SuicideGirls

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.svg Eu achei que era uma mulher Cquote2.svg
Ronaldo Fenômeno sobre SuicideGirls
Cquote1.svg Isso aí é propaganda enganosa! Cquote2.svg
Necrófilo sobre SuicideGirls
Cquote1.svg Não é pornografia, são ensaios fotográficos de muito bom gosto com alta qualidade artística. Cquote2.svg
Feminista sobre SuicideGirls
Cquote1.svg Oba! Será que tem algum traveco ali? Cquote2.svg
Alexandre Frota sobre SuicideGirls
Cquote1.svg Minhas divas! Meu sonho é ser uma delas! *-* Cquote2.svg
Guria retardada sobre SuicideGirls

Exemplo de feiosa encontrada no site.

SuicideGirls é um site idolatrado pela minúscula parcela de emos heterossexuais existentes no planeta, já que publica fotos eróticas de mulheres no estilo pin-up que supostamente contradizem aos padrões de beleza atuais impostos pela sociedade. As modelos costumam fazer a linha do alt porn, com incontáveis piercings e tatuagens, além de cabelos escrotos com penteados, cortes e cores que nenhuma pessoa normal se prestaria a usar. Este padrão de beleza alternativo inclui garotas com peitos murchos, garotas com a bunda caída, garotas com cara de drogada, e outras coisas que não excitam homens normais.

Assinatura[editar]

O site cobra a quantia de quatro dólares mensais por assinatura, mas convenhamos, a pessoa tem que ser muito imbecil para se prestar a pagar isso, já que fotos assim podem ser encontradas gratuitamente a rodo pela internet com uma simples busca pelo Google. Mesmo assim, o SG consegue lucrar bastante às custas de otários iludidos que não têm a capacidade mental de perceber que estão simplesmente jogando seu dinheiro no lixo.

Conteúdo[editar]

Embora o SG esteja totalmente em língua inglesa, o site apresenta putas das mais variadas partes do mundo, exceto o Acre, já que a internet não chegou ainda por lá. Uma brasileira famosa que tentou entrar para este vasto elenco foi MariMoon, que foi recusada porque a maioria de seus fãs tem no máximo uns 12 anos de idade, e a censura não permite acessos de menores de 18. Lógico, qualquer um poderia facilmente adulterar a data de nascimento, mas os adoradores da otaka em questão são todos burros demais para fazer isso. Sem contar que brasileiro é desgraçadamente pobre, então seria difícil burlar o cartão de crédito dos pais sem receber um castigo em troca.