    3. Não Floresce - Riobranco & Solaranjas (tema de Generosa, se insinuando nua na mata à noite)
    4. Outro Lugar - Milton Nascimento (música não-sertaneja que é MPB que é tema de Mariquinha, que é do sexo feminino)
    5. Sertaenoja - Ivana Lins (outra música não-sertaneja que também é MPB e é tema do Tobinhas querendo gozar lá na da Zuca)
    6. História dos Peitão - Roberta Miranda (única mulher que canta no meio da macharada do CD o tema da Emerenciana)
    7. Amora Campana (de Sangue Bom, lembra, a it girl?) - Renato Queijo Ralado Teixeira (tema da Zuca no cio)
    8. Manhã Chuvosa - ROLAndo Boldrin (tema de ninguém)
    9. "para dormir a fronha: madrigal..." - Lazza (quem?), Schiavon & Deluqui (abridura. Ninguém conhece os três)
    10. Estação Santo Amaro, Acesso à Linha 5 do Metrô - Caetano Veloso & Flávio Venturini (tema de Zuca se esfregando em Luís, com o clássico trecho "Nós somos rainha e rei", cantado em dueto por Caetano e Venturini. Ui, que meiga!)
    11. Sem Palavras - Marlon que ficou de mal com seu bofe, Maicon (tema de CreTina, pensando em macho)
    12. Riacho Tietê - Riachuelo & Renner (tema de Chico da Venda comendo Ritinha)
    13. Meu Pangaré Pé-de-Pano - Pinga ni Mim (tema do invocadinho Boanerges)
    14. O Trem Descarrilhou - Teodoro Sampaio com Cardeal Arcoverde (idem 8)
    15. Benzina - Almir Sater (música instrumental que nunca tocou, apenas serve para enfeitar o CD)

    Tema de abertura[editar]

    • Madrigal - Lazza, Schiavon & Deluqui

    As partes negritadas correspondem ao trecho executado na abertura de Cabocla.

    Quando a luz do sol invade o céu
    Ilumina a pele de mulher
    E o topo da montanha de cristal
    Acendendo a terra até o luar

    Água nasce e corre
    Vai serpenteando
    Por entre a mata verde
    Saciando a sede

    Essa beleza e muita paz
    Cabocla o que preciso
    Só você é que me traz
    Pura beleza e muita paz
    É o que quero e aqui
    Contigo eu vou ficar

    Lenha queima e canta uma canção
    Dando à vida graça natural
    Nuvens cor-de-rosa enfeitam o lar
    Da moça com sorriso sem igual

    Como vou dizer
    Que um raio de luar
    Não brilha mais do que
    A luz que vem do seu olhar…