O Negócio é comer Pão com Manteiga

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Letras2.jpg Este artigo é relacionado à literatura.

E prefere o livro ao filme.

Desentrevistasminibox.PNG O Desentrevistas
possui uma entrevista com
Cara do pão com manteiga

AVISO:

Esse artigo é a versão leve. Algumas palavras a seguir foram modificadas. Mas se porventura você quiser ler a versão pesada, clique aqui e fique a vontade.

AVISO: Esse artigo não tem intenção de ofender nenhum direito autoral. Se você se sentiu ofendido, contate o autor.

O negócio é comer pão com manteiga é um poema escrito por uma pessoa com voz de dependente químico, que mostra aos admiradores da boa literatura brasileira todos os pensamentos surrealistas e dadaísticos desse grande poeta e pensador brasileiro.

Como revela a resposta para a vida, o universo e tudo mais, esse belíssimo poema garantiu ao autor um lugar de honra na Academia Brasileira de Letras e no YouTube. Essa adaptação do poema teve grande aprovação por parte de todos os brasileiros, principalmente entre os favelados (99% da população), afinal, quem se importa com as poesias de Carlos Drummond de Andrade, por exemplo, se pode-se apreciar todas as belíssimas rimas bem coordenadas de o negócio é comer pão com manteiga?

Letra poética[editar]

Ela não gosta Nem de house Nem de punk Vem aí, A Rainha do Funk. Uuuuu...

Tô sentindo Que tá todo mundo Com a garganta entupida Mas vamos gritar Porque vem aí a comida.

(A partir daí, todo mundo fica doido) Eu vou ensinar como se faz Pega, passa a manteiga toda Esculacha, que tá demais.

Ela gosta de leite Moça Porque é bom demais

O negócio é comer pão Com manteiga E ainda vamos dizer Veremos Vem aí É o que lemos.

Vídeo[editar]