Misfortune

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Night creature.JPG Misfortune surgiu das trevas!!

E à meia-noite vai levar a tua alma!

Puro osso.gif


Misfortune
I'm God Here.png

MWAHAHAHAHAHA!

Informações
Desenvolvedor Nintendo
Publicador Nintendo
360 Graus
EA Games
Ano Previsto para ser lançado no 4º trimestre de 2014 no Brasil e nos EUA. Na Europa, eu não sei. No Japão também eu não sei.
Gênero 2D
Plataformas Microsoft Windows (PC), Mac, Ubuntu Linux, Debian Linux, PlayStation 2, PlayStation 3, PlayStation 4, Xbox 360, Xbox One, Wii, Wii U, Nintendo DS, Nintendo 3DS, PSP, PSVita, Solaris, Dreamcast, Windows Mobile, iPhone/iPod Touch, iPad, Android 2.0 ou superior, Symbian S60 v3/v5, Symbian ^3, J2ME (todos os celulares, desde que suportem o Java)
Avaliação 100
Idade para jogar Proibido para menores de 20 17 anos nos Estados Unidos. No Brasil, todos podem jogar.

Cquote1.png Ai, que infortúnio! Cquote2.png
Funérea sobre Misfortune

Misfortune (Infortúnio) é um joguinho besta do Nokia, com gráficos inferiores ao famoso Snake. Seu protagonista é um garoto branco preso em um labirinto com um fantasminha preto afrodescendente com orelhas de Pokémon e cara de filho da puta. Ah, ele também tem o rabo do capeta. Que coisa, não? O jogo começa com garoto entrando no labirinto. Não se sabe como ele foi parar ali, é consensuado de que este tenha autismo.

O tal fantasminha aparece e começa a trollar o pobre garotinho. O fantasminha nunca fala seu nome, mas é claro que é o deabo, quem mais? Quando o fantasminha é encontrado, aparece uma caixa de texto dizendo Eu existo dentro do próprio tecido da realidade. Você quer me desafiar?. Você, com cara de besta por não ter entendido porra nenhuma que o fantasminha quis falar, opta por escolher sim. Como o fantasminha não tem cara de capeta (mesmo sendo o capeta) e sim a cara de um Teletubbie, você óbviamente não escolherá não.

O Jogo[editar]

O autista é transportado por labirintos mais locôes ainda, cheios de buracos, portas, portas com chaves (e Seu Madruga) e armadilhas. O objetivo do garotinho autista é sobreviver a cada quatro (mas quatro o quê? A Creepypasta não diz), chegando até as escadas e entrar em cano verde para chegar até a próxima fase, ou resolvendo um quebra-cabeça. Qual dos dois? Joga pra saber!!! Pode ser um enigma clichê como numa porta há a próxima fase, nas outras a Regina Casé pelada.

Um bom exemplo da bagaça é quando há quatro casas e uma caixa de texto diz: Escolha errado e infortúnio caíra sobre seus amados. Voce está pronto para jogar? Você novamente não entende carai nenhum e escolhe uma porta. Se escolher a porta errada, vai aparecer uma tela preta com o fantasminha afrodescendente no centro da tela, fazendo cara de filho da puta e ostentando seus músculos, com uma caixa de texto escrita Eu sou Deus aqui. Nessa hora você se caga.

Algumas pessoas que jogaram o diabo do jogo e perderam (e alguém jogou o diabo do jogo e ganhou?) começaram a sofrer de depressão. É claro que, pelo bom senso, todos concluem se tratar de mera viadagem e não aproveitam isto para dizer que o jogo é do demônio ou algo do tipo. Mas a coisa fica afrodescendente quando aparecem casos de pessoas que se mataram depois de perder o jogo. Mas desde de os casos de gurias retardadas que se mataram após suas mamães as proibirem de ir ao show do Justin Bieber, o suicídio por motivo fútil virou quase uma rotina. Mas a coisa perdeu o sentido mesmo quando foi descoberto que pessoas perderam o emprego após perderem o jogo.

Pois é, parece que ganhar ou perder o jogo faz parte do seu currículo, e a ausência de uma vitória no currículo queima a reputação da empresa. Uns dizem que era a tela de fim do jogo (a tela preta com o fantasminha afrodescendente no centro da tela, fazendo cara de filho da puta e ostentando seus músculos, com uma caixa de texto escrita "Eu sou Deus aqui"), outros dizem que era a música, que ninguém tem coragem de ouvir para averiguar senão se cagam.

Adquirindo...[editar]

A música do jogo é a Música de Lavender Town, mas é dito que a tela de fim do jogo (a tela preta com o fantasminha afrodescendente no centro da tela, fazendo cara de filho da puta e ostentando seus músculos, com uma caixa de texto escrita "Eu sou Deus aqui") possui uma música da Xuxa tocando ao contrário. Isso leva á suicídio imediato. O fato é que muitas pessoas ouviram falar desse game besta, mas nenhum metido a machão conseguiu segurar o cagaço e ter coragem de jogar.

Mas para não perderem a reputação de machôes, resolvem querer comprar o jogo para tirar uma com a cara dos miguxos. O fato é que, como bons metidos á machão, estes possuem uma coleção de game-boys ao melhor estilo Dota e League of Legends. E a resposta para eles é a seguinte: você já tem ele, bocó. Se você procurou que nem besta em sua coleção e não achou, procure de novo. Não no cartucho, bestalhão, mas dentro dele. Não vá me quebrar o cartucho tentando achar o tal fantasminha afrodescendente com cara de filho da puta lá dentro. Você tem que fazer algumas coisas em alguns de seus jogos para conseguir jogar o Misfortune.

Não há muita informação na internet (mentira) a respeito. Mas é dito que alguns jogos que tem o Misfortune dentro são: Legend of Zelda: Link's Awakenin, Pokémon: Red, Spud's Adventure, Puchi Carat, Atelier Marie (JP), Pokemon Yellow e qualquer um dos jogos que já protagonizaram uma creepypasta (ou seja, todos). Como Misfortune é uma creepypasta clichê, permita-me dizer que o jogo iria ser lanchado lançado em cartucho mas a legislação e o governo proibiram. Por isso a Nintendo teria o escondido em outros joguinhos igualmente toscos. Tá, esta última parte foi inventada por fãs da SEGA e do Sonic, com raiva da creepypasta Sonic.exe ter acabado com as suas infâncias.

Ver também[editar]