Palenque

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Doritos.jpg ¡Yo lo no conozco, señor!

Esta es más una de las porquerías que viénen del México, como la Televisa, El Chavo del Ocho, Thalía y Moderatto. Lo autor está en una cantina en Tuxtla comiendo tacos con jalapeño y guacamole.


Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.

Cquote1.png Você quis dizer: Palanque Cquote2.png
Google sobre Palenque

Palenque foi uma antiga cidade maia localizada no estado mexicano de Tapas (Guatemala), não era das maiores cidades, era como uma cidade do interior, não aparecia nem nos mapas, o que leva a crer que a cidade era secreta. A grande peculiaridade da cidade é que ela é uma das mais bem conservadas do Império Maia, sabe-se que isso se deve ao fato da cidade ser dominada por mulheres, e você já sabe, ninguém é melhor com a vassoura que as mulheres, daí o segredo da boa conservação da cidade.

História[editar]

Entrada do Antigo Prostíbulo. SE você subisse as escadarias de joelhos ganhava uma punheta grátis.

Pouquíssimo se sabe sobre a história de Palenque, arqueólogos forenses e documentaristas do History Channel reconstroem a história da cidade com base nos desenhos nas paredes das cavernas locais que parecem ter sido feitos por crianças e hieroglifos com uma linguajem indecifrável.

O fundador da cidade foi K'uk B'alam I e pensava-se inicialmente que o local era um ambiente de soltação de franga de gays maias, mas depois essa teoria foi desmentida quando constatou-se que o domínio de Palenque era feito por mulheres (como se fossem Amazonas) e os fósseis de homens castrados encontrados não tinham haver com a sexualidade deles e sim com os rituais maias feitos pelas mulheres de Palenque.

Descobriu-se que a cidade era dominada por mulheres depois que foram encontrados anéis, colares, brincos, braceletes, vibradores, batons, sutiãs, vassouras, rolos de macarrão e a evidência mais importante, fósseis femininos com restos de silicone por todo o corpo, o que representa poder aquisitivo e leva a crer que as mulheres de Palenque eram da classe dominante da cidade.

Sabe-se também que a cidade foi um puteiro da antiguidade.

A cidade acabou depois da chegada dos espanhóis, que abriram puteiros por todo o México e Palenque não aguentou a concorrência.

O local sempre foi uma lenda, mas foi descoberto acidentamente por espanhóis que buscavam madeiras finas (devastação ambiental alheia) e acabaram descobrindo a Cidade de Palenque. Hoje a cidade é símbolo do orgulho feminino no México.

Templos[editar]

A cidade é formada por 500 edifícios que parecem grandes escadarias, que são chamados de templos. Cada um desses templos era habitado por umas 50 prostitutas sacerdotisas que tinham como objetivo de vida satisfazer peregrinos que migravam a Palenque para cumprirem o antigo "Ritual de Acasalamento Maia".

O destaque ficava por conta do "Templo de La Reina Roja", o maior puteiro do mundo, pertenceu a Rainha Roja, a maior ninfomaníaca e cafetina da história da humanidade.

Palenques Ilustres[editar]