World Rally Championship

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: bêbados descontrolados? Cquote2.png
Google sobre World Rally Championship

Cquote1.png Hic! Hic! Hic! Cquote2.png
Petter Solberg sobre o tombo e o mico
Cquote1.png Cheguei na #&%$#§ de checkpoint, o #&%$#§ do carro... Cquote2.png
Marcus Grönholm, explicando sobre a prova
Cquote1.png #&%$#§ de francês!! Cquote2.png
Marcus Grönholm sobre Sébastien Loeb
Cquote1.png C'est La Vie Cquote2.png
Sébastien Loeb sobre sua enésima vitória
Cquote1.png La Vie é o #&%$#§!! Cquote2.png
Marcus Grönholm sobre as vitórias de Loeb.
Cquote1.png Hic! hic! Hic! Gozztei! Cquote2.png
Kimi Raikkonen sobre a sua experiência no rali
Cquote1.png Tente no ano que vem! Cquote2.png
Sébastien Loeb para Mikko Hirvonen
Cquote1.png Francês #&%$#§!! Cquote2.png
Mikko Hirvonen sobre Sébastien Loeb


Petter Solberg diz: se beber, não tente fazer graça!"

O WRC, ou World Rally Championship (Campeonato Mundial de Rali, que criativo, não?) é um campeonato de motoristas bêbados por vários tipos de trajetos, entre asfalto, areia, barro, neve, pedras. Ganha quem chegar ao final com o carro inteiro ou conseguir fazer o percurso em menor tempo sem se acidentar.

Características[editar]

Hic! Hic! cadê a #&$#& da estrada??
Isto é um país islâmico.Sem álcool! ah, só um tiquinho assim, ó!
Marcus Grönholm pergunta: tenho cara de cachaceiro, #&%$#§?
Cadê a #&%$#§ da estrada que estava aqui?

Assim como a Fórmula 1, existem dois títulos, o de pilotos (e co-piloto, claro!) e o de construtores (ou marcas), disputados em provas de três dias e vários estágios cada um, disputados contra o relógio em estradas fechadas, afinal "se beber, dirija mas não pegue tráfego".

Dominado por pilotos de países notórios pelo alto grau etílico de seus cidadãos como Noruega, Suécia, Finlândia e em menor grau, do Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, a categoria tem assistido ao domínio de Sebástian Loeb, um francês filhodaputa que só bebe vinho dos bons(Appellation d'origine contrôlée ou AOC é a Denominação de Origem não esses vin de table que você compra no supermercado e se orgulha por ele ser francês.) e por ser o primeiro piloto da categoria a competir com um nível médio de bebedeira, vem dominando o esporte há um tempão.

Se você achava que aquelas barbaridades que eles fazem nos carros naquelas pistas malucas era habilidade, está muito enganado. É coisa de bêbado mesmo! Tanto que Kimi Raikkonen, o piloto mais manguaceiro da Fórmula 1 está louco para ir competir no WRC ou qualquer outra categoria de rali, desde que possa encher a cara.

Para manter os bêbados pilotos atentos, existem os navegadores, aqueles sujeitos chatos que ficam no banco do carona falando mais abobrinhas que a sua sogra no feriadão descendo para o litoral.

Carros(equipamento)[editar]

Você compraria uma nave espacial dessas?
Ou com uma asa assim?

Os carros do WRC são configurados de forma a parecer com os carros comuns dos europeus, com motor 2.0 (duas mil cilindradas), turbo e compactos. Porém esses carros são equipados com câmbio sequencial(se tem uma coisa que bêbado se enrola é com o câmbio manual), amortecedores ultra-especiais (e caros!), daqueles que só os tuneiros japoneses do JDM compram, tração integral (você não vai querer que um bêbado ande com um carro de tração dianteira na neve e no barro, vai?), uns aerofólios malucos e rodas forjadas caríssimas de grifes automobilísticas.

Nem sempre os carros são exatamente atraentes, exceto para os nerds jogadores de Need For Speed Shift ou para os fãs de Velozes e Furiosos ou de xuningue.

Também existe a categoria júnior, para pilotos mais jovens inciando na carreira e que ainda não bebem destilados e a série de produção, em que supostamente correm os carros de série de rua, devidamente adaptados para a competição.

Historia[editar]

As competições de rali começaram quando alguns italianos com a cabeça cheia de vinho desafiaram uns finlandeses que por sua vez estavam cheios de vodka para um racha nas ruas de Monte Carlo. Os franceses da Alpine-Renault, mais acostumados a consumir bebidas sem ficarem alterados, levaram o primeiro campeonato mundial de marcas em 1973, deixando os italianos putos a ponto de pegarem uma Lancia Stratos, adaptarem o bichão para esse tipo de prova e meterem um motorzão Ferrari nele(é, o motor dessas baratinhas vermelhas caríssimas que você vê por ai) e ganharam os três campeonatos seguintes.

Na época não havia a disputa do título mundial entre os pilotos, mas deu o título da copa FIA dos pilotos de rali em 1977 e 1978, vencidas pelo italiano Sandro Munari e pelo finlandês Markku Alén respectivamente.

