VHDL

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
De deixar tonto...

Cquote1.png entity essa_linguagem_é_um_saco. Cquote2.png
Você sobre VHDL.
Cquote1.png Nas horas vagas, quando o DS tá carregando... Cquote2.png
Nerd e seus hábitos com o VHDL.

VHDL é uma das dúzias de linguagens de programação que existem espalhadas pelo mundo, obviamente é utilizada pelos nerds em suas construções virtuais as quais absolutamente ninguém se importa, o grande marco do vhdl é que é uma linguagem dispensável por sua atuação pequena e seu estilo tosco.

História[editar]

Anos atrás, bastante diga-se de passagem, na época em que surgiam os computadores, alguns nerds tinham meia dúzia de chips nos quais precisavam programar para fazer meia dúzia de cálculos e colocar aviões caça para funcionar, eis que então a NASA desistiu dos chips e passou o trabalho para uma junta de alunos da Uninove (ou da Lusófona) que nas coxas desenvolveram uma nova linguagem hábil para manusear esses circuitos integrados super rápidos, tanto VHDL é a sigla de VHSIC Hardware Description Language e VHSIC é a sigla de Very High Speed Integrated Circuits.

Essa linguagem logo se popularizou por ser uma mistura de Pascal com C, tudo batido no liquidificador, assim esse novo esquema surgiu e se popularizou para a programação de ASIC's e FPGA's, que são chips que ninguém jamais ouviu falar, a menos que seje um total nerd sem nenhuma espécie de vida social.

Se quiser falar com ele vai ter de ser no idioma dessa porcaria, o VHDL.

Programação[editar]

Em VHDL, você começa descrevendo a interface, dizendo como será toda a bagaça por fora, se tem entrada, saída, saída de emrgência, válvula de escape, passagem secreta dentro do chip, porque VHDL é para programar chips chatos e ultrapassados, daí a necessidade de descrever tudo direitinhos, porque se for falar com algo velhinho tem de ter paciência e explicar tudo, porque senão ele não entende.

Depois da interface vem a descrição da architecture, é bom falar em inglês, é mais chique. A architecture é a porra que o chip vai fazer, todos os comandos que devem ser bem explicadinhos, dentro disso existem os process, que são os comandos em si, cada arquitetura tem vários processos para no fim o bagulho dar certo, ou não.

Dentro desses blocos, interface e arquitetura existem várias coisas, comandos que não serão explicados, pois não interessam, basta saber que a linguagem é baseada na descrição extremamente detalhada, no entanto é mais inteligível que o assembly. Se alguém quiser fazer um curso de VHDL merece ser estuprado por um búfalo africano em praça pública, pois essa linguagem é horrível.

Ver também[editar]