Roman Polanski

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Judeu0.jpg Cadê o moedinha?

Este artigo é judeu! Ele odeia palestinos, foi escolhido por Javé e não come camarão porque é caro e anti-kosher. O autor deste artigo provavelmente é contador e deve estar cuidando da lujinha.

Roman Polanski é um montinho de merda polonesa que foi defecado por uma judia em 18 de agosto de 1933 nas ruas de Paris, França.

Biografia[editar]

Polanski já possuia um nariz obsceno quando jovem

As autoridades sanitárias locais esqueceram de limpar esse toco de bosta cheio de moscas infestando a região, mas como os franceses já estavam acostumados com o mau-cheiro de sua população eventualmente ele recebeu cidadania e passou a ser criado por um casal de idosos homossexuais. Aos 10 anos, mudou-se com a família para o paradisíaco gueto de Varsóvia durante a Segunda Guerra Mundial, onde escapou por pouco de ser jogado dentro de uma patente pelas tropas alemãs e descer com a descarga para o esgoto.

Perdeu sua mãe, seu pai, sua irmã, seu ursinho de pelúcia favorito, o Um Anel e a virgindade em um campo de concentração nazista, onde os terríveis alemães e seus canhões forçaram sua família de judeus a comer carne de porco durante o Yom Kippur, a assistir uma peça de teatro infantil, a prestar vestibular e outras torturas sem fim. Em um momento de distração dos guardas, seu pai heroicamente espremeu-o entre os minúsculos buracos da cerca, permitindo que o pequeno cocô vazasse para a floresta em volta e escapasse do extermínio sujando a bota de algum soldado. Polanski foi adotado por um casal de babuínos e criado no mato, logo alcançando todos os seus 20 centímetros de altura ao atingir a maturidade. Porém, seu nariz gigantesco continua a crescer até hoje, principalmente durante interrogatórios na delegacia e entrevistas na televisão.

Com o fim da guerra, o mundo entrou em depressão devido a incompetência de Hitler, que fracassou em livrar o planeta dos judeus. Polanski retornou para a civilização, e começou a trabalhar como domador de piolhos em um circo de pulgas da Cracóvia. Muitas vezes foi confundido com um bebê devido a sua estatura e cara de débil, e levado pelas autoridades para uma creche. Foi a partir desse momento que ele começou sua carreira sexual de estuprador de menininhas anestesiadas, porque somente crianças inocentes e dopadas são incapazes de resistir ao raquítico Roman e seus músculos de minhoca morta.

O extermínio dos judeus foi um evento traumático na vida de Polanski

Polanski começou a estrelar vários filmes pornográficos poloneses, fazendo sexo com animais e plantas para conseguir sustentar inúmeros vícios, como Quik e plástico-bolha. Suas cenas de orgia com Oompa-Loompas ficaram famosas na época, recebendo críticas positivas de personalidades influentes como Willy Wonka. O fato de ser um anão judeu tarado ajudou-o a conseguir posições importantes nas camas de Hollywood, onde a putaria generalizada é vista como expressão artística. Roman estabeleceu-se como diretor e começou a dirigir muitas películas em homenagem ao seu mestre Satanás, que fizeram um sucesso extraordinário graças a um pacto com o demônio em troca de sua alma imortal.

Depois de vários anos enchendo seu ânus de grana, Roman Polanski sofreu dois golpes de justiça divina como retribuição por todas as desgraças que ocasionou em sua existência, assim como por todas as vidas que arruinou com seu comportamento repugnante e imoral. O Senhor mandou um anjo para a mansão de Polanski em Gomorra e Sodoma, um querubim armado de correntes, facas, motoserras, cera de depilação e outros implementos fatais para acabar com a impunidade do cachorro pagão. Infelizmente, Polanski estava passando alguns dias em um prostíbulo e não pôde morrer para o benefício da humanidade. No entanto, sua esposa grávida Sharon Stone estava tomando drogas no local, permitindo que o lindo mensageiro divino pudesse cumprir sua missão ao exterminá-la, assim como à semente do mal residindo em seu ventre doente e putrefado, completamente podre depois de tantos anos de abusos indescritíveis.

