Tietê

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mazzaropi02.jpg Enxada-1.png Esti artigu é caipira, sô!! Enxada-2.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!


Cquote1.png Você quis dizer: Rio Tietê Cquote2.png
Google sobre Tietê
Cquote1.png Tietê é uma cidade do interior de São Paulo. Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Tietê
Cquote1.png Não conheço Cquote2.png
Você sobre essa cidade desconhecida
Cquote1.png O quê??? Eu não vou pr'aquele rio imundo de São Paulo não meerrrmão. Cquote2.png
Carioca em férias sobre oferta de amigo que teve a ideia de viajar pra Tietê
Cquote1.png Não é rio, é um lugar pô Cquote2.png
Amigo sobre comentário acima.
Cquote1.png Nós temos shopping! Cquote2.png
Porto Feliz sobre Tietê.

Tietê é uma cidade pequena e desconhecida do estado de São Paulo. Por vezes sempre confundida com o rio Tietê.

História[editar]

Seu computador após pesquisar a importância de Tietê

A história da Cidade de Tietê é complexa. Ninguém sabe como ela veio a se tornar alguma coisa uma cidade exatamente. Para começar, que até um minuto atrás você nem sabia que Tietê existia, pensava que ela era uma cidade do Acre. Mas Tietê não foi feita por Paulo Maluf e o Tiririca não vai ajudar ela quando virar um deputado federal. Pois bem, a cidade de Tietê originou-se do naufrágio de um barco que bateu numa rocha na encosta do rio (sim existiam barbeiros antes mesmo de ser inventado o carro) cujos tripulantes e passageiros não souberam voltar de onde vieram. Durante muito tempo, a região foi local de parada estratégica para os bandeirantes fazerem suas necessidades fisiológicas na rocha, e pra tirar um sarro com o pessoal da capital fizeram uma enorme cruz e disseram que tinha ouro enterrado nela, em que os índios chamaram de curuça. Com tanto adubo hoje se produz lá o Café Curuça em que Milton Fezes faz o merchan. Depois eles passaram a cagar por tudo quanto é lugar. Com o tempo, a terra fertilizada pela merda dos bandeirantes (entenda como quiser) atraiu muitos colonos que passaram a se dedicar à lavoura, formando o vilarejo que daria origem à vila cidade atual. Um fato curioso, é que devida tanta merda em seu solo, tieteenses (sim estes seres esquisitos) adquiriram uma mutação bizarra, o crescimento anormal da língua de seus habitantes nativos, cientistas explicam que deve ter sido o fator da dificuldade de comer alimentos sem coliformes fecais devido a merda toda feita pelos bandeirantes e índios que foram extintos daqui, pois foram entoxicados justamente por isso, devido há este Fatality com flawless victory, digo, digo... fatalidade, criou-se uma lei em Tietê em que toda a merda da cidade devia ser varrida para o rio, causando a poluição que hoje todos vemos. Outro fator que os cientistas explicam o por quê desta anomalia genética, é que na época as casas eram muito distantes umas das outras e ainda não tinha uma ponte pênsil pra atravessar a merda do rio que corta a cidade, devido a isto os habitantes de Tietê tem que falar muito (viu, Tite?) de seus vizinhos para gastar a língua, então a fofoca virou uma espécie de fisioterapia da saporra, ops, da saborra lingual.

Poucos sabem, mas Tietê era uma espécie de Império Caipira, ocupando uma vasta porção de terras no Estado de São Paulo, e oprimindo os povos conquistados com sua terrível e injustificável mania de grandeza. Diz-se que a Grosse Tietê foi a grande inspiração para Hitler fundar a Grosse Deutshland (e a Segunda Guerra Mundial, por tabela). Entretanto, com a ajuda das pontências imperialistas e neo-colonialistas do bem (EUA, Inglaterra, Rússia, França, Acre e Paraguai), as cidades que estavam sob o jugo maléfico de Tietê conseguiram se libertar. Desde então, Tietê guarda um imenso recalque dessas novas cidades, todas leia-se apenas Sucrilhos (cerquilho) notadamente superiores à ex-metrópole. Veja:

Grande atração de Tietê

Laranjal Paulista - Além de ser uma cidade de brinquedos e bonecas(os) os seus acessórios embutidos opcionais também são (entenda como quiser). O tieteense (estima-se que 86,176% deles sejam palmeirenses, o resto são playboys metidos) ri-se muito do laranjalense pois este é especialista em pegar as mulheres leia-se barangas e trabucos de Tietê. Segundo os dados do último censo, 67,2% das barangas tieteenses são casadas/amigadas/namoradas/pegadas/comidas por laranjalenses e 32,8% são de cerquilhenses.

