Incêndios florestais na Amazônia em 2019

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Syn Shenron atirando relógio.gif
Este artigo ou seção trata do presente. As besteiras apresentadas aqui estão acontecendo e podem mudar rapidamente, ou serem só apagadas mesmo...

Os incêndios florestais na Amazônia em 2019 são uma série de incêndios que ocorreram na Amazônia brasileira em 2019 (duh), e que talvez durem ainda mais. Mas como ainda não existe clarividência, dizem que começaram só em 2019... Saindo da área do pleonasmo e entrando (ui!) na parte que interessa, os incêndios começaram a ficar famosos na mídia quando a fumaça viajou milhares de quilômetros e foi parar em São Paulo, que já é uma porra de tão poluído, mas escureceu em plena tarde e ficou pior ainda depois do ocorrido. A partir daí é só desgraça pela frente: brigas políticas, França fica pistola, países se reúnem, o presidente do momento toma no cu, etc...

Incêndios[editar]

Céu de São Paulo após o incêndio.

Antes de tudo, o governo atual ficou puto com o dinheiro que vinha ganhando da Alemanha e Noruega para a preservação da floresta, depois que os dois países questionaram se ele estava sendo devidamente aplicado. Foi por causa disso que nosso querido país deixou de receber a grana, pois, segundo o governo brasileiro, a Alemanha não deveria perder tempo cuidando do Brasil, já que ela própria fica desmatando para construir campos de concentração para pessoas com TDAH. O governo salsichão rebateu dizendo que TDAH é um mal que necessita ser eliminado, mas mesmo assim adiantou porra nenhuma, e os dois países deixaram de doar para a proteção da Amazônia, que realmente se fudeu no final.

Amazônia fumando um baseado.

Com isso, sobrou pros fazendeiros fazerem a festa e acenderem seus cigarros bem no meio da mata toda, com o simples objetivo de transformar toda a Amazônia num imenso curral fumacento onde todos poderão ouvir sertanejo e sentir dor de corno à vontade. Entretanto, como pode-se observar, o incêndio acabou saindo do controle, e se juntou com vários outros incêndios para criar uma sociedade... ou pior ainda, um Megazord incendiário, papocando de vez com toda a vegetação e as saias dos índios. Mas esse Megazord é ambicioso e não se contentou apenas com a Região Norte (nem com as saias); ele mandou seus lacaios invadirem as outras partes do Brasil...

Foi então que a população brasileira percebeu a profunda bagaceira que era a queima de fogos por lá, quando São Paulo foi finalmente atingida pela fumaça. Não era o dia previsto da Marcha da Maconha, mas muitos pedestres ficaram cegos, pessoas foram incriminadas injustamente de peidarem em público, o pessoal se confundia achando que já era horário de verão porque escureceu, e etc... Mas não só aconteceram leves prejuízos: depois disso, alguns fumantes não precisavam mais fumar um cigarro para estarem fumando. Tal evento quase quebrou as empresas de cigarro, fazendo com que 90% delas fechassem as portas...

Reações[editar]

As reações foram diversas; muitos ficaram putos da vida com Bolsonaro, outros falaram que é só fake news e que na verdade a fumaça são os heróis da Marvel fazendo um churrasco e esperando o Hulk dar um estalo com a manopla do infinito... O incêndio tomou proporções tão grandes que bugou até mesmo a mente do presidente (que de fato buga com facilidade), e no fim das contas ele só mandou o exército resolver, como tudo no governo atual... Além disso, o governo também ficou pistola com os presidentes do exterior falando mal do Brasil, e ameaçou jogar uma bola de papel em cada um deles...

Já na visão dos presidentes do exterior, o que mais se destacou foi o da França, Mané Boiolon. Ele disse que o problema atual é nível mundial, e se não fizermos nada, o fogo pode se alastrar pelo mundo inteiro. "O mundo inteiro corre perigo, pois o incêndio pode se alastrar nos barcos, que vão até a Europa pra queimar tudo", disse ele no Twitter. Vários outros presidentes também se manifestaram, numa tentativa de ganharem notoriedade junto com seus países.