A FIA só passou a conceder o status de campeonato mundial de pilotos a partir de 1979, temendo problemas com a lei por causa da condução perigosa em elevado grau etílico dos pilotos, ficando o primeiro título mundial para o sueco Björn Waldegård(até o nome é de cachaceiro), ficando outro manguaceiro, o consumidor de vodca da Finlândia Hannu Mikkola. Além desses, o alemão bebedor de cerveja Walter Röhrl e o finlandês manguaceiro Ari Vatanen foram campeões.

grupo B[editar]

Os carros com tração integral(4x4) já eram permitidos desde 1979, mas nenhuma marca tinha se interessado, até que a Audi, como todo alemão, já chegou partindo para a ignorância: colocou seus Audi Quattro extremamente potentes e com tração integral pilotados pelo Hannu Mikkola, se aproveitando da liberdade propiciada pelo grupo B. Com as vitórias de Mikkola e do sueco Stig Blomqvist, todo mundo resolveu fazer a mesma coisa. Ari Vatanen era o franco favorito para vencer o campeonato de 1985 com seu Peugeot, mas o vinho de má qualidade da Argentina lhe causou uma forte ressaca e um grave acidente, deixando o título nas mãos do seu companheiro de equipe Timo Salonen, que mais esperto, trouxe vodka e se deu bem.

Mordidos com o sucesso dos franceses e alemães, os italianos partiram para a ignorância e a Lancia Delta S4 começou a temporada de 1986 detonando com os finlandeses Henri Toivonen e Alén com um carro que acelerava de zero a cem quilômetros por hora em 2,5 segundos na estrada de terra.

Mas depois que o lusitano Joaquim dos Santos fez merda e atropelou o público, matando três espectadores e ferindo trinta com seu Ford e o Henri Toivonen e seu navegador Sergio Cresto morreram em um acidente despencando de uma ribanceira, a FISA resolveu cortar as asinhas dos fabricantes. Para piorar, o italiano Attilio Bettega tinha morrido em uma porrada com seu Lancia dois anos antes. Foi a gota d'água para acabar com a categoria, embora a francesa Michelle Mouton mostrou que o que faltava aos pilotos mesmo era culhões, ao ser vice em 1982, mesmo com os Audi super potentes.

grupo A[editar]

Com o fim dos carros hiper-potentes, entraram os carros 2.0 de série, semelhantes aos que competem até hoje, resultando na chegada dos japoneses e dos franceses.

Pilotos campeões[editar]

  • 2009 Sébastien Loeb - francês bebedor de vinho - Citroën C4 WRC
  • 2008 Sébastien Loeb - francês bebedor de vinho - Citroën C4 WRC
  • 2007 Sébastien Loeb - francês bebedor de vinho - Citroën C4 WRC
  • 2006 Sébastien Loeb - frâncês bebedor de vinho - Citroën Xsara WRC
  • 2005 Sébastien Loeb - frâncês bebedor de vinho - Citroën Xsara WRC
  • 2004 Sébastien Loeb - frâncês bebedor de vinho - Citroën Xsara WRC
  • 2003 Petter Solberg - norueguês pudim de vodca - Subaru Impreza WRC
  • 2002 Marcus Grönholm - Finlandês boca suja e manguaceiro - Peugeot 206 WRC
  • 2001 Richard Burns - inglês bebedor de Whisky - Subaru Impreza WRC+
  • 2000 Marcus Grönholm - finlandês manguaceiro e boca suja - Peugeot 206 WRC
  • 1999 Tommi Mäkinen - finlandês alcóolatra - Mitsubishi Lancer Evolution
  • 1998 Tommi Mäkinen - finlandês alcóolatra - Mitsubishi Lancer Evolution
  • 1997 Tommi Mäkinen - finlandês alcóolatra - Mitsubishi Lancer Evolution
  • 1996 Tommi Mäkinen - finlandês alcóolatra - Mitsubishi Lancer Evolution
  • 1995 Colin McRae - escocês bom de uísque - Subaru Impreza 555+
  • 1994 Didier Auriol - francês chegado um cognac Toyota Celica Turbo 4WD
  • 1993 Juha Kankkunen - finlandês bebedor de vodca barata - Toyota Celica Turbo 4WD
  • 1992 Carlos Sainz - espanhol bebedor de vinho tinto - Toyota Celica Turbo 4WD
  • 1991 Juha Kankkunen - finlandês bebedor de vodca barata - Lancia Delta Integrale 16V
  • 1990 Carlos Sainz - espanhol bebedor de vinho tinto - Toyota Celica GT-Four
  • 1989 Miki Biasion - italiano chegado numa grappa - Lancia Delta Integrale
  • 1988 Miki Biasion - italiano chegado numa grappa - Lancia Delta Integrale
  • 1987 Juha Kankkunen - finlandês bebedor de vodca barata - Lancia Delta HF 4WD
  • 1986 Juha Kankkunen - finlandês bebedor de vodca barata - Peugeot 205 Turbo 16
  • 1985 Timo Salonen - mais um finandês pinguço - Peugeot 205 Turbo 16
  • 1984 Stig Blomqvist - sueco cachaceiro - Audi Quattro
  • 1983 Hannu Mikkola - finlandês pinguço - Audi Quattro
  • 1982 Walter Röhrl - alemão bebedor de cerveja - Opel Ascona 400
  • 1981 Ari Vatanen - outro finlandês cachaceiro - Ford Escort RS1800
  • 1980 Walter Röhrl - alemão bebedor de cerveja - Fiat 131 Abarth
  • 1979 Björn Waldegård - sueco beberão - Ford Escort RS1800*
  • 1978 Markku Alén - finlandês chegado numa vodca - Fiat 131 Abarth**
  • 1977 Sandro Munari - italiano bebedor de vinho - Lancia Stratos HF

Brasileiros no WRC[editar]

O piloto brasileiro Paulo Nobre ou Palmeirinha correu no WRC em 2009, mas conseguiu ficar apenas na 32ª posição, mostrando que não é tão fácil assim competir com esse bando de pinguços. Logo na segunda rodada, Palmeirinha ficou para trás. Para 2010, cogita-se levar o Jeremias e sua poderosa Titan para disputar o WRC. Só em duas rodas.

Ver também[editar]