Aslaug

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Viking.JPG Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!

Aslaug tomando um bronze no calor de 10º da Escandinávia (tirem as crianças da sala)

Aslaug, apesar de pronunciar-se Oslo, foi uma rainha lendária da Suécia-Dinamarca e vidente gostosa nas horas vagas, pioneira da psicografia. Nunca foi uma militar per se, mas só de aturar o maridão Ragnar Lodbrok e parir cinco filhos dele, já era uma guerreira e tanto.

Juventude[editar]

Segundo a Ragnars saga loðbrókar (quê?), Aslaug, também chamada de Aslög, Kráka, Kraba or Randalin (porra, tudo a ver uns nomes com outros) era filha dos também épicos Siegfried e Brunilda, o que já garantia uma vida fora do normal. Após o passamento de seus pais, lendários demais para este mundo, Aslaug passou para o pai adotivo de sua mãe, Heimer.

Preocupado com a segurança da garota, pois criar uma guria com superpoderes não era nada fácil, Heimer desenvolveu uma estratégia que só poderia fazer sentido em lendas mesmo. Construiu uma harpa gigante, suficiente para Aslaug caber ali e virou um músico peregrino, sempre carregando a coitada a tiracolo, coisa que garantiria a ela ter problemas de coluna por toda a vida.

Numa dessas aventuras a dupla passa por uma currutelinha na Noruega, onde pernoitam na casa de um casal de camponeses famintos. Nunca tendo visto um troço daquele tamanho na vida, deduzem haver riquezas ali. O casal resolve então matar Heimar enquanto ele dormia e pegar o ouro, mas a ganância foi tanta que nem conferiram o que havia ali de fato. Quando quebraram a harpa só encontraram Aslaug, ou seja, mataram o coitado à toa. Aí fodeu, tiveram de adotar a guria como deles e para protegê-la da inveja das mulheres mais feias da vila, a disfarçam esfregando alcatrão em seu corpo, tal qual o Gugu Negro.

A vida com Ragnar[editar]

Aslaug tinha uma cara de potranca que era o xodó de Ragnar

Porém, até o Gugu Negro um dia tem que tomar banho. E ao tirar o futum se lavando num riacho ali perto, Aslaug foi avistada por soldados de Ragnar Calças Peludas, a coitada não tinha um dia de paz mesmo. Como eram gados demais, deixaram o pão que assavam queimar no forno espiando-a; quando o faminto e putasso Ragnar demanda uma explicação, eles o apresentam Aslaug.

Aslauga tinha fama de mulher inteligente. Afim de testar se ela era tudo isso mesmo, Ragnar propõe que ela vá até ele "nem vestida nem pelada, nem faminta nem cheia e nem sozinha nem acompanhada". Qualquer outra fritaria o cocuruto pensando nisso, mas Aslaug não era qualquer uma. Chegou ali trajando uma rede, tomando um sorvete de cebola (putz, imagina o bafo na hora de beijar) e acompanhada de um cachorro caramelo.

O viking então se apaixonou de vez, ela de fato era isso tudo. Pediu Aslaug em casamento e a mesma aceitou, afinal agora seria uma rainha e não mais teria que passar piche na pele. Com Ragnar teve cinco filhos, todos tão lendários quanto a mãe e tão cabra-omis quanto o pai: Ivar Sem-Ossos, Björn Braço de Ferro, Hvitserk, Haldano e Sigurdo Serpente-no-Olho (há quem diga que Ubba também é dela, mas há controvérsias).

Aslaug e Ragnar reinaram felizes, pelo menos até ele morrer infamemente naquele poço de cobras. Já ela continuou por uns tempos de suplente e faleceu velha, deixando a Suécia para Björn, a Dinamarca para Sigurd e a Inglaterra para Ivar. O que, achou que Aslaug tinha morrido com flechada nas costas por uma rival, como uma coitada qualquer? Isso é coisa de série da Netflix com tanto compromisso com a história quanto os filmes do Mel Gibson. Respeitem as cores!!

Ver também[editar]

Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!