Polanski recebendo um vibrador de cristal durante uma premiação pornográfica na Europa

Roman ficou triste que o assassinato de sua mulher não tivesse sido registrado em câmera, para uso posterior como ajuda de masturbação em um de seus filmes pornôs caseiros. Polanski tentou lucrar com o evento o máximo possível, pousando nu para fotos da Playboy no meio das marcas de sangue deixadas na mansão. Roman ficou chocado ao descobrir que sua mulher era maior de idade e que o sexo era consensual, e jurou nunca mais cometer o mesmo erro novamente. As 56 anos de idade, ele usou seus poderes ocultos da cabala para hipnotizar uma doce menininha de hímen intacto, para depois estuprar o pequeno corpo inerte com apetrechos variados, enfiando utensílios de cozinha em todos os orifícios disponíveis. Ele tentou usar seu pênis microscópico para quebrar o cabaço da criança, mas o membro era tão insignificante que não conseguiu sequer alcançar as paredes internas da minúscula vagina.

Polanski escapou para a Europa onde seu comportamento é considerado absolutamente normal e corriqueiro. Como fugitivo da justiça, morou durante anos na Áustria, ocupando uma cela na casa do senhor Fritzl e ajudando na construção do labirinto. Recentemente, foi preso na Suíça junto com Woody Allen ao tentar fazer sexo com escoteiras-mirins durante uma visita a uma fábrica da Nestlé. A comunidade de pederastas imprestáveis de Hollywood ficou indignada, e enviou um abaixo-assinado exigindo a libertação de Roman Polanski.

Algumas das celebridades que assinaram a carta:

Carreira Cinematográfica[editar]

Faca Na Égua (1962)[editar]

Andrzej é um polaco homossexual enrustido que em um feio dia estava viajando com sua mulher gostosa Krystyna de carro, quando enxergou pelo retrovisor um marombeiro pedindo carona na estrada. Louco para dar o rabo para o musculoso, ele convida o misterioso andarilho para ir assistir uma corrida de submarino em seu iate. Os três começam a jogar truco apostando o toba, mas Andrzej não consegue perder por mais que tentasse. O bem-dotado vencedor chuta o viado para fora do barco, e penetra analmente a mulher várias vezes, deixando da rosca da coitada bem assada para justificar o título do filme.

Repulsa ao Sexo (1965)[editar]

Catarina é uma mulher neurótica que sofreu um grande trauma quando era pequena: ela foi estuprada por um diretor de cinema quando tinha 13 anos, no ânus. A pobre vítima cresce com fobia de pênis, só conseguindo fazer sexo com hidrantes e robôs como Kimi Räikkönen e Keanu Reeves. Catarina sofre de Síndrome do Pânico, e começa a assassinar qualquer homem que chega perto com medo de perder o cabaço. Ela mata o carteiro, um entregador de pizza, Jesus Cristo, o time do Corinthians e todos os judeus em retaliação ao ato criminoso que arrebentou seu anel de couro, provocando hemorróidas dolorosas.

Armadilha do Destino (1966)[editar]

Uma dupla de criminosos foge da policia depois de um assalto que deu errado e acabou com o estupro de uma criança de 13 anos por um anão judeu. Eles encontram refúgio no Castelo do Careca, ocupado por uma bicha calva e sua mulher puta e gostosa. Os dois maloqueiros começam a fazer sexo com a vadia, com o viado, com o cachorro e com a prataria da casa. O filme termina com uma enorme orgia envolvendo todo o elenco e contaminando o sul da França com gonorreia.

