Margaret Gardiner

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
ESTE ARTIGO É SOBRE UMA EX-GOSTOSA!!

Se você acha que ela está enrugada, gorda ou morta e enterrada, é porque o Tempo, o grande comedor, também traçou esta. Respeite os veteranos e não vandalize este artigo! Gerações passadas já homenagearam na intimidade do banheiro esta

EX-GOSTOSA

Manchete1517.jpg
Margaret Gardiner
Margaret.jpg
E só tinha 18 anos
Origem South Africa flag.png África do Sul
Data 21 de agosto de 1959
Onde trabalha Los Angeles
Talento(s) Mentir
Dados
Cabelos Castanhos
Olhos Verdes
Altura 1,78
Peso Você não vai querer saber quanto ela está pesando
Busto Atualmente já não é mais excitante saber isso
Cintura Idem
Quadril Idem
Coxa Idem
Perfil
Hobby(ies) Fingir de jornalista
Característica marcante O impressionante enfeiamento
Frase Cquote1.png Me casaria com qualquer homem que amasse Cquote2.png
Prêmios Miss África do Sul 1978; e Miss Universo 1978
Website
[1]

Cquote1.png Não menti! Eu só distorci a verdade. Cquote2.png
Margaret Gardiner sobre Margaret Gardiner
Cquote1.png Linda e absoluta! Cquote2.png
Teu pai sobre Margaret Gardiner
Cquote1.png Eu acho ela gorda demais! Cquote2.png
Você sobre Margaret Gardiner

Margarida Gardênia (Woodstock, 21 de agosto de 1959) era uma modelo, Miss Universo 1978, magrela e sem graça como todas as misses. Entrou para a história do concurso por ser racista e ter recebido o título das mãos de uma negra, Janelle Commisiong.

Vida pessoal e carreira[editar]

Não adianta chorar, sua namorada também vai ficar assim um dia.

Antes de ser eleita Miss, Margaret Gardiner já faturava alto (e bota alto nisso: 1,78m!) como supermodelo desfilando nas passarelas da África do Sul, Paris, Brasil e Argentina. Quando o Miss Universo elegeu a candidata de Trinidad e Tobago Janelle Commisiong como representante em 1977, a África do Sul ficou indignada, pois ela era negra. Então, o racista país, que vivia oficialmente sob o regime do apartheid, obrigou Margaret a candidatar-se no ano seguinte. Pela beleza ela certamente já estaria eleita, o problema seria demonstrar inteligência e disfarçar o preconceito.

Quando chegou o dia do evento, Margaret ficou em quarto lugar entre as cinco finalistas, mas até o momento havia contado apenas com sua sorte de mulher gostosa e não havia precisado abrir a boca para falar. Então, chegou a hora daquelas perguntas imbecis sorteadas pela imprensa, e a de Margaret foi Cquote1.png Você se casaria com um negro africano? Cquote2.png Ela simplesmente respondeu que se casaria com qualquer homem que amasse, e assim faturou o título de mulher mais bela do universo. Atualmente, Maggy é uma jornalista baranga, velha e gorda que não lembra em nada a mulher bonita que foi no passado, e casou-se com o professor universitário Andre Nel, que logicamente é branco.