Seether

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gatotocandoguitarra.gif

Bono Vox deu sua benção a este artigo!

Obrigado! Este artigo se sente mais forte agora :)

Clique aqui para mais abençoados.

Passarinho.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

Seether
Seether1.jpg
Pagando de góticos. Não é porque o cara comia uma que ele vai ser um também
Origem Pretória
País Bandeira da África do Sul África do Sul
Período 1999 - Atualmente
Gênero(s) Post-Grunge e Nu Metal
Gravadora(s) {{{gravadora}}}
Integrante(s) Shaun Morgan;
Dale Stewart;
John Humphrey
Ex-integrante(s) Thomas Morris;
David Cohoe;
Pat Callahan.
Site oficial {{{site}}}
Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Seether.

Cquote1.png Você quis dizer: Creed Made In África Cquote2.png
Google sobre Seether
Cquote1.png E existe Rock na África do Sul? Cquote2.png
Você sobre Seether
Cquote1.png Da África do Sul? Não respeito bandas de lá quer não tenham tocadores de vuvuzela! Cquote2.png
Zé Graça sobre Seether
Cquote1.png Já peguei! Cquote2.png
Amy Lee sobre Shaun Morgan
Cquote1.png Toca Raul! Cquote2.png
Brasileiro em show do Seether
Cquote1.png É emo! Cquote2.png
Guri retardado sobre Seether
Cquote1.png ... Cquote2.png
George Michael sobre a versão de “Careless Whisper” feita por eles
Cquote1.png BROKEN E TUDO! Cquote2.png
poser sobre Seether
Cquote1.png Vocês traíram o movimento Vuvuzela, veios! Cquote2.png
Dado Dolabella sobre os integrantes americanos da banda
Cquote1.png Can I have some remedy (All I want is a remedy)? Remedy for me, please! Cquote2.png
Integrantes do The Black Crowes sobre a música "Remedy"

Você deve estar se perguntando: “será que não existe rock em algum lugar nesse mundo?”, após se corroer, se debater e bater uma pra Simone Simons, deve ter pensado: “já sei, na África do Sul não tem!”. Se enganou meu amigo: CREED COVER SEETHER é uma das representantes da Vuvuzelalândia no mundo do rock. É mais uma daquelas bandas de Post-Grunge (o que vem a ser isso? Tudo depois de Kurt Cobain ter aceito o convite do Cazuza pra um duo?) e mais uma porrada de estilos.

Por se tratar de uma banda da África, você deve estar pensando: Cquote1.png Será que o mundo ganhou mais uma banda com negões? Já era hora, chega de Living Colour! Cquote2.png. Porra nenhuma! É mais uma banda de brancos que se saíram muito bem com o Apartheid.

O Começo:[editar]

1 ano após o fim do Apartheid, Shaun Morgan, Thomas Morris e David Cohoe, 3 adolescentes de Pretória entraram na South African Vuvuzela Orchestra, como o nome sugere, fazia música erudita com Vuvuzelas, que contava com 60 integrantes, incluindo 20 sobreviventes do Apartheid e faziam turnês pelo país.

Alguns anos após isso, a banda se apresentou num terreno que hoje está ocupado pelo Soccer City em Joanesburgo, onde conquistaram (e ensurdeceram) o público presente com uma versão de “With Arms Wide Open”, fazendo com que todos chorassem (por causa da música e do som horrível que o instrumento fazia e que os deixaram surdos).

No dia seguinte, houve um mega processo coletivo e a orquestra foi a falência assim. Um empresário local sobrevivente dessa orquestra fez uma proposta a, Shaun Morgan, Thomas Morris e David Cohoe, que ele julgou ser os 3 que se sobressaíram naquela linda e destruidora versão da música poser do Credo e lhes proporam: fazer o que eles fizeram em Joanesburgo, mas, com guitarra, bateria e baixo. Agradaram e, como estavam desempregados e na sarjeta após a falência da orquestra, resolveram iniciar a carreira no rock, e batizam sua banda de SARON GAS.

No Rock:[editar]

Quando Shaun conviveu com a Hayley Williams
Shaun Morgan comia bem...

Querendo ser mais famosos que a Charlize Theron (e pegá-la também), o Power Guido Trio chamado Saron Gas resolve levar essa brincadeira a sério e não mais ficar tocando só por causa das drogas e do sexo que os rockstars ganham, além de já serem copnhecidos por lá.

Gravaram o álbum “Fragile”, que, apesar do nome emo, não é emo, é porque o álbum era frágil e quebrava rápido, pois foi produzido pelos falsificadores mais renomados da África do Sul. Era jogar 1 vez no chão e ele quebrava, mas, no meio dessa fragilidade, conseguiram prender o rabo a uma gravadora dos EUA, ou seja, dali ao estrelato e a Dominação Mundial era um espaço muito curto.

Pra evitar processos, a banda trocou de nome já famosa, o que confundiu os seus fãs, após votações, a banda resolve se chamar SEETHER, do Zulu “Cópia do Creed”, e tentou se defender dos fãs revoltados com tal mudança.

