Neptúnio

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Neptúnio
Neptúnio.jpg
Pedaço aparentemente inofensivo de neptúnio, tipo o césio-137
Símbolo, número Np, 93
Série Radioativídio
Principal isótopo 237Np
Propriedades atômicas
Massa atômica 237,0482 cus
Dureza Desconhecida porque ninguém quis morrer testando ainda
Nível de radioatividade Altíssima nível Hulk
Nível de toxicidade Desconhecida
Propriedades físicas
Comestível? Não recomendado pela OMS
Inalável? Não
Posso passar na pele? Só em Goiânia
Onde encontrar Netuno
ponto de fudição Dado irrelevante
ponto de rebuliço Dado irrelevante
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói Alta; te transforma no Aquamen



Neptúnio é um elemento químico artificial que foi criado só para existir algo depois do urânio, altamente radioativo e portanto desnecessário para fins pacíficos, porque se quer paz, produza alumínio, encha as latinhas de cerveja de boa qualidade e chame seu inimigo para uma noitada ao invés de produzir neptúnio para gerar bombas nucleares capazes de dizimar uma cidade inteira.

Características[editar]

Elemento radioativo, instável psicologicamente, metálico e com alto potencial assassino, emite radiação beta mais eficaz que Lico de Cair Pinto para fazer pinto cair. Nenhum de seus isótopos é permanente e decaem como todo bom átomo radioativo, mas dada a meia-vida de 2 milhões de anos do 237Np, alguns consideram o neptúnio um átomo estável, pois é possível durante uma vida inteira morrer ao ter contato com um desses.

Ao contrário do que o nome nos leva a deduzir, não é extraído ou encontrado no planeta Netuno, embora possa haver alguns de seus depósitos em algum lugar sob a Grande Mancha Escura, explicando a sua existência no tal planeta. Na Terra neptúnio é produzido em reatores nucleares como efeito colateral da produção de plutônio para fins nada amistosos. Portanto é possível você rastrear o nível de malignidade de determinados países baseados na sua taxa de produção anual de neptúnio.

Uma vez solto no ambiente o neptúnio é aceito como uma das maiores escórias do meio ambiente porque é radioativo e dura milhões de anos, então produções em excesso de neptúnio podem acabar transformando o planeta numa grande Fallout porque não há chumbo que possa lacrar tanto lixo radioativo. Na melhor das hipóteses é só despejar esse neptúnio lacrado em esquifes de chumbo na Fossa das Marianas que o máximo que pode acontecer é um kaiju raivoso sair lá de baixo pra destruir Tokyo, mas nada que o Godzilla já não esteja acostumado a combater..

História[editar]

O neptúnio é apenas o primeiro de uma vasta série de elementos artificiais que viriam a ser criados por químicos com TOC pra preencher a tabela periódica até o número 118. O neptúnio foi desenvolvido acidentalmente como lixo em 1940 por Edwin McMillan e Philip Abelson enquanto fabricavam a bomba atômica no Projeto Manhattan. Por ser lixo radioativo o único país do mundo que usa neptúnio pra fabricar bomba atômica é a Coreia do Norte.

Aplicações[editar]

O neptúnio obtido como resíduo em usinas nucleares é muito útil e pode ser enterrado em um campo de em uma aldeia próxima de modo que os agricultores locais se transformem no exército de zumbis e possam assim servir como excelente defesa contra invasores indesejados, um uso para o neptúnio muito utilizados pelos soviéticos na Bielorrússia da Guerra Fria, o que evitou por décadas uma invasão da OTAN sobre Moscou.

Outro uso menos frequente para o neptúnio é a sua grande utilidade como substituto do plutônio ou urânio na produção de bombas atômicas, sendo possível produzir mais bombas com o lixo das primeiras bombas fabricadas, de modo que todas as comissões internacionais fiquem de olho no seu país depois de descobrirem seu programa nuclear nada pacífico que deseja destruir Israel, só permitem que os países adquiram anualmente 54kg de Netuno, o suficiente apenas para dizimar uma cidade de médio porte da superfície da Terra, como Osasco.