Alan Jones

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Alan Jones é um ex-piloto de Formula 1, amplamente respeitado e reconhecido como sendo o primeiro e único obeso que conseguiu ser campeão mundial de Formula 1.

Formula 1[editar]

Hesketh, Hill, Surtees and Shadow[editar]

Começou sua carreira no automobilismo de ponta indo pilotar a Hesketh Racing em 1975, aquele tipo de equipezinha foleira que só serve para ser retardatário e atrapalhar o protagonista (vide o jogo Enduro, cujos adversários são inspirados nos pilotos da Hesketh). Com 3 quebras consecutivas nas três primeiras corridas e depois 4 últimas colocações consecutivas nas corridas seguintes, já ficava bem claro que Alan Jones não era o mais talentoso piloto possível. Pelo menos arrumou uma 5º última corrida (não é grandes coisas quando você vai pesquisar e descobre que só 8 carros dos 26 terminaram aquela corrida na Alemanha de 1975).

Em 1976 já estava em outra equipe, a Surtees, primeiro carro totalmente feito de cartolina branca, uma tentativa de garantir mais leveza e por conseguinte velocidade. O que os projetistas não contaram é que a cartolina ia se deformando conforme o vento batia nela e o chassi passava a funcionar mais como uma vela de navio, freando o carro, e por isso Jones passou aquele ano todo ficando só em penúltimo, apoenas na frente do seu companheiro de equipe, um cara qualquer.

Decepcionado com a Surtees, em 1977 estava já em outra equipe, agora a Shadow Racing Cars. Mais um carro ruim, este com o chassi feito de saco de pão. Mas pelo menos é ali que Jones conquista primeira vitória (que só foi possível porque no GP da Áustria de 1977 o chove não molha transformou a corrida numa loteria de meteorologia para escolher os pneus corretos).

Williams e título[editar]

Brinquedo com o qual Alan Jones sagrou-se campeão de Formula 1 em 1980.

Trocando mais de equipe do que faturando títulos, em quatro anos Alan Jones já estava na quarta equipe, e em 1978 assinou com Williams, que na época era alguma coisa e aquele carro o ajudaria a ser alguma coisa na carreira. Como Alan Jones tinha todo um problema com obesidade, era difícil projetar um carro para ele, que não sofresse as consequências de seu sobrepeso, por isso nas temporadas de 1978 e 1979 ele seria só um coadjuvante, tanto que só em 1979 obteria suas primeiras vitórias, mas não conseguiria igualar a superioridade das Ferraris cuja aerodinâmica de gilete de barbear de seus carros de 1978-79 parecia imbatível.

Mas eis que a Williams surpreende a todos em 1980 e Alan Jones simplesmente é campeão mundial aquele ano. Mesmo vencendo apenas 5 das 14 corridas, a Ferrari havia firmado contrato, por acidente, com a Minardi, e seus pilotos passaram o ano inteiro só ficando em últimos, de modo que a Brabham, um carro feito com caixa de Leite Parmalat reciclada, era o único rival da Williams de Alan Jones, que faturou fácil o título.

Consciente de que pilotos ruins já ganharam pelo menos 1 título mundial (Mike Hawthorn, Phil Hill, Jenson Button, Nico Rosberg, etc), e que para ser considerado um piloto bom é necessário ser pelo menos bi-campeão mundial, Alan Jones fez de tudo para vencer o Mundial de 1981, constantemente querendo utilizar seu companheiro de equipe, o argentino Carlos Reutemann, para catimbar os adversários e deixar o campeonato livre, mas Reutemann acabava catimbando é o próprio Alan Jones. Como Alan Jones perdeu tempo demais tentando sabotar o companheiro de equipe, quem se aproveitou disso foi Nelson Piquet, campeão de 1981 com o carro de caixa de leite da Brabham.

Fim de carreiras (Arrows e Haas)[editar]

Foi demitido da Williams sob alegação de ser badernista demais, e ficou longe o ano de 1982, em 1983 até esboçaria um retorno ao pilotar uma Arrows por 3 minutos em uma única corrida, antes daquele carro explodir por ser ruim demais. Sem ser aceito em mais nenhuma equipe, por ter um ego do tamanho de seu estômago, Alan Jones apelou para uma última alternativa e fez ele próprio a sua própria equipe, a Team Haas, para correr os campeonatos de 1984 e 1985, onde abandonaria 14 das 19 últimas corridas de sua carreira nesse bólido cujo motor era o mesmo utilizado em cortadores de grama, para poupar gastos.

Stock Car da Austrália[editar]

Incapaz de voltar à Formula 1, Alan Jones ainda correu uns 10 anos na Stock Car da Austrália, não sendo campeão em nenhuma oportunidade por haver impossibilidade de se fazer joguinho de equipe ali. Mas sinceramente, quem se importa? Ninguém acompanha nem a Stock Car Brasil direito, imagine a australiana.

v d e h
Pilotos da Fórmula 1