As Aventuras de Tiazinha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Logo band pacman.GIF As Aventuras de Tiazinha é uma coisa da Band, portanto também aparece na Rede 21. Esta página pode estar mencionando algum programa culinário com o Jacquin, alguma igreja evangélica ou analfabetos que acham que entendem de futebol, digassi di passagi garotinho. Clique aqui para ver mais coisas mal-feitas.

As Aventuras de Tiazinha foi um delírio coletivo que ocorreu entre os dias 4 de outubro de 1999 a 3 de junho de 2000. Tentativa frustrada de lançar a gostosa Suzana Alves na carreira de atriz, o seriado não alcançou os índices de audiência esperados, sendo cancelado após 150 episódios. Parece bastante coisa, mas acontece que cada um durava apenas 15 minutos, menos do que a participação de sua protagonista Tiazinha quando ela depilava moleques tarados no Programa H.

O programa[editar]

A heroína Tiazinha se preparando para combater o mal.

O projeto original era bem mais ousado do que aquele que foi aprovado, e teria episódios de 50 minutos. No primeiro esboço de roteiro, Suzana Alves não interpretaria sua célebre personagem Tiazinha, e sim uma super-heroína chamada Tiá que lutaria contra o vilão Klaxtor, um nerdão recalcado que pretendia usar sua inteligência para dominar o mundo. Ela teria um sidekick chamado Alex e adotaria a identidade secreta da fotógrafa indígena Ditiara. Era um enredo de merda cheio de clichês? Sim, mas pelo menos Suzana conseguiria fugir de ser associada somente à Tiazinha. Pena que a Band não gostou da versão apresentada e mudou toda a equipe de produção para refazer a série...

A nova versão, que foi a exibida na televisão, conseguiu ter uma história ainda pior. Suzana agora interpretava a pobretona Su-013, que foi criada no orfanato das Chiquititas acreditando ser órfã, quando na verdade a instituição era dirigida por seu pai. Revoltada, aos 9 anos de idade ela foge para a lua em uma nave espacial e lá recebe um treinamento especial que a transforma na heroína Tiazinha. Nas horas vagas, trabalha de caixa em um mercado, até ser encontrada por Brad, um cientista louco que tem sua mente transferida para um computador antes de morrer e torna-se seu mentor. Aos 18 anos, Tiazinha passa a viver na cidade fictícia de Tronix (uma fusão entre Rio de Janeiro e São Paulo) e vira uma famosa apresentadora de telejornal, sem deixar o combate às forças do mal de lado quando necessário.

O motivo do fracasso da série não foi o roteiro fraco, os (d)efeitos especiais podres ou a interpretação canastrona dos atores. O verdadeiro motivo foi o figurino comportado usado por Tiazinha, que passava longe das lingeries sensuais que ela usava no H. A mudança ocorreu para que a série fizesse sucesso entre o público infantil, mas quem realmente queria assistir eram os fãs punheteiros da personagem, que não demonstraram interesse em vê-la usando roupa. Uma nova temporada reformulada chegou a ser cogitada, resgatando as raízes da Tiazinha original, que desta vez trabalharia como depiladora em um salão de beleza. A ideia acabou não indo para frente, pois os produtores torraram a verba da Band na primeira temporada e não sobrou porra nenhuma para a segunda, então a emissora vetou a continuação. Para surpresa de ninguém, a carreira de atriz de Suzana Alves também foi para o ralo, mesmo com ela tentando fazer novela depois no SBT.

Ver também[editar]