Alone in the Dark

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Searchtool.svg Este artigo fala da série de jogos, se procura pelos jogos específicos consulte Alone in the Dark (1992) e Alone in the Dark (2008)
Virtualgame.jpg Alone in the Dark é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, um narrador grita FORTEBOOMBA!!!!.

Sozinho dentro do Escuro
Forever Alone in the Dark.png
Logotipo da série
Gênero mais comum Cagaço Simulator
Desenvolvedor atual Eden Games
Publicador atual Atari
Plataforma de origem PC fudido
Primeiro lançamento F.E.A.R. 1 (1992)
Último lançamento Alone in the Dark: Illumination (2015)

Alone in the Dark é aquela típica série de jogos que os gamers falam bem só para parecerem descolados e entendidos acerca da história dos videogames, mas que na real só tem jogo tosco e foleiro que ninguém aguenta jogar nem 5 minutos antes de ter um derrame cerebral. Todos os jogos da série são considerados do gênero survival horror por sua capacidade de fazer os jogares molharem as calças, tudo graças aos gráficos abominavelmente horríveis dos games a ponto de fazer com que o jogador dê uma marretada na tela da TV para só assim acabar com o sofrimento de ter que jogar essas porras.

Aliás, ninguém nunca entendeu o motivo do nome da série no começo, pois apesar do nome "Dark", os três primeiros jogos eram tão coloridos e exibiam combinações de cores tão grotescas quanto o episódio secreto do Porygon. Isto só foi corrigido em Alone in the Dark: The New Nightmare, um jogo escuro que não dá pra ver nada.

Jogabilidade[editar]

Desenvolvedores do primeiro jogo.

O Alone in the Dark raiz e original são aqueles Alone in the Dark toscos e quadrados, com o resto sendo considerado inexistente pelos fãs da franquia (os que ainda não morreram de velhice), sendo jogos focados no puzzle e em coisas macabras, como gráficos macabros e jogabilidade macabra de tão truncada.

Os jogos de Alone in the Dark são reconhecidos por terem sidos copiados na cara dura por Resident Evil e Silent Hill e depois por ter sido superado por essas franquias que souberam inovar e evoluir. Alone in the Dark com sua jogabilidade de andar travadão em lugares mal assombrados se tornou refém da tosquice que foi aquele Alone in the Dark de 1992, um jogo que é uma porcaria mas que as pessoas falam bem por obrigação só por causa do pioneirismo, daí precisam lançar mais jogos como aquele os quais obviamente são todos uma merda de travados e ninguém compra, criando essa espiral de fracasso que fez a franquia sumir.

Jogos[editar]

  • Alone in the Dark (1992) - Jogo antigo no qual devemos enfrentar monstros de papelão numa mansão mal assombrada onde controlamos um senhorzinho bigodudo, barrigudo e porradeiro que precisa entender o que diabos é aquela galinha assada de 1 metro que as vezes aparece tentando te matar, e isso porque ele era só um detetive que foi contratado para encontrar um piano. O jogo destaca-se por sua incrível jogabilidade de combates malucos emulando briga de bêbado e pela lerdeza total e absoluta da movimentação dos personagens.
  • Alone in the Dark 2 - Jogo que manteve o mesmo modo de produção do primeiro da franquia, desenhos feitos no Paint, apostando portanto na mesma fórmula de sucesso do jogo anterior, infelizmente o que os produtores não sabiam é que o sucesso do primeiro título foi justamente por ser um negócio trash, mas repetir a mesma coisa causou apenas vergonha alheia e o fracasso de vendas de jogo. A história do jogo ocorre 3 meses após o primeiro título, agora o protagonista tirou o bigode e vai investigar outra casa mal assombrada, dessa vez com zumbis que dão tiro e que são governados por uma gótica pedófila. Neste jogo você perambula por uma casa de piratas fantasmas que são sugados pelo chão depois de mortos, além de você poder se disfarçar de Papai Noel e ser perseguido por tridentes voadores.
  • Alone in the Dark 3 - Trazendo os mesmos gráficos cagados do jogo anterior, é praticamente um spin-off de tão nada a ver, pois agora acontece no faroeste. O destaque desse jogo são as botas do protagonista, feitas de aço, pois cada passo parece uma explosão. Aqui os oponentes são tem cowboys filhos da puta imortais que vivem bloqueando seu caminho, e como costume, qualquer merda que for feita, game over, além de possuir um intenso realismo, onde manequins anões atiram com buquês e violinos.
  • Alone in the Dark: The New Nightmare - Após alguns anos sem novos jogos toscos, uma empresa qualquer e sem relevância comprou os direitos de Alone in the Dark para lançar uma versão tosca só que com gráficos melhorados, além de dar residentevilzada no jogo, o que inclui cachorros zumbis e uma história dividida em dois personagens, sendo eles Chris ou Leon Edward e Jill ou Claire Aline. Outro aspecto elogiável desse reboot é o fato do jogo ser insuportavelmente escuro, finalmente dando sentido ao nome "Dark", trazendo toda a dificuldade em explorar uma ilha infestada de monstros duros e feios, além de ter quebra cabeças super complexos, onde tudo o que você precisar fazer e puxar uma pitoca alavanca para destravar quadros. Edward agora deixou de ser um tiozinho e virou um roqueiro caçador das sombras que precisa vingar seu amigo que queria uma pedra de indígenas, tudo enquanto precisa matar os mesmos inimigos de novo e de novo, já que o respawn de inimigos é realidade nesse jogo. A outra personagem é a Aline, que destaca-se apenas pelo jeans que veste que só serve para realçar sua bunda.
  • Alone in the Dark (2008) - Um simulador de quebradeira de porta que trouxe à série gráficos renovados, mas mantendo o espírito de ser um jogo extremamente tosco ao ponto de ser injogável e insuportável de zerar. Dessa vez controlamos um personagem com artrose, por isso ele pula tão mal, enquanto precisa lidar com o clichê de ter perdido a memória e tentar descobrir porque ele virou um piromaníaco.
  • Alone in the Dark: Illumination - Apenas um Left 4 Dead, só que chato, lento e bugado tentando trazer um multiplayer cooperativo sem história. Não há notícias de pessoas que tenham jogado essa porra.

Filmes[editar]

Com uma série inteira de jogos extremamente toscos, não havendo um único jogo mediano sequer, o diretor Uwe Boll viu a chance perfeita de lançar um filme trash toscão sem que ninguém pudesse reclamar, pois estaria se mantendo fiel ao material original. Assim surgia Alone In The Dark - O Despertar do Mal, um filme que foi criticado como o pior filme que já existiu na história do universo. É por filmes assim que não temos contatos rotineiros com alienígenas, pois eles têm medo que mongolice seja contagiosa.

Depois do grande pequeno sucesso do primeiro filme, a Atari (Não era Infrogrames? Mudou e eu não fiquei sabendo?) lançou outro título: Alone in the Dark: O Retorno, também dirigido pelo genial diretor Uwe Boll, já muito famoso por sua extremamente bem-sucedida adaptação do jogo House of the Dead para o cinema, resolveu continuar sua carreira fazendo mais bosta ainda. O resultado foi de um sucesso arrasador, que quase rendeu a Uwe Boll uma condenação à prisão perpétua pelo Tribunal Internacional de Haia.

v d e h
Alone in the Dark logo.png