Enquanto a poeira abaixava na África do Sul, a banda foi pros EUA se encontrar com Amy Lee, que namorava Shaun a distância pelo ICQ e lhes ofereceu um teto por lá.

Thomas Morris não quis ir, pois achava a Amy feia e gorda, então saiu da banda. E gravaram Disclaimer, e, afetados pelo Vírus da Total Falta de Inspiração, batizam o álbum seguinte de Disclaimer 2: Seether Strikes Back, cujo sucesso só viria 2 anos depois após o estouro da modinha do fenômeno Evanescence, já que aquela voz de cantora de iodelei já esperada das góticas estava na cabeça de todos e todos reparariam em “Broken”, onde até um certo Chris Daughtry, muito antes de montar a banda, mamou nas tetas e cantou na audição no American Idol. A música poser acabara de ser gravada, então eles já estavam completos, então, era hora de trabalhar pra valer agora.

Negativismos, falsidade e vontade de fazer porra nenhuma levaram Pat Callaha] a sair da banda. Shaun deu graças a Deus de aquele estorvo ter saído, mas, ficou muito depressivo e recorreu ao álcool e as drogas, se internando, enquanto Amy o traia com o guitarrista da banda dela.

Após sair da reabilitação, onde fez uma amizade incrível com a Amy Winehouse, a festa rolou solta lá. Querendo esculachar pública e subliminarmente Pat Callahan, e batiza seu penúltimo álbum de Finding Beauty In Negative Spaces, com esse nome indie, ele quis dizer que Callaboca Callahan era uma pessoa muito ruim de se conviver. Em 2009, após George Michael trair o Lado Azul da Força, migrando pro Rosa, Shaun viu muitas coisas, como fazer a alegria dos homofóbicos por causa dessa traição e lucrar com o Valentine’s Day, regrava “Careless Whisper”, cujo clipe mostra a veia nerd da banda, pois é ambientado num jogo de Nintendinho.

Depois disso tudo, Shaun conhece o The Fray, que lhe ensinou a como salvar uma vida, e lhe ofereceu um contrato para algumas canjas. Após isso, ele se lembrou de que não gostava do som dessa banda, e batizou seu último álbum (por enquanto, queiram ou não) de Holding Onto Strings Better Left to Fray, ou seja, Segurando as Pontas pra Deixar o The Fray, com o objetivo de deixá-los e voltar ao Seether.

O Básico:[editar]

Integrantes:[editar]

Álbuns:[editar]

Legenda: o da esquerda tá pagando de punk, o do meio de emo e o da direita de metaleiro
  • Frágil: Ainda como Rosas de Saron Saron Gas, fazendo um álbum quebrável facilmente. Até um bebê conseguiria quebrar esse dico o quebrando (1999);
  • Reclamador: Álbum para pagarem de manos e ficarem xingando o sistema sul-africano (2002);
  • Reclamador 2: Porque a Putaria Tem Que Continuar: Agora, as músicas mais chocantes e impactantes que foram censuradas no 1º álbum (dizem eles, na verdade, todos sabem que isso foi em prol do lucro) (2002);
  • Carma e Efeito: Sob o efeito das drogas, o que colocou Shaun internado e com uma marca do pé esquerdo da Amy Lee na bunda (2005);
  • Encontando a Beleza No Meio Da Merda: Ganhou o título de “Álbum com o nome mais Indie de bandas que não são Indie (2008);
  • Segurando as Pontas pra Deixar o The Fray: Shaun já falava em deixar o The Fray antes de entrar, mas, esse álbum é do Seether mesmo... (2011).
  • Isolado e Dopado: É uma homenagem ao Tom Hanks e ao filme "O Náufrago". Fala sobre o desejo de Shaun Morgan de morar em uma ilha deserta, tipo Lost.(2014).

Alguma Coisa Pra Ouvir:[editar]

  • Bem De Novo e Remédio: Falam do vício de Shaun. Can I have some remedy? Remedy for me, please!;
  • Dirigindo Embaixo e Gasolina: Fala dele atravessando a Linha Vermelha na estrada de baixo e na contra mão, por ter confundido a direção;
  • Fodido: A música poser e que mostrou aos africando o que é mulher gostosa de verdade, nada daquela Charlize Theron;
  • Mentira: Fala do relacionamento com a Amy Lee;
  • Presente: Todo mundo gosta;
  • Falsos: Fala de Pat Callahan;
  • Surga Acima Disso: Ritual de Macumba;
  • Colapso: Fala da Crise de 2008
  • A Música do George Michael: Visando o público homossexual enrustido homofóbico, já que, por motivos lógicos, não aceitaram a traição de George Michael, e o lucro no Valentine’s Day, a banda fez essa versão
  • Hoje a Noite: Ele deixa de vagabundear e volta agravar algo novo com a banda.
  • Som Caipira: Fala sobre a vontade da banda de fazer um som para o seu público do Texas, mas na verdade mesmo, eles só queriam fazer um cover de "Man! I Feel Like A Woman";
  • Mesma bosta de vida: Fala de como é foda envelhecer e não conseguir mais pegar as strippers que aparecem nos clipes;