Soul Edge (jogo)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Se procura pelo filho do capeta, consulte Soul Edge (personagem)


Virtualgame.jpg Soul Edge (jogo) é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, a Princesa Zelda foi sequestrada pelo Ganondorf.


Soul Edge (Na Beira da Alma)
Soul Edge capa.png

Soul Edge, promovendo orgias virtuais desde 1996 (logo da série)

Informações
Desenvolvedor Manco
Publicador Manco
Ano 1995
Gênero Porradaria com facada
Plataformas Arcade; PlayStation
Avaliação 80%
Idade para jogar Livre; Censurado e proibido na China e Coreia.

Soul Edge é o primeiríssimo jogo da série SoulCalibur, desenvolvido e publicado pela Namco em 1995 para Arcades, empresa que sonhava em lançar um jogo de sucesso, encontrou a receita ao lançar esse jogo que deu origem a esta série repleta de mulheres siliconadas, japoneses insanos e demônios em geral. Um port para PolyStation 1 foi lançado 1 ano depois com o nome Soul Blade, mas ainda com os personagens mais parecendo bonecos de cera nada carismáticos, sem melhorias.

O jogo é totalmente original, é como se fosse uma mistura de Street Fighter com Mortal Kombat e Virtua Fighter em 3D com personagens semi-carismáticos (mulheres peitudas e demônios), que apesar de se dilacerarem em lutas, não derramam uma gota de sangue sequer, também não vemos membros decepados ou órgãos eviscerados, apenas soltam purpurina.

Soul Edge não foi criado com intuito de gerar hentais. Essa mania mundial de quadrinhos com Taki e Sophitia trepando com demônios sarados só foi tornar-se popular após o Soul Calibur II. Na época de Soul Edge ninguém nem sabia quem eram essas duas vagabundas.

Jogabilidade[editar]

Desde 1996, o Voldo tenta estuprar a Taki.

Primeiro jogo de luta da história em 3D que possuía combate com armas e não na porradinha franca de punhos, Soul Edge ficou famoso por ter falido o Samurai Shodown antes que esse pudesse evoluir. Em Soul Edge controlamos alguns bonecos de cera em cenários nada realistas, para cair na porrada com facas e armas brancas. O combate inovador traz um movimento inédito chamado "8-Way Run", que é aquele movimento de girar em volto do oponente, especialmente criado para expor todos os ângulos das mulheres, que desde 1996 estão sempre vestindo apenas roupas de puta.

Além da barrinha do life, há uma barrinha que mostrava a resistência da arma, e assim que esta chegava no final, a arma quebrava-se. Isso reforça a teoria de que todo mundo aprendeu artes marciais com o Mestre Pai Mei, porque desarmados todos tinham os mesmos movimentos toscos que lembravam o pior personagem de Tekken.

Enredo[editar]

Neste jogo de má fama acompanhamos a história de vários aventureiros lutadores que buscam a espada Soul Edge, sabe-se lá para que, talvez para se masturbar com ela. Com o andar da história esse espada vai recebendo diversos nomes diferentes de acordo com cada mitologia, tais como "Ultimate Sword", "Sword of Salvarion", "Pernil Assado", "Master Sword" e "Excalibur" (este que viria depois a renomear os jogos seguintes).

A história é baseada nos contos de Cervantes de Leon e narra a trajetória de Dom Quixote de La Mancha e sua grande rivalidade com o He-Man Siegfried, todos numa corrida idiota para encontrar o maior vibrador do mundo (a Soul Edge).

Pesonagens[editar]

Sophitia, de putaria desde 1996...
  • Heishiro Mitsurugi - Samurai bombado que come as garotinhas do jogo desde a época do PlayStation. É substituído por Hwang Seong-Gyeong na versão coreana por causa da censura que não permitia nada de japonês na Coreia (lembre-se que o jogo foi lançado em 1937, em plena Segunda Guerra Mundial).
  • Siegfried Schtauffen - Rascunho do Nightmare e tremendo plágio do Lancelote (nem o nome é original). No jogo parece mais é um playboy fora de época. Por algum motivo achava que trabalhava para o Rei Artur e deveria encontrar a Soul Edge para conseguir agradar a Guinevere que é muito exigente na cama. Na versão para PS1 ainda há o Siegfried!, com exclamação, que não passa de uma skin de cavaleiro medieval.
  • Taki - A primeira puta da série, já em 1995 estava aparecendo com o seu spandex vermelho extremamente atochado. Na época ela ainda tinha vergonha de estar andando por aí com uma roupa tão indecente, por isso até vestia uma máscara. A peituda do jogo ainda podia vestir só uma tanga azul, tudo para entreter os nerds.
  • Li Long - Espécie de rascunho do Maxi. Originalmente usuário de nunchakus, a sua arma foi modificada para um sanjiegun na Europa pois os nunchakus estavam banidos (claro, bater nos outros com um bastão pode, com nunchacus não, isso faz bastante sentido, ou não).
  • Sophitia Alexandra - Putinha loira que acabou de sair de um prostíbulo da Grécia e agora busca disseminar, ao lado da Elena Paparizou, a cultura da Grécia e os ensinamentos de Zeus, sem esquecer de uma saia extremamente esvoaçante para ela pagar calcinha a todo momento. Como desde cedo ela já tinha vocação para ser a maior puta desse jogo, na versão para os consoles ela possui duas skins, a Sophitia! que aparece de maiô de academia, e a Sophitia!! que aparece de biquíni.
  • Rock Adams - Um ex-ator pornô agora desempregado. Talvez seja o brasileiro do jogo.
  • Seong Mi-na - Coreana lolita que usa um bambu para sodomizar seus oponentes. Só mais uma personagem hipersexualizada.
  • Voldo - WTF!!!!!

Soul Edge Ver. II[editar]

Muitos nerds reclamaram que era quase impossível matar o Mitsurugi como último chefão, ainda mais utilizando bonecos travados que respondem os comandos só após 3 segundos que o jogador apertou o botão, e assim, depois de tomarem mais de 500 perfects do samurai, nunca mais jogaram essa coisa impossível. Para não perder as vendas, a Namco decidiu lançar o Soul Edge Ver. II, com um Mitsurugi mais amaciado, novos golpes e mais cenas de nudez.