Dança dos Vampiros (1967)[editar]

Esse filme iniciou a onda atual de vampiros homossexuais. Polanski interpreta um depravado que deseja enfiar seu caralho seboso e circuncisado no meio da bunda de uma guria retardada. Felizmente, um vampiro chamado Conde Vostok sequestra a linda filha do taverneiro para seu circo, evitando que Roman rasgasse o furo apertadinho da menina. O anão maldito e seu mestre tarado viajam até o castelo do Conde, para meter o pau nele e penetrar seu coração negro com uma estaca de ébano. Sem querer eles acabam abrindo a jaula dos leões, libertando os animais famintos para eles devorarem um pequeno menino de seis anos em Recife. A atriz Sharon Stone casou com Roman Polanski após o término das filmagens, numa tentativa frustrada de parar o seu comportamento pedófilo.

O Bebê de Rosemary (1968)[editar]

Rosemary é uma mulher frágil e ariana, que fica prenha do marido John Cacete e começa a suspeitar que seus vizinhos judeus, especialmente o pequeno Roman Polanski, desejam dopá-la com traquilizantes e usar seu filho para rituais satânicos. Rosemary foge para Índia e fica morando por alguns meses em uma comunidade hindu, até o guru Maharishi Mahesh Yogi tentar comer o seu cu dentro de uma caverna. Ela retorna com a roupa coberta de esperma para Nova Iorque, onde começa um relacionamento com o decrépito Woody Allen. Mal sabia ela que o famoso diretor era uma encarnação do Anti-Cristo, e que o filho que ela carrega em seu ventre na realidade É UM ROBÔ! O final é tão surpreendente que nem M. Night Shyamalan poderia ter previsto o desfecho.

MacBeth (1971)[editar]

Nessa adaptação de peça clássica de Miguel Falabella, alguns detalhes foram modificados para satisfazer as expectativas da audiência moderna e os desejos proibidos do diretor. MacBeth é um lorde escocês que vence uma batalha contra Mel Gibson, e recebe como prêmio o direito de babar o ovo do Rei Duncan durante uma orgia no castelo. No caminho para a festa, MacBeth encontra três bruxas horríveis chamadas Glória Maria, Ana Maria Braga e Ivete Sangalo, que fazem uma previsão terrível sobre o futuro: no dia 10 de março de 1977 o diretor Roman Polanski, de 44 anos, vai estuprar uma criança de 13 anos na casa do ator Jack Nicholson. MacBeth tenta desesperadamente modificar esse destino cruel, matando o rei e todos os judeus da Europa. Ele passa a ser assombrado pelo fantasma do pai de Hamlet, até ficar completamente paranóico e começar a rasgar dinheiro e a comer merda. Esse filme infantil foi produzido pelos estúdios de Walt Disney.

Que? (1973)[editar]

Nessa comédia piscodélica, Polanski interpreta um idiota que perde seu tempo precioso de vida escrevendo verbetes para um site de humor da internet cujo símbolo é uma batata. Devido a seus crimes contra a comédia, Roman é um fugitivo da polícia que não consegue mais fazer sexo com menores de idade, tendo que satifazer-se com mulheres adultas que parecem crianças retardadas, como Natassja Kinski, Emmanuelle Seigner e Bjork. Com medo de voltar aos Estados Unidos e ser preso, ele é obrigado a fazer filmes com atores europeus decadentes como Marcello Mastroianni.

Chinatown (1974)[editar]

Jack Nicholson interpreta um detetive contratado pelo caniço humano Faye Dunaway para encontrar um pouco de comida para essa vítima de anorexia. Durante sua investigação, Jack descobre que o pai de Faye é um diretor de Hollywood que adora praticar sexo anal com garotinhas inconscientes de 13 anos. Polanski fica com inveja pêniana e corta o nariz de Nicholson com um canivete enferrujado, para continuar a ter o maior do ocidente. No final, os personagens vão para um restaurante chinês comer cachorro empanado, mas são assassinados por terroristas da PETA armados de zarabatanas com dardos envenenados.

