Carl Jung

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Jung)
Ir para: navegação, pesquisa
Forever Jung / I wanna be, forever Jung!

Cquote1.png Então você sonhou com dois crânios, Jung? Porra, ignore o resto, esses dois crânios... Eles simbolizam a morte e tem formato fálico... Você quer matar alguém... Esses crânios representam sua cunhada e sua esposa, e o formato fálico dos crânios representa o seu desejo que ambas fossem homens Cquote2.png
Freud em sua primeira briguinha de casal com Jung
Cquote1.png Filho da puta! Cquote2.png
Freud depois de Jung o trair
Cquote1.png Junguianos são astrólogos bichas enrustidos que se dizem psicólogos! Cquote2.png
Psicólogo Freudiano que sofre bullying de psicólogos Junguianos, a maioria

Carl Gustav Jung foi um dos primeiros psicólogos da Pangéia depois de Freud a acrescentar o Marxismo cultural e o anarcocapitalismo conjugados a psicanálise e um dos primeiros de vários que Freud viria a chamar de "Filhos da puta". Ao contrário dos outros "filhos da puta", Jung fora amante de Freud para "Depois traí-lo como uma piranha insensível" escreveu anos depois Freud em seu diários guardado dentro de seu ursinho predileto.

Mas Jung é mais do que um ex-do-Freud, ele é também... Digo... Ele foi presidente de uma merda de psicologia psicodélica da Europa por uns tempos além de formular várias teorias que ficaram ultrapassadas, mas não tão ultrapassadas quanto as de Freud.

Infância[editar]

Criado por um pastor de fé duvidosa e uma mãe espírita, esses dois acabaram por influenciar a pessoa que Jung seria no futuro: neurótica e psicótica, do tipo que, ao se deitar para dormir, começava a pensar "Será que vou acordar amanhã? Será que o registro do chuveiro foi fechado? E existem chuveiros no século 19?". A mãe ajudou em parte nisso, trancando o guri uma vez por semana em uma sala cheia de cadeiras para ver se o guri desenvolvia habilidades psíquicas como entortar garfos e falar com gente morta.

Mais tarde foi descoberto que Jung puxou sua característica de experiências sádicas de sua mãe. Já de seu pai, que chegava sempre cansado em casa de tanto rezar missas e levar as ovelhas para passear, achava o trabalho religioso um saco.

Aos 6 anos de idade, o pai de Jung ouviu o primeiro sonho perturbado do filho, em que este era perseguido por fadas Sininhos que queriam enrrabá-lo. A mãe ocultista passou a fazer mais testes no menino o deixando mais neurótico. Jung nunca mais contou seus sonhos outra vez e aquelas fadas o atormentaram por anos a fio, deixando Jung parecer com uma criança encapetada e cheia de olheiras vinda do filme O Iluminado.

Rumo à psicologia[editar]

Carlzinho já era adolescente e devorava livros esotéricos que sua mãe lia, porém nada fazia sentido (talvez porque os livros estavam escritos em lituano). O menino passou então a comprar livros esotéricos de astrologia nas bibliotecas, porém, apesar de serem na mesma língua de Jung, eram igualmente ridículos e sem sentido. Jung procurava esses livros por dois motivos:

  • Descobrir por que as fadas o atormentavam e como matá-las.
  • Afagar seu ego, pois havia outros milhares de garotos com corte de cabelo em formato de tigela que um boi lambeu.

Então o rapaz começou a ler livros dos sonhos. Estes eram infinitamente mais atrasados e perturbadores que os livros de astrologia. Foi nessa seção que Jung teve o primeiro contato com o livro A interpretação de sonhos de Sigmund Freud, seu futuro mestre. Foi pura sorte ter encontrado um livro que demorou 20 anos para esgotar e que vendeu 60 cópias, 50 que o próprio Freud comprara e 10 para jovens aleatórios, dentre eles Jung.

