Betão

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Ebert Willian Amâncio
Betão.jpeg
Betão, o símbolo de uma era
Apelidos Big Beto
Nascimento 11 de novembro de 1983
São Paulo, SP
Nacionalidade Bandeira do Brasil Brasil
Posição Zagueiro-zagueiro
Mole nas divididas
Estilo de Jogo Faz porra nenhuma em campo, mas é aquele coach que durante a partida fica gritando "bora, bora jogar"
Influências Zelão, Thiago Silva
Vícios Pipocar em clássicos, exceto em um bem específico

Ebert Willian Amâncio, que por alguma razão recebeu o apelido de Betão, é um zagueiro-zagueiro brasileiro, um botineiro que fez história ao comandar o pior miolo de zaga da história do Corinthians, tão ruim que foi o motor que conduziu a equipe paulista ao rebaixamento no Brasileirão em 2007, e isso em um campeonato recheado de equipes abaixo da linha da mediocridade. Cria do terrão, Betão formou dupla com uma caralhada de zagueiros na batalha contra o descenso, atuando ao lado de outros ícones como Zelão, Fábio Ferreira e Fábio Braz, mas não conseguiu jogar bem com nenhum deles, talvez porque o problema seja ele mesmo, e não os outros.

Carreira[editar]

Corinthians[editar]

Apesar de ser ruim, bem ruim mesmo, Big Beto conseguiu ficar sete anos no elenco profissional do Corinthians, pra você ver como o rebaixamento poderia ser previsto muito antes de acontecer, e nem precisaria ser Mãe Dinah pra isso. Betão estreou na equipe paulista em 2001, com apenas dezessete anos, já fazendo merda em sua primeira partida, que foi contra o Atlético Mineiro, mas ainda não sendo muito criticado por ser jovem e, teoricamente, ter futuro.

Apesar de ser um zagueiro bem mais ou menos, Betão aos poucos foi adquirindo a titularidade, pois o Corinthians antes de Mano Menezes e seu ferrolho, sempre teve dificuldades para montar linhas defensivas que prestam. Assim ano vai, ano vem, e Betão continuava sendo considerado o xerife da defesa corintiana, até por isso a equipe paulista conseguia ganhar porra nenhuma de importante e continuava levando nabo de todos os rivais estaduais, especialmente do São Paulo, e sempre ficava do meio pra baixo na tabela do Brasileirão, não chegando nem perto de conseguir beliscar uma vaguinha na Libertadores, no máximo uma Copa Sul-Americana onde acabava levando nabo, agora das equipes estrangeiras.

O mito Betão marcando o semidesconhecido Samuel Eto'o.

Em 2007, enfim veio a grande glória e o momento mais marcante da carreira de Big Beto. Com o Corinthians não conseguindo vencer o São Paulo há quatro fodendos anos, e jogando no esquema 11-0-0 para não perder de muito, em um lance de bola parada, eis que Betão aparece na pequena área para empurrar a bola para as redes de cabeça e enfim quebrar o tabu histórico. Ignoremos o fato de que naquele ano, o São Paulo foi o campeão brasileiro, e o Corinthians de Betão foi rebaixado vergonhosamente na pior campanha de sua história, conseguindo ficar atrás de times horríveis como o Goiás e o Náutico.

Pós-Corinthians[editar]

Após ser rebaixado com o Corinthians e virar o símbolo daquele momento histórico, Betão mostrou sua lealdade a equipe que o revelou, assinando com o Santos por três anos, provando que ainda existe bobo no futebol. No alvinegro praiano, Betão fez um caminhão de merda, e o seu momento mais marcante por lá foi quando ele acertou um cruzado em Herrera, após o atleta do Corinthians se ajoelhar nas costas dele após sofrer uma falta.

Por Betão não acrescentar nada ao elenco, o Santos logo deu um jeito de se livrar dele, o vendendo para o Dínamo de Kiev, equipe onde Betão ficaria por sete anos, pois apesar de ser ruim, ele estava comendo o técnico e garantindo assim a sua vaga como titular. Na Ucrânia, Betão não deixa saudades, pois o máximo que fez foi distribuir pancadas nos adversários, o que até os ajudava, já que a dor acaba amenizando o frio de quem está jogando no meio da neve.

Depois disso, Betão estava namorando com a possibilidade de virar um jogador cigano, passando rapidamente pelo Évian da França e pela Ponte Preta, porém após se acertar com o Avaí, ele ficou botinando lá por quatro anos, e até virou o capitão do time catarinense nesse meio tempo. Após vencer seu contrato, Betão desapareceu, provavelmente se aposentou e está aproveitando a grana que ganhou na carreira para comer gente.