O Inquilino (1976)[editar]

Nesse filme de terror, os moradores de um prédio ficam horrorizados quando um pedófilo condenado pela justiça se muda para um dos apartamentos. Esse novo inquilino costumava a ser um diretor famoso de Hollywood, mas caiu em desgraça depois de fazer sexo com uma criança sem pentelhos. No final do filme, a história termina não deixando claro se tudo foi realidade ou apenas uma ilusão. A polícia, porém, tem fotos da fissura anal na pobre menina.

Tess - Uma Lição de Vida (1979)[editar]

Natassja Kinski interpreta Tess, uma camponesa adolescente que é currada diariamente por seu pai Klaus Kinski. Ela descobre que na verdade é uma duquesa, ou alguma outra porra parecida, e consegue escapar de sua existência miserável plantando nabos no meio do nada. Natassja tinha 16 anos e peitinhos de siri quando o filme foi feito, o que incentivou Polanski a passar a faca direto, já que ela era muito velha para os padrões dele.

O Pirata (1986)[editar]

Depois de sete anos de ostracismo pela comunidade internacional, Polanski finalmente lança o primeiro filme da série Piratas do Caribe. Walter Matthau interpreta o Capitão Red, um pirata com a perna de pênis, olho do cu de vidro e cara de buldogue. Quando seu navio afunda e a água bate em sua bunda, o capitão sifilítico e seu ajudante Guybrush Threepwood viram náufragos em uma ilha deserta. Os dois ficam se revezando no barril, deixando o capitão com muita fome e com uma vontade louca de comer o lombo de seu subordinado. A dupla é regatada posteriormente por um galeão espanhol, onde sofrem torturas criativas pela Inquisição. O capitão enterra seu tesouro no meio das nádegas, o que provoca um motim entre a tripulação da espaçonave U.S.S. Enterprise.

Busca Frenética (1988)[editar]

Harrison Ford interpreta um turista trouxa que perde sua mulher velha em Paris, e fica sem uma vagina cabeluda e enrugada para lamber de noite. Indignado, ele fica com raiva da França e seus queijos fedorentos, e resolve comer uma lolita como vingança. Polanski continua sua busca frenética por bucetinhas zero-quilômetro, dessa vez arruinando uma francesinha com cara de bebê que estava dando sopa (e o rabo) por perto.

Lua de Fel (1992)[editar]

Nigel (Hugh Grant) e sua mulher Fiona (Esqueleto Humano) estão viajando em um cruzeiro no navio Titanic, quando encontram o casal Oscar (Willy E. Coyote) e Mimi (Putinha Ilegal Casada Com o Polanski). Oscar ficou paralítico após fazer sexo com Mandingo, mas continua usando Mimi para satisfazer suas fantasias sexuais com cavalos. Nigel come Mimi, Mimi fode com Fiona, Fiona faz sexo com um peixe-espada e Oscar bate uma punheta assistindo tudo. A putaria termina quando a embarcação é estuprada por um iceberg e afunda no Triângulo das Bermudas.

A Morte e a Donzela (1994)[editar]

Paulina Escobar (Tenente Ellen Ripley) é uma neurótica histérica traumatizada pelas torturas sofridas durante o regime de Augusto Pinochet, Adolf Hitler e Tiririca. Em um dia chuvoso e frio, seu marido imbecil e corno chega em casa com uma surpresa: um vibrador gigante o diretor de cinema Roman Polanski vestindo uma tanga vermelha e uma gravata borboleta. Depois de vomitar bastante, Paulina reconhece Polanski como um dos torturadores que abusou de seu corpo quando ela era uma jovem de apenas 13 anos. Ela resolve curar todos os seus recalques, torturando o judeu desgraçado com músicas do Linkin Park, Jonas Brothers, e uma retrospectiva de cinema francês.

Ver também[editar]


v d e h