O encontro com Freud[editar]

Cquote1.png Nosso cadavérico amigo lembra-me daquele sonho que você me contou, Jung! Cquote2.png
Sigmund Freud, mexendo outra vez na ferida
Cquote1.png Que sonho, cacete? O da piroca ou o dos crânios? Cquote2.png
Carl Jung se fazendo de desentedido

Freud então reuniu um grupo de interessados para discutir com ele ideias de psicologia. A reunião foi um fracasso, e fora realizada no interior do Liechtenstein, somente Jung que estava apaixonado por pelos livros de Freud compareceu. Como Freud era um fracassado e precisava mais do que nunca de um puxa-saco para se sentir melhor decidiu tomar Jung como seu "pupilo", ambos saíram juntos em palestras pelos Estados Unidos e Europa formulando teorias e outras merdas de psicologia, foi aí que os dois se apaixonaram e começaram um romance.

Colisão de ideias[editar]

Mesmo aprendendo muito com Freud, tanto na cama quanto na psicologia, Jung não conseguira atingir seu objetivo principal: descobrir porque as fadas o atacavam nos sonhos e como matá-las. Quando Freud e Jung tiravam férias davam palestras pelos EUA o pupilo teve um sonho que estava em uma casa, quanto mais andares ele descia mais velha e brega a casa ficava, quando ele chegou no porão viu um buraco onde encontrou dois crânios e um vibrador. O sonho acaba com uma fada cegando Jung com purpurina.

Freud e o pupilo interpretavam os sonhos um do outro toda manhã, quando Jung contou seu sonho ao mestre este disse que ele queria matar sua cunhada e esposa para casar com o mestre. Jung, que era medroso demais para sair do armário, tentou argumentar dizendo que não concordava muito com as ideias do mestre.

Cita3.pngContinue discordando, Jung, e vai dormir no sofá!Cita4.png
Freud sobre idéias de Jung

O pupilo ficou quieto e se afastou aos poucos bolando uma nova teoria para o significado dos sonhos. Seria o começo do fim do amor Freud-Jung.

Rompimento e depressão[editar]

Quando os dois voltaram para a europa e Jung preparava uma teoria solo (antigamente um precisava do outro pra lançar suas teorias) Freud notou que o pupilo escondia algo dele. Após pressioná-lo Jung racha o bico e conta que achava um monte de merda sem sentido que Freud falava e que ele era um viciado em sexo. Freud somente fumou seu cachimbo e comentou:

Cquote1.png Jung, tome cuidado, você está levando suas teorias para o lado exotérico, e essas porras exotéricas só servem para afagar o ego de um bando de caipiras que acredita ser especial e que sonhar com um pênis com asas vai mudar sua vida para melhor. Estamos rompendo Jung Cquote2.png
Freud em seu último comentário

Jung ainda tentava reatar seu namoro mas, três anos depois da última conversa, em 1913, Jung assumiu a presidência de uma porra de psicologia da Europa e isso não deixou Freud nem um pouco feliz. Por sete anos, Jung encarnou num Van Gogh que passava o dia chorando no canto e pensando em motivos para não comprar um revólver. Gastando todos as suas economias em tinta e sem produzir nenhuma teoria psicológica. Depois de sete anos encarando sozinho a depressão ele conseguiu vencer.

Já Freud, não deu a mínima, arranjou um Babuíno, chamou-lhe de Carl Jung e, assim, fez com que a Psicanálise virasse uma piada ao mostrar que até um macaco poderia ouvir pessoas falando num divã.

Para retrucar, Jung demonstrou um pouco de simpatia para o Nazismo, tudo porque Freud também era judeu.

