Ruínas (destroços)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Ruínas antes de mais nada é preciso que tenha sido uma construção que preste, ou seja, se a construção já era uma porcaria, nem de ruína pode ser chamada, senão de monte de lixo. Ainda os restos de construções que podem ser chamados de ruínas, alguns valem a pena ser vistos outros não, mas os que valem, são algumas vezes melhores do que patrimônios históricos que ainda estão inteirinhos.

O que fazer nas ruínas[editar]

Ruinas que sempre devem ser preservadas.

Nas ruínas tudo que se faz é diferente do que se faz em outros lugares, ou construções condenadas comuns. Experimente por exemplo, dar uma bela mijada numa ruína e começará a sentir e ter pensamentos estranhos, muitas vezes pode ver no próprio xixi, ondulações diferentes do normal. As ruínas parecem ter vida própria. Elas se comunicam com quem as vê, não é mesma coisa que sensações quaisquer que ocorram em certos lugares, elas têm mesmo, algo de estranho, mas não pense em nada como fantasmas ou coisas assim, elas dificilmente têm fantasmas, deixam isso para os patrimônios históricos conservados, melhor dizendo, inteiros.

Ruínas algumas vezes sofreram efeitos do tempo, do fundo do mar, dos ventos e, por isso se tornaram ruínas, mas outras vezes elas foram destruídas por pessoas mesmo, para saquear, ou mesmo por raiva: Algumas pessoas tinham raiva de quem as construiu, por não concordar com o jeito de ser da criatura, na verdade quem construiu nada tinha a ver com isso, nem quem esculpiu, a raiva era direcionada sim, a quem pagou pra realizarem a obra, ou seja:

Tipos de seres que são vistos em ruinas, para em seguida desaparecer.

Destruir o monumento era uma grande bobagem, quem a construiu, esculpiu, pintou... Nada tinha a ver com isso. As ruínas que foram destruídas tem essa mesma comunicação com quem as olhas, mas tem algo de mais triste, não é por isso que você vai começar a chorar diante das ruínas, podendo ser chamado de noiado ou biba fresca. Ruínas não servem para certos atos, mas elas mesmo tendo vida própria não ligam pra isso, o problema são as pessoas ao redor, se virem você fazendo algumas daquelas suas macaquices próximos das ruínas, podem achar até mesmo que brotou algum espírito estranho de meio dos destroços: Evite cenas assim, e també que, alguém faça uma sessão de descarrego em frente à elas, pois isso estragaria toda a poesia das ruínas.

Ruínas costumam sempre ter uma grande história por trás delas, então se evita reconstruí-las pois podem estragar a ideia inicial e nunca mais a ruína ser a mesma, virando uma trombada de alguma coisa com coisa alguma. Há exceções, se sabe-se estudar bem o material que foi utilizado e não tentar reconstruir de qualquer maneira, mas alguns nem se estudando pode-se dar o mesmo efeito. Escavações em ruínas dão origem fazem que se achem coisas bem estranhas e, algumas vezes se descobre a história não era bem como se pintou. Por exemplo pode-se achar moedas com a cara de algumas figuras que eram conhecidas de uma forma, quando eram de outra. Por exemplo aquele grande guerreiro ser achado como um gordinho flácido, ou aquela linda mulher pela qual brigaram , se descobre que era feinha pra caralho e que, quem brigou foi pra ver quem seria obrigado a se casara com ela... Escavações em ruínas são mesmo algo fora da imaginação.