Ratt

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Arband.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

As ratazanas em sua melhor forma

Mickey Ratt é mais uma daquelas bandas infernais de glam metal dos anos 80, que todo mundo conhecia só uma música: ROUND AND ROUND!!!

Biografia[editar]

O Ratt foi deformado em San Diego, Califórnia (EUA), nos anos 70. A banda que começou a carreira com o nome Mickey Ratt, que foi mudado para apenas Ratt no ano de 1983 (por conta de um processo da Disney), tinha em sua formação Estevão Percival no vocal, Robin, o Menino Prodígio e Uála De Martini nas guitarras, Don Juan Coxinha no baixo e Beto Bolha na bateria.

No ano de 1983 a banda lançou seu primeiro EP independente e auto-intitulado, e depois lançou em 1984 o álbum "Fugindo da Cela". Na turnê deste álbum o Ratt chegou a fazer 3 shows em 14 meses. O álbum acabou sendo um sucesso absoluto vendendo menos de 3 cópias, embalados pelo single "Round and Round" que virou febre na eMoTV.

O próximo álbum, "Invadindo a Sua Privada", não obteve a mesma vendagem do álbum anterior (com um nome desses, pudera né?), mas mesmo assim a banda conseguiu um número bem expressivo de mais de 1 cópia vendida, o que manteve o status da banda em nível bem fracassado, tendo de sair em turnê com o Bon Jovi abrindo, o que resultou em uma briga com a banda naquela turnê por conta de insuficiencia de laquê nos camarins.

O álbum seguinte saiu em 1986 sob o título "Dançando Peladão". Em 1988 saiu "Toque do Céu". Mas os problemas começam após o lançamento de "Detonator", de 1990, em que estreou o atual vocalista do Massacration nos vocais auxiliares. É que o hard rock glam metal na época estava se enfraquecendo e começava a "onda Nirvana grunge" que durou até meados de 1993. Com isso as bandas glam foram discriminadas pela mídia por causa do visual gay e o Ratt, que havia lançado um álbum fraco, que vendeu menos de 1 cópia, estava indo à ruína. Em 1991 é lançada a coletânea "Ratos Rolam 81-91", que também não vendeu porra nenhuma. Nessa época Robin Crocrete deixa a banda pra virar parceiro do Batimã.

Com os álbuns vendendo cada vez menos (chegando a vender -560 cópias) e o Nirvana grunge dominando a cena, os problemas internos se agravaram. Em 1992 Estevão Percival deixa a banda e forma a banda Arcade, e depois o Vertex. Ambas chegaram a lançar álbuns mas sem nenhum sucesso, por causa desses nomes de jogos do Atari. Em 1994 Robin Crocrete descobre que está com SIDA, por causa de sua vida promíscua na época que estava na banda, saindo com muitas mulheres (entre as quais a patroa do David Coverdale) e homens também.

Em 1997 Percival, depois de voltas e voltas, refaz a banda e o Ratt lança o álbum "Colágeno". Em 1999 lançam outro álbum auto-intitulado (ou seja, RATO). Após esses dois trabalhos Estevão Percival deixa o Ratt (de novo?) e começa a brigar judicialmente contra os outros integrantes pelo nome Ratt rimel que ele esqueceu num dos quartos da banda e os outros membros não queriam devolver.

Mesmo sem Percy o Ratt segue em frente com uma formação diferente que conta com Jasão Pérola (ex Love/Hate) nos vocais, João Com-Rabo (ex-vocalista do Mötley Crüe, que durou dois meses na dita banda porque o cara era pior que o Vince Neil) na guitarra, Roberto Crânio no baixo, além é claro de Ualá De Martini e Beto Bolha.

Em 2002 Robin Crocrete morre de overdose de gatinhos (e não de AIDS, seu fã alienado e idiota) em seu barraco numa favela de Hollywood. No mesmo ano Estevão Percy perde o direito sobre o tal rimel, que acaba ficando de vez com Beto e Uála. Ainda em 2002 a banda saí em turnê ao lado do Uárranta, Douokku, Eslauguiter e Guns sem os Roses.

Em 2007, Percy retorna ao Ratt (de novo, novamente, mais uma vez) e a banda sai em excursão. Até hoje não voltaram. Ainda bem.

Ligações externas[editar]

O site das bibas