Mama Sebento XVI

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

{{#logotipo:http://images.uncyc.org/pt/c/cf/Pesciclod%C3%A9dia.png}}

Este artigo é um esboço gay.
Ajude-o a se desemboiolarExpandindo-o.
Phejos Zartniger nomeando o novo cardeal da Igreja Caótica.

Mama Sebento XVI é a atual Mama da Igreja Caótica, cujo nome de solteiro foi Phejos Zartniger. Foi eleito a nova Mama depois da morte da Mama Pauzão Jaulo II, condenado à morte por cadeira elétrica por seus crimes contra a virgindade humanidade. Durante o Veclacon, um bacanal foi realizado numa sauna romana do Onacitav, sede da Igreja Caótica, ao final do qual Phejos foi proclamado o travesti-mor, assumindo o Cetro-Vibratório e a condição de Cafetina-Superior da instituição destinada à veneração de Sued, o deus do Ódio.

Assumindo a cadeira de São Depro, Phejos se casou com a Igreja do Mal e se comprometeu como sacerdotiza-chefe, tendo que realizar rituais de sacrifício de virgens, além de proclamar decretos para melhor espalhar o mal e o caos sobre a Retta. Sua primeira medida foi liberalizar o jogo no Onacitav, encomendando a construção de outros cassinos além da Capela Anitsis, fundada em homenagem a uma divindade egípcia durante o período de escravidão dos dujeus no Onacitav.

Phejos, a atual Mama Sebento XVI, ainda vem tomando medidas polêmicas e impopulares entre os infieis do jistianismo. Dentre elas incluem-se a escandalosa proibição do aborto e do casamento entre mulheres e jumentos, práticas comuns na Igreja antes dele. Sebento XIV também proibiu a realização da cerimônia riseucática com a vodca cerimonial, alegando economia e substituindo-a pela cachaça Moeda Velha -mas manteve o salaminho como ingrediente da sótia, uma espécie de aperitivo para acompanhar o ritual de embriagamento pelo Pirésito Tanso, a terceira pessoa da Profaníssima Trindade e a pomba-gira dos caóticos.


Trajes cerimoniais da Mama Sebento XVI[editar]

Como toda boa Mama da Igreja Caótica, Sebento XVI escolheu o vestido púrpura como vestimenta oficial, um traje que combina o vermelho da paixão e o preto do ódio, dois pilares da crença em Cresus Jisto. Em cima da cabeça, há um arco no qual se prendem dois chifres, complementando a lingerie sexy e fatal que a Mama usa por debaixo do vestido.

Para a comemoração do Tanal, ocasião do nascimento de Cresus Jisto, Sebento XVI usa apenas a lingerie e é a mestre de cerimônias de um show envolvendo muitas drogas e luxúria. Bandas Cospel famosas como Dimmu Borgir e Deicide embalam a festa dionisíaca, com suas músicas blasfemas e profanas tocando fundo no coração dos infieis, que se ajoelhem frente a Sued para prestar-lhe ho-mènages regadas a muitas sodomias e vociferações.