A Metamorfose

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Cullen esposa.jpg Este artigo só pode ser coisa de MONSTROS!

Estrague este artigo que eles vão avançar e te comer! Nos dois sentidos!
Para não despertar a fúria deles, melhore este artigo, tá?

AGORA CORRE!!!

A Metamorfose
A Metamorfose livro.png
Capa do livro. Gregor acordou como uma barata nojenta e repulsiva, mas nunca perdeu a felicidade.
Autor Franz Kafta
País Bandeira da Tchéquia Tchéquia
Gênero Nojeira
Editora Europa-América
Lançamento 1915
DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...em metade de A Metamorfose, Gregor está tentando sair da cama?

A Metamorfose é um microconto em língua alemã do escritor austríaco Francisco Afta. Conta a história de um homem que foi dormir humano, sonhou que estava nadando no rio Tietê e acordou como barata parkoureira por absolutamente nenhum motivo. Foi a inspiração para o filme A Barata Humana do inspirado cineasta David Cronenberg, e também inspirou a criação da premiada novela Os Mutantes - Caminhos do Coração.

Enredo[editar]

Gregor Clegane Samsa Stark era um homem comum, com um trampo comum e uma família de merda pra sustentar, sozinho. Ele trabalhava feito um porco de caixeiro-viajante, pessoas nômades que vão para aventuras no arco-íris buscar o pote de ouro. Gregor nunca encontra o pote, só moedinhas, que com elas ele sustenta os vagabundos dos pais dele que mamam nas tetas dele, além da irmã Grete, que quer montar uma banda de sucesso tocando um violino que dói o ouvido. Um dia, cansado feito um inseto, foi dormir. No dia seguinte acordou meio estranho; foi se olhar no espelho e teve o maior susto da sua vida - alguém havia roubado o espelho de seu quarto, então não tinha como se olhar mais. Suas pernas estavam estranhas, e teve que ir tomar café da manhã se arrastando. Chegando à mesa, a família levou um susto fodido. Gregor estava mais feio, cansado e fedorento do que de costume. Notaram que ele tinha se transformado num inseto asqueroso. A explicação do por quê? Nananinanão, aceita que dói menos, amigo. Ele mal conseguia tirar os objetos de venda de seu saco, e ainda espantava os clientes. Não teve jeito, teve que abandonar o ofício e viver de Bolsa Família.

Gregor passou a ser um estorvo em casa, quase pior que um cunhado e o tio do pavê juntos. E cada dia que passava ele fedia mais. Nas ruas, sofria bullying, e dentro de casa, era humilhado e apanhava feito uma barata humana. A vida de barata não era tão ruim, já que não precisava mais trabalhar e podia fazer o quarto de parque de diversões, subindo nas paredes e caindo igual bosta no solo sujando o quarto todo, mas o desprezo de todos era terrível. A irmã teve que virar feminista e ir trabalhar, então não podia limpar o ninho de urubu que formava quando a baratona fazia parkour no quarto, então Gregor perdia cada vez mais as esperanças de um dia ser pelo menos algum inseto mais útil que uma barata. Não existe Barato da Penho, então a violência doméstica comia solta, e a pobre baratona foi alvo até de maçã. A situação estava tão merda que Gregor não teve outra opção senão cometer suicídio bebendo Raid. Em vez de um enterro digno, Gregor foi jogado numa lata de lixo pela empregada recalcada que tinha inveja das piruletas no ar que Gregor fazia. Tsc tsc.

Criação[editar]

Chiquinho Kafta tava doidão de paçoquita quando criou o conto. Quando era pequeno ouviu uma história de uma barata que acordou como humana, e teve que procurar emprego pra sobreviver, sendo humilhada pela família barata, e cometeu suicídio igual os humanos fazem - amarrando uma corda no pescoço e a um galho de árvore. Foi dessa fábula que tirou a ideia para seu pequeno conto, que terminou em poucas horas, dentro do banheiro, quando estava competindo numa maratona de contos no boteco do Hans. Infelizmente ele perdeu a maratona, mas ganhou um conto novo para a coleção.

Esse conto inspirou outros autores ou diretores e roteiristas de cinema a criarem estórias de humanos deformados ou transformados, tais como X-Men, O Monstro de Mil Olhos, A Mosca e Crepúsculo.

Ver também[editar]