Obras[editar]

Eu invoco... CARL GUSTAV JUNG!
  • Sincroci... Sincroni... Sinicro... Bah!: Segundo a Wikipédia - acha mesmo que vou pegar a obra completa pela internet ou procurar a obra em uma biblioteca com cheiro de mofo? Ah não, qualquer idiota, como eu, sabe que é mais fácil ler um artigo escrito por outro idiota na Wikipédia - essa foi uma das porras estudas por Jung. É quando uma CAUSAlidade bate com uma Acausalidade formando uma CASUAlidade. Um gesto fala melhor que palavras. Digamos que você foi numa balada em Jequitinhonha, uma cidade mineira cheia de pó e nenhuma mulher bonita, justamente no esgoto você irá encontrar uma mulher muito gostosa, sueca, louca para dar para um perdedor como você. Isso é Sincro...alguma porra lá, é algo esperável se você pensar que é impossível de acontecer.
  • Teoria das personalidades: Como o próprio nome diz fala sobre tipos de personalidade e sua formação. Temos aqui quatro conceitos, Estrutura da personalidade (a base), processos da personalidade (sua formação), desenvolvimento da personalidade (progressão) e modificação comportamental (alguma porra a respeito da personalidade).
    • O que aquele artigo sem sentido da Wikipédia vos ensinou foi esse exemplo tipicamente brasileiro: Temos uma criança nascida numa comunidade do Comando Vermelho. A base da personalidade (Estrutura da personalidade) é o que os pais querem que ela seja, bem, quem mora numa comunidade da favela não se importa com isso pois dificilmente alguém passa dos 20 anos por lá. Logo a personalidade é lapida pelo meio exterior (Processos de formação da personalidade), o guri será um rele analfabeto ou um futuro guarda do traficante do morro? O menino começa a frequentar o morro e temos a influência (Desenvolvimento da personalidade) em que ele começa a pegar o dialeto da comunidade Olha a lôra aí Zé!, Vamô nos diverti com os alemão!, Parapapapapapapaparapapa.... E por fim quando a criança já se encontra como guardião do traficante, um caminho quase sem volta, nesse conceito, Modificação comportamental, está a capacidade desse sujeito mudar a personalidade. Então ele agirá sempre como guarda fiel do traficante ou será um X-9 quando o Capitão Nascimento chegar com uma vassoura?
  • Psicologia Análitica: Segundo psicanalistas, o estudo dos tagarelas, usado atualmente pelos psicólogos, os quais pessoas perturbadas e desestabilizadas como você vão toda semana. Criado somente para contrariar Freud.
  • Psique Objetiva: É a teoria dos sonhos na versão de Jung. Junguizinho acreditava que os sonhos eram o seu inconsciente nosso falando. Foi o trabalho que mais o homem demorou para completar, uns 20 anos atrasados por sua fase emo. Dizia-se que cada imagem do sonhos possuíam um ou mais significados, Jung passou anos e anos procurando significados na mitologia e culturas de diversos países para achá-los. Nessa teoria surgem os arquétipos, imagens dos sonhos com significados fixos, por exemplo, um vibrador é um arquétipo! Seu inconsciente está querendo dizer hora de sair do armário, bee. Foi com essa teoria que o psicólogo virou o queridinho dos psicólogos dos sonhos, que estavam passando fome na época, mas foram salvos por Jung.

Fim da vida[editar]

Depois de um tempo servindo no exército neutro da Suíça durante a segunda guerra mundial, que consistia em ficar parado assistindo a Alemanha nocautear os aliados e então chegar a União Soviética e os Estados Unidos para nocautear a Alemanha, Jung voltou, fez uma casa no campo cheio de simbolismos, foi ao funeral de Freud, cuspir no caixão do amigo, e então ficou velho, ironicamente, fumando cachimbo como o falecido inimigo.

Passou a vida procurando o significado de fadas o atacarem nos sonhos quando teve sua última interpretação.

Cquote1.png Eu estava a caminhar por um caminho pensando na minha longa vida quando tropecei em uma pedra-sabão. Peguei a pedra e então li o que estava escrito nela: "Eis a recompensa por todo seu trabalho". Eu deduzo que meu trabalho acabara por aqui... Que m... de recompensa.
Jung sobre fazendo sua última interpretação psicodélica


No dia seguinte da interpretação, Jung tomava banho quando morreu. Causa da morte? Escorregou em uma pedra-sabão.

Ver também[editar]