Cerquilho - Tietê tem um imenso complexo de inferioridade em relação a Cerquilho,(depois de milênios sendo governada e manipulada pelos tieteenses)por ser inferior a esta em tudo. No futebol, na vida social, na economia, no truco, no bingo, na roleta russa, nos índices de criminalidade, na educação, nos índices pluviométricos. Recentemente, Cerquilho superou Tietê também na população (segundo o último censo, Cerquilho conta com 15 habitantes, contra 9 em Tietê), o que levou o prefeito Bigódon, da cidade a sequestrar e matar o dono do IBGE e comprar reinvidicar uma nova contagem. Ele solicita que sejam considerados na conta também os carros, que existem numa média de 30 para cada habitante. Cerquilho também é conhecida por ser a cidade da Rosa e Rosinha, famosa dupla gay sertaneja, e também pelo seu carnaval de trios elétricos, conhecido como a Gaiola das Loucas, todo cerquilhense se orgulha de superar Tietê até nisso. Recentemente nesse ano eleitoral, muitos calhordas candidatos a prefeito de Tietê, tem como slogan "Tietê precisa mudar!" com o pretexto de dar um golpe militar com GM de Tietê em conjunto com o guarda Bello (não o traficante cantor Bello!? é memo?) em anexar novamente seu terreno baldio território e reconstruir o império do inferno com intervenção do vice-presida brazuca Michel Temer. Mas nesse plano de dominar o Mundo com o Cérebro do Pink deu algo errado,como sempre, pois as empresas de fundo de quintal tieteenses estão indo a Sucrilhos pedir asilo político, pois lá no asilo tem cereal pra eles ficarem muuuito foorrtis! Já que Tietê não tem, pois o(a) Sullenmiranda discípulo de El Bigódon cortou a verba da merenda e tirô o buzu dos niversitário que istuda fora du municipir. Cacete! esse caipirês é contagioso, sô!

Jumirim - Os tieteenses sentem inveja da animada vida noturna de Jumirim (que é considerada o Plutão das cidades, ou seja, foi desclassificada e virou qualquer merdinha perante os astrônomos) que por vezes consegue reunir 3 pessoas numa mesma boate, fato nunca alcançado por Tietê em sua centenária história (até parece o Curintia, véi). Hoje, a cidade é uma cidade de primeira; pois se você der a segunda marcha no carro, vai embora. Com cidades vizinhas muito conhecidas claro, Tietê serve pra fazer festinhas a noite (Entenda como quiser. Estou falando isso pois toda noite tem festa na praça) e serve para pescar também. Enfim, há muitas coisas pra fazer em Tietê ,tá?.

Celebridades Tieteenses[editar]

Cornélio Procópio Pires - Ninguém sabe quem é ou o que fez. Mas por incrível que pareça tem um museu dedicado a essa figura no barraco que ele nasceu em Tietê que recebe incríveis dois visitantes por década. Ele fundou o foclore paulista, formando a primeira dupla sertaneja Tunico e Tinoco(música de corno).

Thomaz Bellucci - Mais um dos bilhões de brasileiros que tentaram seguir os passos do Guga sem sucesso. Thomaz pode ser visto tentando não ser eliminado na primeira rodada de algum torneio tosco de tênis, entretanto ele nunca consegue e leva uma piaba de algum russo qualquer Zé Mané com nome estranho.

Michel Temer - É o mais antigo ladrão deputado federal do Brasil, tendo sido eleito e reeleito cerca de 7896 vezes, desde que o demônio criou a câmara dos deputados. Recentemente ele traiu o movimento, véio e se candidatou a vice-presidente da república, sendo eleito na cola da Dilma. Há suspeitas de que ele planeja matar a presidenta eleita, transferir a capital do país para Tietê e mudar o nome de Brasil para Tietêxas, transformar-se em imperador e anexar todo o território nacional a Tietê, e transformar tudo num faroeste de bang-bang.

Habitante mais notório de Tietê Michel Temer revelando a média peniana de sua cidade

Zé Maria - Saudoso e ilustre cidadão tieteense, famoso andarilho por seu carisma acima da média, tá sempre andando por esta cidade maravilhosa, então a qualquer momento você pode se trombar deparar com este senhor sem nega em suas andanças infinitas (e sem rumo algum) pela cidade.

Mikimba - Também ilustríssima cidadã tieteense, famosa A.C (alcoólatra conhecida) por ser o maior ícone de beleza da mulher tieteense, também como o companheiro Zé Maria (eles se combinam, não?), ela pode ser facilmente vista mijando na calçada bêbada pedindo cigarro e cerveja pra qualquer cidadão pelos bares da cidade.

A cidade[editar]

A cidade possui seis ruas: a rua do Comércio, a rua Centro-Norte, a rua Centro-Oeste, a rua Centro-Leste, a rua Centro-Sul e a rua Cidade-Rio. Na rua principal há uma fonte de água com as inscrições: "Tietê, a terra das águas límpidas".

Origem do nome[editar]

Inicialmente Tietê (já vamos explicar o significado deste nome) foi chamada de Pirapora do Curuçá, que vem de uma gíria indígena, Pirapora é um rio cheio de peixes pra eles cumê e Curuça é aquela rocha doida com uma cruz na encosta do rio, em que os bandeirantes barbeiros e bêbados bateram com a canoa que eles usavam (ah, se existisse lei-seca naquela época, neguin ia rodá!). Enfurecidos por terem batidos estupidamente na rocha na margem do rio e serem ordenados a vasculhar neste fim de mundo e ainda por cima ficarem perdidos, resolveram sacanear desenhando uma enorme cruz na rocha em que eles soltavam o barroso, e com isso falaram que tinham ouro enterrado na rocha cagada, fizeram uma cartinha e enviaram pra São Paulo via Jeguex 10. Enquanto o tempo ia passando eles iam caçando sapo no rio pra sobreviver e viam os índios desenvoltos na arte de caça, como não tinha porra nenhuma pra fazer além de caçar sapo, resolveram trepar com as índias de teta caída pra passar o tempo e também pra saciar a vontade de afogar o ganso (não é aquele jogador mercenário do Santos, não!) mas você tá se perguntando... como é que esses filhos da puta bandeirantes botavam chifres no lugar dos cocar na cabeça dos índios cornudos? Os bandera eram tudo bicho veiáco, véi! Ficavam na espreita só esperando os otários índios irem caçar, enquanto os índios iam caçar tatu e jaguatirica, os banderas iam lá na oca e comiam as índias tetudas, fazendo isso aumentaram a população do pequeníssimo vilarejo. Após passar seis meses o jeguex 10 chegou com a carta falando do ouro escondido na pedra cagada. Criando assim a cobiça dos aventureiros mercenários e também dos nóias da capital. Com a chegada dos mercenários em busca do ouro, veio a frustração por terem sido enganados pelos banderas troll face. Fodidos e putos da cara, os mercenários resolveram comer as amantes dos bandeirantes e com isso aumentou mais ainda a população, com certa fama já de terra do ouro cocô, o Padre José de Anchieta (que era o papa do Brasil), sabendo disso escreveu sobre Pirapora do Curuçá, a terra da fodelança, e com isso ele fez um merchan desgraçado e assim aumentou o interesse de colonos por esta terra fértil e sexo fácil com as índias tetudas, com isso fez quase falir quase todos os puteiros da capital, menos o Hotel bordel Bahamas. Com tudo isso fez a economia de Pirapora do Curuçá bombar graças ao grande merchandising do Padre Anchieta (o Milton Fezes da época). Muito gratos a ele resolveram anexar um nome cristão a vila, em sua homenagem, em 3 de agosto de 1811 Pirapora do Curuçá foi renomeada pelo nome de Freguesia do ó da Santíssima Trinidade da Pirapora do Curuçá. passando-se os anos a população foi aumentando rapidamente (por que será, né?) e por via chegaram a desculpa de que há muitos habitantes na vila e que deveria ser emancipada, ávidos por verbas (mamarem nas tetas) da monarquia, em 8 de março de 1842 a Freguesia de blábláblá Curuçá, tornou-se município, como o nome da cidade era muito extenso e remetia a lembrança de um passado que te condena inglório. Autoridades resolveram dar mais credibilidade ao município dignificando (é isso mesmo!? com esse nome!?)com o nome do rio em 1867, batizado pelos índios de Tietê, na gíria indígena Ti significa tem, e etê significa bosta (Por isso não é coincidência quando você diz na gíria pro seus amigos que o barroso que você solta é E.T). Foi dado este nome ao rio depois que foi sancionada a Lei Rio de Bosteiro de 1800/bolinha em que exigia que os cidadãos do município cagarem no rio ou varressem suas bostas adentro depois que os índios foram exterminados do futuro por Cyberdyne Systems Model 101 - 800 Series Terminator intoxicação e infecção por excesso de coliformes fecais e de lixo que foi abandonado pela coleta da prefeitura (El Bigódon não foi o pioneiro nisso, tá?).

Baladas malditas[editar]

Em Tietê a rotina nunca é a mesma pois podemos contar com famosa "baladinha" que tem com sua enorme extensão de 2 metros quadrados e uma quantidade imensa de drinks e bebidas, sem contar no fabuloso dj que toca lá desde 1922, ou mesmo se você estiver enjoado de ouvir a mesma música que tocava quando seus pais ainda iam na balada, tem a praça Doctor Rey Elias Garcia pois Tietê é pura diversão!!!